domingo, 11 de junho de 2017

URIAS, O JUSTO INJUSTIÇADO!


Por Fabio Campos

Texto base: “E mandou Davi indagar quem era aquela mulher; e disseram: Porventura não é esta Bate-Seba, filha de Eliã, mulher de Urias, o heteu? Então enviou Davi mensageiros, e mandou trazê-la; e ela veio, e ele se deitou com ela...”. – 2 Samuel 11: 3,4 (AFC)


Quando me perguntam qual o meu herói favorito no Antigo Testamento – para surpresa de muitos – digo que é Urias, o heteu. Urias foi mais um dos justos injustiçado neste mundo de cão. A tragédia se torna ainda mais dramática pelo fato da crueldade ter sido praticada não pelas mãos do ímpio, mas de um justo, o rei Davi.

Urias é meu referencial não por causa da habilidade com a espada, mas por seu caráter e por sua hombridade. Ele era viril segundo os padrões de Deus. O “mano” foi valoroso frente a “molecagem” de Davi.

Urias significa “minha luz é Yahweh”; o herói da nossa reflexão, com efeito, fez valer o significado.

Urias era estrangeiro, heteu, que pertencia ao seleto grupo dos heróis de Davi (2 Sm 23.39; 1 Cr 11.41); residia em Jerusalém, vizinho do palácio real (pois sua casa era possível de ser avistada do palácio [2 Sm 11.2]).

Tanto o seu nome como a sua conduta sugerem que ele havia abraçado a religião hebraica (2 Sm 11.11). O hitita lutava sob as ordens de Joabe, comandante das tropas de Davi. Certa vez, quando Urias estava na guerra, o rei encontrava no terraço do palácio e, ao olhar para baixo, viu Bate-Seba, esposa do soldado, banhando-se. Davi desejou-a ardentemente, mandou trazê-la e engravidou-a (1 Sm 11. 1-5). O rei ordenou que Urias retornasse a Jerusalém, na esperança de que dormisse com a esposa e lhe evitasse assim a situação embaraçosa.

Ao chegar da guerra a mando do rei, Urias recebe a ordem de Davi que fosse para casa descansar e dormir com sua esposa. Urias, sem falar nada, saiu da presença do rei e, o invés de ir para o conforto do seu lar e deliciar-se com os carinhos de sua esposa, preferiu dormir à porta do palácio real.

Urias recusou tal privilégio que seus companheiros de exército não teriam. Sua preocupação era com a Arca e com o povo de Israel. As investidas de Davi para fazer com que ele dormisse com Bate-Seba não deram certo. Mesmo embriagando-o, o valente Urias honrou sua convicção: novamente dormiu com os servos.

Exasperado, Davi o enviou de volta à frente da batalha, com uma recomendação ao comandante Joabe para colocar Urias na linha de frente no cerco à cidade de Rabá, o que acarretou na sua morte. O rei Davi, então, toma Bate-Seba para ser sua esposa. O que parecia ser louvável a todo Israel (ainda ninguém sabia o que de fato havia acontecido), cheirava mal perante o Senhor Deus (2 Sm 11.27).

Urias foi apagado pelo homem, mas elogiado por Deus.

Com efeito, a disciplina e fidelidade de Urias são dignas de ser imitadas por todo aquele que verdadeiramente leva Deus a sério. Quanta virtude há neste homem que morreu sem saber da trama que foi levantada contra ele.

Sem promover a fidelidade aos seus camaradas de guerra, Urias não esperou “sentir de Deus” para entender que naquela ocasião, ainda que fosse lícito, não convinha dormir com sua esposa. A fé de Urias não era pautada em emoções ou em expectativas de triunfos, mas em princípios: “Pela tua vida, e pela vida da tua alma, não farei tal coisa” (2 Sm 11:11).

A voz da consciência de Urias falou mais alto que a ordem do rei: “Porém Urias se deitou à porta da casa real” (2 Sm 11.9a). Ele se abdicou do prestígio daquele privilégio e preferiu dormir com os servos de Davi: [pernoitou] “com todos os servos do seu senhor; e não desceu à sua casa” (2 Sm 11.9).

Urias, como um bom soldado, era disciplinado e rigoroso consigo mesmo. Ele sabia que o seu chamado era o de proteger Israel. Diferente de Davi, Urias sabia que sua espada seria enfraquecida caso cedesse aos desejos do seu coração: “... mais vale controlar o seu espírito do que conquistar uma cidade” (Pr 16.32).

O heteu era obediente (v.12); porém fazia apenas aquilo que era correto. Mesmo sob influência do vinho, Urias foi mais disciplinado e leal do que Davi, que estava sóbrio (v. 13).

O hitita é o tipo de gente que podemos confiar o tempo todo. Você poderia deixar, por exemplo, sua esposa a sós com ele sem nenhuma preocupação de haver dele algum galanteio. Não havia suspeita na vida deste guerreiro. Era o tipo de servo que não vasculhava a gaveta do seu patrão. Sem abrir o envelope entregue por Davi direcionado a Joabe, Urias levou sua própria sentença de morte (14-15).

Urias não tinha medo de nada exceto de Deus. Sem retrucar ou pedir explicações, sabendo do perigo de morte por ser o “linha de frente” na batalha, obedeceu ao seu comandando; porém, desobedeceu ao rei quando ordenou que dormisse com sua esposa.

Quanta virtude! Cadê os homens deste quilate?

Joabe não viu com bons olhos a orientação de Davi mas obedeceu ao rei (v.25). Colocou Urias na linha de frente e, no calor da batalha, conforme planejado, Urias foi morto.

Aparentemente o plano de Davi foi bem sucedido. Com indiferença, recebeu a notícia da morte do heteu: “Não fique preocupado com isso, pois a espada não escolhe a quem devorar” (2 Sm 11.25). Bate-Seba, porém, chorou a morte de seu marido.

O desejo descontrolado de Davi e sua pervertida atitude destruiu a família de Urias. Com isto, o rei trouxe desgraça sobre Israel e sobre sua família. Quanta desgraça por causa de um simples olhar onde por tudo começou.

Quando tudo estava sob o controle do rei, após alguns meses, Deus resolve tratar com Davi e honrar a memória de Urias. O profeta Natã é enviado ao rei para repreendê-lo. Com uma história contada na pessoa de um terceiro, o rei sem saber que este homem mal se tratava dele mesmo, cravou sua própria sentença:

“Então, Davi encheu-se de ira contra o homem e disse a Natã: "Juro pelo nome do Senhor que o homem que fez isso merece a morte! Deverá pagar quatro vezes o preço da cordeira, porquanto agiu sem misericórdia. “Então Natã disse a Davi: "Você é esse homem!” – 2 Samuel 12:5-7

Davi sofreu graves conseqüências por causa do seu pecado.

Desde então a família do rei viveu em guerra; seus filhos se deitaram com as concubinas do próprio Davi; houve muita contenda entre seus filhos, e um estupro por meio do incesto entre os irmãos Amnon e Tamar, filhos do rei. Deus, porém, perdoou Davi por haver ele confessado o seu pecado publicamente (ver salmo 51).

Infelizmente o mundo é atraído pelo carisma, e não pelo caráter. Urias não foi uma personagem de destaque nas Escrituras, mas não tenho dúvida que Deus o considera um herói.

A maior tentação dos cristãos não é o desânimo dos fracassos, mas o anseio pelo sucesso. É aqui que todos aqueles que se deixam levar comem nas mãos do diabo (Mt 4.8).  O sucesso pode nos dar privilégios – como tinha o rei Davi – porém facilita a possibilidade de adquirir também aquilo que não nos pertence. Como disse Charles Haddon Spurgeon, considerado o príncipe dos pregadores: “Com muito mais frequência o cristão envergonha sua fé na prosperidade do que na adversidade."

Que Deus nos guie e nos livre não somente do mal, mas de não sermos o agente do mal na vida de alguém.


Em Cristo Jesus, considere este artigo e arrazoe isto em seu coração.

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos

“A folha branca é o meu púlpito principal.”
Curta nossa página fan page e tenha acesso a vídeos, artigos e reflexões de autores cristãos de todas as épocas: https://www.facebook.com/fabiosolafide/?fref=ts
_______________
Bibliografias:

O Novo Dicionário da Bíblia, Vol 1 e 2. São Paulo, SP; Edições Vida Nova, 1984
Quem é quem na Bíblia Sagrada. Editado por Paul Gardner. Editora Vida Acadêmica. São Paulo, SP