sexta-feira, 12 de maio de 2017

RUTE, UMA MULHER DIGNA DE CONFIANÇA


Escola Bíblica Dominical – 14 de maio de 2017 | Lição 7
Texto Áureo: Rt 1.16

Verdade prática: Deus usou Rute, quebrando todos os paradigmas raciais, para torná-la parte da linhagem do Messias.

Leitura bíblica em classe: Rute 1.11, 14-18

REFLEXÃO E OBJETIVO DA LIÇÃO: 1) Apresentar um resumo da história de Rute; 2) Mostrar o cuidado de Noemi e o caráter de Rute; 3) Explicar como Rute entrou na genealogia de Jesus.

INTRODUÇÃO:

a. Estudaremos a história de uma família que enfrentou a crise da fome, do luto e da desesperança.

b. Deus não escolhe segundo os critérios humanos; isto é, a maioria de seus escolhidos não são poderosos e nem nobres de nascimento (1 Co 1.26).

c. A escolha por Rute confirma justamente isso: “as coisas insignificantes do mundo, as desprezadas e as que não são nada para reduzir a nada as que são” (1 Co 1.28).

d. Essa moça estrangeira, de moabe, é levantada por Deus para ser a bisavó de Davi, do qual descenderia o prometido de todas as Nações, a saber, Cristo Jesus, Nosso Senhor.

I. RUTE, UM RESUMO DE SUA ORIGEM

1. Uma estrangeira.

a. O nome Rute significa “amizade”. Também “amiga”, “beleza”, “bela de ver”.

b. Um fato histórico tornou os moabitas adversários de Israel.

c. Na peregrinação de Israel ao Sinai, os moabitas criaram alguns obstáculos que atrapalhou Israel de chegar a terra prometida. ( Balaque, rei de moabe naquela época, incita o profeta Balaão a amaldiçoar o povo de Deus por conta que Israel se tornara um povo numeroso Nm 22).

d. Por esta razão, Deus decretou que “nenhum amonita nem moabita entraria na assembléia do Senhor, nem ainda na décima geração; nunca poderão entrar na assembléia do Senhor” (Dt 23.3).

e. As diferenças não eram meramente históricas. Os eventos do livro de Rute aconteceram “nos dias em que os juízes julgavam” (Rt 1.1). Poucos anos antes desse tempo difícil, os moabitas, sob liderança de Eglon, tinham invadido e subjugado uma grande parte do território de Israel por 18 vezes (Jz 3.12-14), até que Eúde, o canhoto, matou este rei e libertou Israel (VV. 15-29). Depois disso, Moabe submeteu-se a Israel por 80 anos (v. 30).

f. Será que Rute não sofria um certo desprezo por ser moabita? Certamente que sim; mas Deus: (misericórdia triunfa sobre o juízo)

“... não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração.” – 1 Samuel 16:7

2. Como Rute vinculou-se a uma família israelita.

a. A fome é a circunstância que fez uma família israelita migrar para a terra estranha de Moabe. A fome foi algo recorrente nos tempos dos patriarcas, tendo levado Jacó e os filhos a migrarem para o Egito.

b. Elimeleque decidiu mudar-se para Moabe (Rt 1.1,2). Naquele momento de crise, eles fizeram o que parecia ser o melhor para toda sua família, foram para Moabe.

c. Os filhos de Elimeleque e Noemi, Malon e Quiliom – contrariando os costumes da família casaram-se com as jovens moabitas, Rute e Orfa.

d. Malom casou-se com Rute; Quiliom casou-se com Orfa.

e. Mas eles se depararam com uma crise terrível que resultou na morte das três pessoas que poderia sustentar a velha Noemi. Não havia pensão na época.

f. Com efeito, perder o marido é algo doloroso; mas perder o marido e dois filhos de forma repentina, é desastroso, como é explicito nas próprias palavras de Noemi: “A minha amargura é maior do que a vossa” (Rt 1.13).

3. Em direção à terra de Judá.

a. Belém significa “casa de pão”, e o nome reflete a fertilidade de seus campos e pomares. Mas mesmo em Belém a fome atingiu a comunidade.

b. Noemi ficou sabendo que Deus estava restaurando a sorte do seu povo e decidiu voltar para a sua terra (1.6).

c. Após dez anos, Noemi com suas duas noras, parte para Belém, mas chegaram apenas Noemi e Rute.

SÍNTESE DO TÓPICO I                                                         

Rute era uma moabita que se vinculou a uma família israelita e veio a fazer parte da linhagem do Messias.

II. O CUIDADO DE NOEMI E O CARÁTER DE RUTE

1. Um amor sincero e profundo.

a. Noemi achou que não seria sábio as duas jovens deixarem Moabe, sua terra natal. Elogiou-as pela lealdade para com os seus maridos falecidos e para com ela mesma, e insistiu a que ficassem em sua terra natal.

b. Orfã foi embora e não se ouve mais a seu respeito, porém Rute “se apegou a Noemi”. O verbo é o mesmo empregado para referir-se ao casamento em Gênesis 2.24: “Por isso [...] o homem [...] se une à sua mulher”.

2. O caráter amoroso de Rute.

Orfa, viúva de Quiliom, “beijou a sua sogra”, e despediu-se, e foi embora para sua família, e “aos seus deuses” (Rt 1.15). Mas Rute demonstrou outra atitude. Preferiu acompanhar sua amada sogra. 

a. Um caráter amoroso e confiante:

“Rute, porém, respondeu: "Não insistas comigo que te deixe e não mais a acompanhe. Aonde fores irei, onde ficares ficarei!” – Rt 1.16a

I. Rute é o tipo de pessoa com a qual podemos contar; ela esteve disposta a sofrer prejuízos para cumprir o que houvera prometido. Este subirá ao monte do Senhor e jamais será abalado: Aquele que...

“... honra os que temem ao Senhor, que mantém a sua palavra, mesmo quando sai prejudicado.” – Salmos 15:4 (NVI)

b. Um caráter fortalecido na fé em Deus

“O teu povo será o meu povo e o teu Deus será o meu Deus!” – Rute Rt 1.16b

I. Esta seção de Rute é considerada um dos mais tocantes trechos da literatura. Rute renunciou a tudo quanto deveria considerar importante em Moabe e voluntariamente escolheu ir a Judá e lá começar uma vida inteiramente nova com sua sogra.

c. Um caráter decidido e firme.

I. Rute afirmou diante de sua sogra, amiga e irmã de fé sua decisão consciente:

“Onde morreres morrerei, e ali serei sepultada. Que o Senhor me castigue com todo o rigor, se outra coisa que não a morte me separar de ti! "Quando Noemi viu que Rute estava de fato decidida a acompanhá-la, não insistiu mais. – Rt 1.17,18 (NVI)

II. A vida piedosa de Noemi influenciou Rute a seguir o Deus de Israel independentemente das circunstâncias.

III. Muitos têm abandonado a Cristo por causa dos desafios e lutas; os verdadeiros adoradores, entretanto, provam o seu amor para com Deus justamente nos momentos mais difíceis da vida:

"No início, o homem ama a si mesmo em benefício próprio. Tal é a carne, que só sabe apreciar a si mesmo. Depois, ele percebe que não pode existir sozinho, e assim pela fé começa a procurar a Deus e a amá-lo como algo necessário para seu bem-estar. Esse é o segundo degrau, amar a Deus não por causa de Deus, mas por egoísmo. Porém, depois que ele aprende a adorar a Deus e a procurá-lo de forma correta, meditando sobre ele, lendo a sua Palavra, orando e observando seus mandamentos, ele aos poucos passa a descobrir quem é Deus, e o acha completamente amável. Assim, havendo provado e visto quão gracioso é o Senhor (Sl 34.8), ele avança para o terceiro degrau, quando ele ama a Deus, não simplesmente como seu benfeitor, mas como Deus mesmo." — Bernardo de Claraval, Do Amor a Deus 1

SÍNTESE DO TÓPICO II

O cuidado de Rute para com Noemi revelou o seu caráter fiel e bondoso.

III. COMO RUTE ENTROU NA GENEALOGIA DE JESUS

1. Rute chega a Belém.

a. Quando Noemi e Rute chegaram à cidade, provocaram verdadeira sensação. A pergunta que as pessoas fizeram “não é esta Noemi?”, revela que até mesmo seu físico foi abalado devido aos sofrimentos que passara em Moabe.

b. Noemi e Elimeleque tinham partido com sua feliz família; agora a própria aparência de Noemi dava testemunho das dificuldades que experimentara.

c. Noemi significa agradável, enquanto que Mara significa amarga. Ao chegar, Noemi pede para ser não mais chamada pelo seu nome, mas de Mara, devido a todo o sofrimento que passou, pois acreditava que seu sofrimento vinha de Deus, como forma de punição.

d. Rute e Noemi chegaram a “Belém no princípio da sega da cevada”. A fome se acabara e o começo da colheita era boa ocasião para retornar ao lar.

2. Rute atrai a atenção de Boaz.

a. Como Noemi era viúva e não tinha filhos, Rute tomou a responsabilidade do “arrimo de família” e foi para o campo apanhar espigas. 

b. Rute, que era uma mulher virtuosa (Pr 31), trabalhou até tarde para trazer o alimento para a sogra.

c. Ela foi para um campo de cevada que pertencia a um parente de Elimeleque, o Boaz.

d. O trabalho de Rute chamou a atenção de Boaz; Rute demonstrou sua lealdade e beneficência para com sua sogra.

e. Boaz notou a presença de uma estranha em seu campo. Sua aparência e roupas eram diferentes das outras moças que costumavam rebuscar atrás dos segadores (ganhavam favores através da sensualidade ostentada).

f. Boaz foi atraído pela virtude de Rute, pois ele já tinha ouvido falar a respeito da sua bondade e fidelidade para com Noemi.

g. Um homem de Deus se apaixona por uma mulher que reflete a glória de Deus:

“Ela se inclinou e, prostrada rosto em terra, exclamou: "Por que achei favor a seus olhos, a ponto de o senhor se importar comigo, uma estrangeira? " Boaz respondeu: "Contaram-me tudo o que você tem feito por sua sogra, depois que você perdeu o marido: como deixou seu pai, sua mãe e sua terra natal para viver com um povo que pouco conhecia.” – Rute 2:10,11

3. Rute casa com Boaz.

a. Noemi, preocupada com o futuro de Rute, viu em Boaz a possibilidade de um casamento feliz  para Rute (Rt 3.1-2). Ela aconselha Rute a se arrumar e, quando Boaz estivesse deitado, ela descobriria seus pés e deitasse ao lado deles.

b. Sob circunstâncias normais isto seria interpretado como um ato e imoralidade. Contudo, a integridade de Rute e Boaz era tal que Noemi sentiu-se livre para sugeri-lo.

c. Boaz entendeu o recado, mas conhecia a lei que dizia que a preferência de casamento era dada ao parente mais próximo.

d. Boaz procurou, logo cedo, o seu parente (função que neste tipo de situação era chamado de resgatador); chamou dez testemunhas e expôs a situação. O resgatador por direito abriu mão de Rute, e Boaz a toma para si.  

e. Boaz a Rute se casaram; o povo que compareceu à cerimônia ficou feliz com o casamento (Rt 4. 11,12). O que aconteceu?  

Rute gerou Obede, Obede gerou Jessé, Jessé gerou Davi, do qual viria ser descendente do Messias, a saber, Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

SÍNTESE DO TÓPICO III

Rute, pela graça divina, veio fazer parte da linhagem do Messias.

CONCLUSÃO

1. Ninguém está fora do alcance da graça de Deus de forma que não possa ser salvo. Rute tinha tudo contra ela, mas o Senhor salvou-a.

2. Para Deus, não há “decisões pequenas”. A decisão de Rute de apanhar espigas no campo levou-a a se tornar ancestral do rei Davi e do Messias.

3. O amor de Deus está muito além da nossa compreensão. Rute é um grande exemplo de amar a Deus e ao próximo de forma desinteressada.

4. Se agirmos assim, Deus fará o resto conforme a sua boa, perfeita e agradável vontade:

"Toda a riqueza e prosperidade vêm de ti; tu governas todas as coisas com o teu poder e a tua força e podes tornar grande e forte qualquer pessoa." (- 1 Crônicas 29.12, NTLH)


Soli Deo Gloria!
Fabio Campos

Aula ministrada na ICT – J - dia 14/05/2017

Curta nossa página fan page e tenha acesso a vídeos, artigos e reflexões de autores cristãos de todas as épocas: https://www.facebook.com/fabiosolafide/?fref=ts
____________________________________________________
Bibliografias:

1 “A Biblioteca de C. S. Lewis”; BELL, James S. & DAWSON, Anthony; Ed. Mundo Cristão. P. 29-30

Escola Bíblica dominical. O Caráter do Cristão. 2º trimestre de 2017; CPAD; lição 7.
MORAES, Elias Soares. Dicionário Etimológico de Nomes Bíblicos. Editora Beit Shalom, 1º edição 2010. São Paulo, SP
Quem é quem na Bíblia Sagrada.Editado por Paul Gardner. Editora Vida Acadêmica. São Paulo, SP
Confira também Rute, Deus trabalha pela família