quinta-feira, 1 de setembro de 2016

O PODER DA EVANGELIZAÇÃO NA FAMÍLIA



Escola Bíblica Dominical – 4 de setembro  de 2016 | Lição 10

Texto Áureo: At 16.31

Verdade prática: A salvação pela fé em Jesus deve ser pregada aos filhos e aos familiares não crentes, tanto por meio de palavras quanto por um testemunho bom, eficaz e amoroso.

Leitura bíblica em classe: Atos 16. 25-34

EXPLICAÇÃO DO TEXTO: 

a. O texto que lemos relata a prisão de Paulo e Silas em Filipos, na Macedônia. Paulo e Silas foram direcionados por Deus através de uma visão, na qual um homem pedia que fossem para aquele local (16.10). 

b. Nesta missão, Lídia, vendedora de tecido de púrpura, da cidade de Tiatira, se converte por pregação de Paulo. A Bíblia diz que “o Senhor abriu seu coração para atender à mensagem de Paulo” (At 16.14).

c. Certo dia, Paulo e Silas estavam a caminho para um local que era de costume a oração. No caminho eles encontram uma “jovem possessa” (16.13,14). O mais triste é saber que aquela jovem não era escrava somente do diabo, mas de homens gananciosos. 

d. Pelo fato de Paulo ter expulsado aquele espírito de adivinhação, os donos da moça agarram Paulo e Silas e os arrastaram para a praça principal, diante das autoridades. Eles foram julgados. Depois de serem maltratados, foram lançados na prisão. 

e. O carcereiro recebeu ordem para vigiá-los com cuidado. Creio que assim Deus fez, com essa ordem “vigiá-los com cuidado”, pois ele esteve atento não somente aos presos, mas na forma que Paulo e Silas adoravam a Deus em meio ao sofrimento.

INTRODUÇÃO:

a. Por volta da meia noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus. De repente houve um terremoto tão violento que os alicerces da prisão foram abalados. A Bíblia diz que “todas as portas se abriram, e as correntes de todos se soltaram” (não somente de Paulo e Silas, mas também dos que estavam a sua volta). C. H. Spurgeon diz, que:

“Qualquer tolo é capaz de cantar durante o dia. É fácil cantar quando conseguimos ler a partitura à luz do sol; mas o cantor habilidoso consegue cantar quando não há sequer um raio de luz para iluminar as notas. Os cânticos noturnos vêm somente de Deus; não se encontram ao alcance dos homens.”1

b. O carcereiro vendo as portas abertas, iria se matar; pois havia falhado na sua missão. Mas Paulo chama sua atenção para dizer que eles estavam todos ali. A missão principal do carcereiro era cuidar de Silas e Paulo em virtude do episódio da expulsão do espírito de adivinhação da moça escrava. 

c. O carcereiro que houvera acompanhado bem de perto, Paulo e Silas, vendo sua misericórdia para com ele, perguntou: “Senhores, que é necessário que eu faça para se salvar?” E eles disseram: “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa” (16.30-31). 

d. O carcereiro creu no Senhor; cuidou de Paulo e Silas; e toda sua casa creu e com ele foram batizados. 

e. Surge, então, a primeira igreja estabelecida na Europa, na colônia romana de Filipos. É na casa de Lídia que se instala a sede da primeira igreja da Europa (16.40).  

f. Filipos foi fundada por Felipe, pai do grande imperador Alexandre Magno, de quem recebeu o nome. Sua localização geográfica era estratégica para a obra missionária já que a cidade se encontrava entre o Oriente e o Ocidente. 

g. William Barcley diz que Felipe da Macedônia fundou a cidade que leva seu nome por uma razão muito particular. Em toda Europa não existia lugar mais estratégico. Há ali uma cadeia montanhosa que divide a Ásia e Europa. Felipe fundou essa cidade para dominar a rota do Oriente ao Ocidente.2

h. Tudo começou através de uma família. Por isso, hoje, estudaremos “O poder da evangelização na família”.

REFLEXÃO E OBJETIVO DA AULA: 1) Conscientizar de que os filhos precisam ser evangelizados; 2) Saber que o nosso maior desfio é evangelizar nossos cônjuges; 3) Mostrar que precisamos evangelizar nossos parentes.

I. EVANGELIZANDO OS FILHOS

Os pais não acompanharão seus filhos pelo resto de sua vida; A Escritura exorta para que ensinemos o caminho qual a criança deve andar (Pr 22.5). A Bíblia diz que “Moisés foi criado em toda ciência do Egito” (At 7.22). Mas o que prevaleceu no coração de Moisés não foi a cultura egípcia, mas os ensinamentos de sua mãe acerca do Deus dos hebreus, ensinado durante seus primeiros anos de vida. 

O mesmo aconteceu com o Jovem Timóteo. Sua mãe era uma cristã, da raça dos hebreus, mas o pai não era judeu (At 16.1). Timóteo cresceu em meio há duas culturas diferentes. Porém, o que prevaleceu na vida do jovem Timóteo - que depois se tornou pastor, foram os ensinos de sua mãe Eunice e da sua avó Lóide (2 Tm 1.15). Os pais são a base de tudo, como disse certa vez, John Wesley:

“Aprendi mais sobre cristianismo com a minha mãe do que com qualquer outro teólogo da Inglaterra.”

1. Por meio do culto doméstico

a. O culto doméstico é o momento em que toda família senta-se ao redor de seu Senhor. Todos se rendem ao seu senhorio. É neste momento que os pais demonstram, através dos cânticos, das orações e da leitura da Palavra o quanto amam e confiam em Deus.

b. De fato o tempo é curto; as coisas estão cada vez mais difíceis. Mas precisamos dar prioridade a isso. Vamos ter problemas se houver uma inversão de prioridades. Quando você prioriza as coisas essências, as secundárias se encaminham naturalmente. Quando, porém, você prioriza o secundário, nem as coisas secundárias e nem as fundamentais prosperarão. 

c. O culto doméstico é uma excelente oportunidade para instruir as crianças com uma linguagem menos formal e litúrgica. Os pais ensinarão seus filhos a orar através suplicas (pedido) ensinado-as a dependerem de Deus e, a orar com ações de graça (agradecimento), ensinando-os a serem gratas pelas bênçãos de Deus.

2. Através dos símbolos cristãos.

a. A criança é mais visual do que auditiva. Ela aprende mais observando do que escutando. Os israelitas foram instruídos por Deus a fazer menção do Senhor e a contar-lhes o que Ele havia feito com o seu povo.

b. Eles faziam isso através de lembretes escritos, rituais e monumentos (Dt 6. 6-9; Êx 12. 25-27; Js 4. 5-7). 

c. É importante que a criança visualize livros cristãos e Bíblias pela casa. Ensina-los a cantar hinos e louvores a Deus. Assista filmes cristãos com eles (compre um refrigerante e estoure uma pipoca; faça deste momento uma bênção e uma diversão para o seu filho). 

3. Levando-os à igreja.

a. Não tem jeito; nossos filhos devem (e até mesmo contra a vontade deles) estar na igreja. Não é reprimi-los da diversão; mas mostrar a eles a importância de estar naquele ambiente. Por vezes, a criança não deseja tomar o remédio; porém, sabemos que é necessário para seu próprio bem. Assim também deve ser no caso de frequentar a casa de Deus. Para o mundo isso não soa legal; mas um dia seu filho irá agradecê-lo por tal atitude. 

b. Elcana é um exemplo de homem comprometido com Deus e com a espiritualidade de sua família. Quando ia à casa de Deus, levava consigo Ana e Penina, junto de todos os seus filhos e filhas, ao local de adoração (1 Sm 1. 3,4). 

c. Jesus, quando criança, foi levado por seus pais para apresentá-lo (Lc 2.22). 

d. Era costume ir para Jerusalém todo ano para celebrar a festa da páscoa. Jesus, quando tinha doze anos, foi com seus pais para participar da celebração, pois essa era a idade que o jovem judeu se tornava um “filho da lei” e cumpria a exigências relacionadas às festas, jejuns, etc (Lc 2.22. 41,42). 

e. Os pais não somente devem levar seus filhos para a igreja, mas participar com eles dos cultos e da escola bíblica dominical.

4. Tendo um viver cristão.

a. Lembre-se, “você está sendo filmado!”. O mundo está lendo você, pois somos a carta de Deus lida por todos. (contar a história da família do pastor que queria morar na igreja). 

b. Se você quebra as regras que impõe a seus filhos, como por exemplo - “não mentir”; “não falar palavrões”; seus filhos nunca confiarão em você. Na idade adulta você não será levado a sério por eles.

c. Se Cristo estiver na sua casa logo seus vizinhos perceberão. Um lar “ungido” pela graça do Espírito Santo pregará sem palavras aos seus vizinhos.

“Não podemos ser uma igreja forte se não somos uma família forte.” – Paul Washer

SÍNTESE DO TÓPICO I  
                                                                                     
Os pais são os responsáveis pela evangelização dos filhos.

II. EVANGELIZANDO O CÔNJUGE

A Bíblia diz que ganharemos o nosso cônjuge para Cristo por meio da convivência: “Pois o marido descrente é SANTIFICADO por meio da mulher, e a mulher descrente é SANTIFICADA por meio do marido” (1 Co 7.14).

1. Trazendo a esposa a Cristo.

a. O marido deve, antes de tudo, ser um cristão. O marido cristão ama sua esposa e dá sua vida por ela (Ef 5.25). 

b. O marido deve colocar os interesses da sua esposa acima dos seus. Como vaso mais “fraco”, o marido deve cuidar do físico e do emocional da sua esposa. É também sua obrigação prover o alimento espiritual a ela. Alguém já disse: “Mulher, um verdadeiro homem faz mais que abrir uma porta. Ele abre a Bíblia e te ensina”.

c. Que mulher não teria prazer em ser submissa a um homem de verdade?

2. Trazendo o esposo a Cristo.

a. Qual a melhor forma da esposa ganhar o seu marido? O que a Bíblia diz sobre isso? A resposta se encontra em (1 Pe 3. 1-6).

b. Submissão e não subserviência, é o estilo de vida uma mulher de Deus. Sara obedecia a Abrão. A atitude dócil, mas sábia e prudente da esposa convencerá o marido a servir Jesus. O marido estará mais aberto para escutar os sábios conselhos da sua esposa. Deus disse a Abraão para atender ao pedido de Sara (Gn 21.12). Abraão obedeceu, pois conhecia a Deus e a sua esposa. 

c. Pelo porte cristão, em palavras brandas, bom humor, atos de bondade e decisões inteligentes. Todas as virtudes atraíram o marido para o evangelho de Cristo. (Contar o Testemunho do ex-ateu Lee Strobel).

d. Minha esposa me ajudou muito com uma palavra carregada de humor, porém, com virtude. Eu estava bem preocupado com a meta que tinha que cumprir no trabalho. Essa preocupação tomou uma proporção nada saudável. Mas, ela, minhas esposa, com a sabedoria de Deus, disse:

“Eu quero você bem! Para a empresa é importante você bater a meta. Para mim o mais importante é você não bater as botas.”

d. A melhor pregação da esposa crente é a sua conduta exemplar. A mulher virtuosa edifica o seu lar. Ela é muito preciosa. Sabe tratar o seu marido. Não irritará o seu esposo com falatórios e prédicas diárias.

“A esposa briguenta é como uma goteira constante.” – Pr 19.13 

e. A esposa sábia não descuida da sua aparência. Os homens se interessem sim por isso: Veja o rei Salomão, o que disse:

“Como você é linda, minha querida! Ah, como é linda! Seus olhos, por trás do véu, são pombas. Seu cabelo é como um rebanho de cabras que vem descendendo o monte Gileade. Seus dentes são como um rebanho de ovelhas recém-tosquiadas que vão subindo do lavadouro. Cada uma tem o seu par; não há nenhuma sem crias. Seus lábios são como um fio vermelho; sua boca é belíssima. Suas faces, por trás do véu, são como as metades de uma romã. Seu pescoço é como a torre de Davi, construída como arsenal. Nela estão pendurados mil escudos, todos eles escudos de heróicos guerreiros.” – Cantares 4.1 -4 (NVI).

f. Porém, a beleza é enganosa, e a formosura é passageira; mas a mulher que teme ao Senhor será elogiada (Pr 31.30). João Calvino diz que a uma mulher vestida com modéstia, educa um homem só com sua presença.

SÍNTESE DO TÓPICO II

O crente precisa obedecer aos princípios morais estabelecidos por Deus.

III. EVANGELIZANDO OS PARENTES.

Os parentes serão mais influenciados por nossas atitudes do que por nossas palavras. Não convivemos com os parentes, mas como é comum nas famílias, as notícias (boas e más) correm rápidas no meio da parentela. 

1. Em tempos favoráveis.

a. Precisamos aproveitar “todos os momentos” para anunciar o evangelho aos nossos parentes. Seja em dias festivos (como o natal) ou em dias de luto (como o velório); com sabedoria de Deus, a nossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para sabermos como devamos responder a cada um (Cl 4.6).

b. Cornélio sempre convidava seus parentes para o culto doméstico (At 10.24). Por ser um homem íntegro e honrado – líder dos seus soldados, mas também na sua casa –tinha a credibilidade das pessoas e por isso elas aceitavam o convite para adorar a Deus na sua casa.

2. Em tempos de crise.

a. Somos chamados a dar “respostas a despeito da razão da nossa esperança” (1 Pe 3.15). Grande é a oportunidade que temos de anunciar Jesus às pessoas nos tempos de crise. É oportuno o que disse C. S. Lewis:

“Em nosso prazer Deus sussurra. Em nossa consciência Deus fala. Em nossa dor, Deus grita. A dor é o megafone de Deus para despertar um mundo ensurdecido.”

b. Assim aconteceu com o carcereiro. Paulo, que estava em posição de sofrimento, ministrou o carcereiro que, após o terremoto, se encontrava em uma condição pior do que da de Paulo.

c. John Stott diz que “não eram gemidos; eram hinos o que saía de suas bocas. Em vez de amaldiçoar os homens, eles louvavam a Deus. Não é de admirar que os demais companheiros de prisão estivessem escutando.3

d. A firme decisão de Raabe, no cerco de Jericó, preservou não somente ela, mas seus pais, irmãos e parentes (Js 6.23,24). Nós temos o maior tesouro; a solução até para a morte; nós temos Jesus. Não há outra coisa mais rica para compartilharmos com os nossos, que não seja Jesus.

SÍNTESE DO TÓPICO III

Evangelize seus parentes não crentes.

CONCLUSÃO

1. Crendo em Jesus os nossos amados serão salvos. O nosso testemunho atrairá essas pessoas para Cristo, pois essa “tão grande salvação”, de maneira nenhuma, poderá negligenciada.

2. Se você não sabe o que falar, fale do seu testemunho e do que Jesus fez na sua vida (não queira convencer, apenas fale, pois o Espírito Santo se encarregará do resto).

3. Entretanto, se você quiser um parâmetro para a abordagem, segue uma dica que aborda o cerne da pregação do evangelho:

I. Mostrar de forma clara quem é Jesus e o que Ele Fez para nos salvar.
II. Mostre a necessidade de salvação. Fale que todos pecaram, conte a história da queda (leia Rm .23).
III. Diga que Jesus morreu na cruz pelos nossos pecados. A morte e a ressurreição de Jesus é a solução para o homem pecador.
IV. Mostre que a salvação é pela fé, mediante a graça de Deus.

4. Deus não fica sem testemunha; talvez ele tenha levantado você para fazer a diferença e levar a sua família aos pés do Senhor Jesus.

5. Que assim seja! Amém!


Soli Deo Gloria!
Fabio Campos

Aula ministrada na ICT – J - dia 04/09/2016

Curta nossa página fan page e tenha acesso a vídeos, artigos e reflexões de autores cristãos de todas as épocas: https://www.facebook.com/fabiosolafide/?fref=ts
____________________________________________________
Notas e citações:

1 LOPES, Hernandes Dias. Atos, A ação do Espírito Santo na vida da igreja; p. 313
2 Ibid, p. 299
3 Ibid, p. 299; p.309

Referências bibliográficas:

Escola Bíblica dominical. O desafio da evangelização. 3º trimestre de 2016; CPAD; lição 10.
LOPES, Hernandes Dias. Atos, A ação do Espírito Santo na vida da igreja. São Paulo, SP; Hagnos, 2012.