sábado, 10 de setembro de 2016

NUMEROLATRIA E NUMEROFOBIA


Por Hernandes Dias Lopes

Texto base: “Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos.” – At 2.47


Rick Warren, conhecido escritor americano, fala em seu livro “Uma igreja com propósitos” sobre uma pergunta errada: “O que devo fazer para a igreja crescer?” e também sobre uma pergunta certa: “O que está impedindo a igreja de crescer?”

A igreja é um organismo vivo, o corpo de Cristo. Consequentemente, precisa crescer em graça e em números. Com respeito ao crescimento da igreja, devemos evitar dois extremos. O primeiro deles é a numerolatria, a idolatria dos números. O crescimento da igreja precisa ser saudável, e não a qualquer custo. Não podemos mudar a mensagem do evangelho para torná-la mais palatável.

Muitas igrejas, no afã de crescerem, fazem uma pesquisa de mercado para identificar o que o povo gosta de ouvir, ou seja, o que dá ibope. Pregam para entreter, e não para converter. Enchem os templos de pessoas vazias de Deus e desprovidas da mensagem da salvação. Esse tipo de crescimento não expressa o crescimento saudável da igreja. Jesus não quer fãs, mas discípulos.

O segundo extremo perigoso é a numerofobia, o medo dos números. Não podemos nos esconder atrás de desculpas infundadas, dizendo que Deus se importa apenas com a qualidade, e não com a quantidade. Não há qualidade estéril. A igreja precisa crescer em graça e em números. Qualidade gera quantidade.



Texto extraído do livro: “Gota de alegria para alma”; LOPES, Hernandes Dias; Ed. Hagnos. P. 261.