sexta-feira, 4 de março de 2016

OBJETIVO PRINCIPAL: “NÃO PERDER A ALMA!”




Por Fabio Campos

O mundo está à beira de um colapso. As pessoas andam aflitas e angustiadas. O Brasil, em especifico, vive sua maior crise. A pior e mais vergonhosa de todas: “crise moral!”. Até parece que “todo homem é mentiroso” (Sl 116.11).

Em decorrência disso, as pessoas estão invertendo suas prioridades. Estão vendendo a alma em troca da “sobrevivência”. Estão transformando “pedras em pães” comendo nas mãos do diabo. 

As empresas, em específico os bancos, colocaram as metas acima da ética. Por uma questão “legalista” e “política” exibem em seus sites um belo discurso descrito na missão, visão e valores. Na prática, porém, mostram outra face. Funcionários e clientes insatisfeitos. Quer identificar de forma eficaz se uma instituição é sustentável ou não? Não veja os números, antes, porém, pergunte aos colaboradores e clientes a respeito. Escute com muita atenção o que eles dirão.

Posto isso, como, então, não ceder as pressões e não entregar a alma à vaidade, como diz o salmista (Sl 24.4)? Quando digo “Não perder a alma”, não me refiro diretamente ao sentido estrito soteriológico (salvação), mas no estilo de vida de alguém que se entregou aos caprichos dos ambiciosos que tem por “deus” seu próprio ventre. 

Infelizmente, muita gente se vendeu ao Diabo. A mente deles se encontra cauterizada. Dizem para si mesmos: “Por certo é em vão que tenho mantido puro o coração e lavado as mãos na inocência” (Sl 73.13). Entretanto há aqueles que são regidos por uma lei maior. Poucos, mas existem! 

Estes são aqueles que “limparam as mãos na inocência”. Abriram mão do lucro desonesto porque entenderam que o caráter está acima de qualquer conforto ou status (Sl 15.4). 

Deus os preservou na simplicidade. São puros de coração. São desnutridos de informações, porém, ricos em honestidade. Não para menos, pois os filhos das trevas são mais astutos que os filhos da luz. Eis aí o porquê, Deus, por vezes, os preserva na “ignorância” de “alguns saberes”. 

As pessoas colocam tantas metas e objetivos no decorrer da vida, porém esquecem o principal: “Não perder a alma”. Daqui a cem anos, nada do que você busca hoje, com tanto anseio, fará sentido. Você já pensou nisso? Faça uma breve reflexão acerca da sua vida. Por que toda essa loucura? 

Será que suas expectativas não estão acima da sua necessidade? Isso é correr atrás do vento! É loucura e não faz sentido. Tente correr atrás do vento até alcança-lo. Será que suas fadigas e sobrecargas não provêm desta corrida maluca.

Às vezes é hora de dizer “não”! Não ceder às tentações da conquista psicopata. Dizer não ao pragmatismo empresarial que quer nos inserir numa “sobrecargas de funções” ao ponto de você não ter mais tempo de qualidade com sua família e amigos. O teólogo, D. A. Carson, comentando o texto de Ec. 11. 9,10, diz que a busca da felicidade deve ter isso em mente. Na medida do possível, os problemas que afetam o coração e a carne devem ser evitados. 

Eu sei que vamos perder algumas coisas por escolher um estilo de vida contrário a que se vive hoje. Vamos perder alguma porção de conforto; perderemos um pouco de tecnologia; perderemos o prestigio dos ambiciosos. Mas não perderemos o mais importante, a saber, a alma! 

A Bíblia diz que se o Senhor não for o construtor do seu lar, em vão será o seu esforço em construí-la. Vai ser totalmente inútil levantar de madrugada e trabalhar que nem um condenado, pois aos seus amados Ele dá enquanto dormem (Sl 127. 1,2). A questão não é o ócio, mas o exagero. Trabalhe para a glória de Deus. O excesso e a sobrecarga provêm do diabo, pois o Senhor “descansou” da obra que fizera. Ir além, é se vender a alma ao Diabo.

Meu principal objetivo dentro do contexto que me encontro, é o de não perder a alma. Vou pagar um preço por não ceder às demandas, mas a Palavra d’Aquele que cuida da minha vida, diz: “Aquele que agir assim nunca será abalado” (Sl 15.5). 

A escolha é sua! Quer ser o cara? Tudo bem! Mas o que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?

Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,


Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com