terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

NEM JESUS GOSTAVA DE GENTE INTERESSEIRA!




Por Fabio Campos

Texto base: Jesus respondeu: “A verdade é que vocês estão me procurando, não porque viram os sinais miraculosos, mas porque comeram os pães e ficaram satisfeitos”. – João 6.26 (NVI)


Suponha que você conheça alguém rico e generoso, e deseja apresentá-lo aos seus conhecidos. Este desejo, porém, carrega consigo ambições interesseiras. O desejo não é a amizade, mas os bens deste homem. 

Infelizmente, grande parte da igreja evangélica caminha neste caráter. Igreja interesseira! Não apresentam a Cristo, mas suas bênçãos. O negócio é se dar bem e Jesus é meio para isso. Vão a Cristo para subir na vida, porém, como alguém já disse, “nosso símbolo é uma cruz, e não uma escada”.

Como é horrível conviver com gente interesseira. Veja que Jesus não tinha o menor interesse neste tipo de gente (Jo 6.25-27). 

O texto do capítulo 6 do evangelho de João trata justamente disto. Jesus estava com seus discípulos a caminho do mar da Galileia (ou mar de Tiberíades). Uma multidão O seguia. Certa hora, vendo Jesus que o povo estava faminto, perguntou aos discípulos onde poderiam comprar pão. Jesus fez esta pergunta para testar Felipe, pois o Senhor sabia o que haveria de acontecer.

Levaram até Jesus cinco pães e dois peixes, e o Senhor os multiplicou. Todos comeram até de se fartar e ainda sobraram cestos e cestos. O povo vendo isto afirmou ser Jesus o profeta que devia vir ao mundo. A multidão, no entanto, queria a força fazer d’Ele um rei. 

Jesus, então, se retira da multidão, despede os discípulos no barco e vai ao monte para orar. No meio da noite uma tempestade se levante. O Senhor vai até o barco dos discípulos e os socorre. Em chegando ao outro lado da margem, advinha quem o esperava? A Multidão! As mesmas pessoas beneficiadas pelo milagre da multiplicação. 

O Senhor ficou muito aborrecido com aquilo. Diferente dos “profetas” de hoje que desejam ser idolatrados pela multidão - e por isso falam o que o povo gosta de escutar ao invés o que precisa escutar -, disse: “A verdade é que vocês estão me procurando, não porque viram os sinais miraculosos, mas porque comeram os pães e ficaram satisfeitos”.

A multidão o seguia por aquilo que Jesus podia beneficiá-los. Mesmo assim, com tudo, pediram mais sinais para saber se de fato podiam confiar n’Ele. Muita gente faz de Jesus um amuleto para conseguir algo. O povo se empenhou, atravessou o mar, enfrentou tempestades, porém, de olho no que Cristo poderia fazer e não no que podia ser para eles.

Ligue a televisão para assistir um programa evangélico e logo irá perceber, por meio dos testemunhos, que eles estão em busca do “pão da terra” e não do “pão do céu”. Eles citam o nome “Jesus” porque comeram do pão da terra e continuam a invocá-lo porque não estão satisfeitos com que o possuem. 

Isso nada tem a ver com a vontade de Deus! Alias esse povo não sabe nem o que isso significa - “vontade de Deus”. Eles não pedem; antes, determinam! Não oram mais “que se faço a Tua vontade”, mas “a minha”. A “vontade de Deus, entretanto, é dar vida eterna a todos o que n’Ele crer” (Jo 6.40). 

Após este duro discurso de Jesus, todavia, verdadeiro, Ele foi abandonado pela multidão. Sobraram somente os discípulos. Eis aí a questão: discípulo caminha junto. Quando Jesus convida-os a se retirar como fez o povo, Pedro, porém, disse o que todo discípulo de Cristo diz: “Senhor, para quem iremos? Só Tu tens as palavras de vida eterna”. 

Seja mais criterioso com o que é dito no púlpito da sua igreja. Qual é o foco: Cristo ou as bênçãos do Cristo? Não seja um interesseiro com ambições egoístas. O cristianismo veio para tirar o homem da sua zona de conforto e confrontá-lo justamente naquilo que ele “acha que pode”. 

Cristo não deseja apreciadores, Ele chama discípulos. Caso você seja alguém com interesses escusos, você está procurando isto em lugar errado, como disse C. S. Lewis: “Se você está à procura de uma religião que o deixe confortável, definitivamente eu não lhe aconselharia o Cristianismo”.

Nem Jesus buscou seus próprios interesses, mas os do Pai. Por estas e outras que o cristianismo é diferente de tudo o que há entre os homens, pois foi planejado no Céu, como está escrito:

“Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros. Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus.” - Filipenses 2:4,5 (NVI)


Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com