domingo, 29 de novembro de 2015

EBD - Lição 9 | BÊNÇÃO E MALDIÇÃO NA FAMÍLIA DE NÓE


Escola Bíblica Dominical – 29 de Novembro de 2015 | Lição 09
Texto Áureo: Gn 9.26,27

Verdade prática: Por causa de sua irreverência e falta de respeito, Cam veio a perder boa parte de sua herança.

Leitura bíblica em classe: Gênesis 9. 20-29

Explicação do texto:

a. O texto trata da primeira vinha plantada. Noé, porém, não sabendo da dose que deveria tomar, acabou por ser embriagar.

b. Alguns, entretanto, desculpam Noé ao sugerir que as condições atmosféricas da terra após o dilúvio levariam à fermentação do vinho e que ele não sabia realmente o que fazia. Creio que se assim fosse, ele ao perceber o perigo de embriaguez, cessaria o consumo.

c. A lição que fica é que, um “abismo” chama outro “abismo”, e Cam seu filho, por não ter respeitado a autoridade de seu pai quando o viu nu, correu apressadamente para contar a seus irmãos (fofoca): “... pois os pés deles correm para fazer o mal” (Pr 1.16a)

d. Diferente de Cam, seus irmãos Sem e Jafé, ao ser notificados, vão ao encontro de Noé, porém não ousam olhá-lo e chegam ao lugar de cabeça virada em sinal de respeito.

e. Noé, ao acordar da sua embriaguez, ganhando ciência do ocorrido, profere uma maldição contra Canaã qual viria a ser escravo dos seus irmãos Sem e Jafé. Jafé, porém, teve uma “bênção” menor do que seu irmão Sem. Sem viria a ser os judeus e Jafé, os gentios. Paulo explica isso em Rm 9 – 11.

Reflexão e objetivo da aula: 1) Saber a respeito da vinha que Noé plantou 2) Analisar o juízo de Noé sobre a irreverência de Cam; 3) Mostrar que a maldição de Canaã se cumpriu.

INTRODUÇÃO:

a. O início da história da família de Noé se dá na saída da Arca.

b. Porém essa família foi maculada pelo pecado do seu patriarca, ou seja, a embriaguez de Noé.

c. É importante salientar que Noé era um santo maduro de mais de 600 anos, não um jovem pródigo. Tal coisa nos alerta para a nossa condição mesmo depois de ter nascido de novo.

d. Ainda não fomos salvos da presença do pecado, pois isso só ocorrerá na glorificação. Portanto, aquele que pensa estar de pé cuide-se para que não caia (1 Co 10.12).

I. A VINHA DE NOÉ.

Esse episódio trata da 1) “destemperança do patriarca”, a 2) “irreverência de Cam” e do 3) “respeitoso gesto de Sem e Jafé”.

1. A destemperança do patriarca.

a. O texto sugere que Noé deliberadamente se despiu de forma vergonhosa; com frequência a intemperança e a impureza caminham juntas (repare o comportamento das pessoas quando estão embriagadas).

b. Ele expôs toda a sua família, pois “ficou nu dentro da sua própria tenda” (v.21).

c. Precisamos vigiar; sobriedade é dever de todo cristão, como está escrito: “Sejam sóbrios e vigilantes” (1 Pe 5.8a).

d. A revista diz que “Paulo recomendou aos obreiros a abstinência de bebidas alcoólicas:

“... não deve ser apegado ao vinho, nem violento, mas sim amável, pacífico e não apegado ao dinheiro” (1 Tm 3.3 NVI)

e. Paulo não diz isso; pois no mesmo texto que diz para “não sermos apegados ao vinho” diz também para “não sermos apegados ao dinheiro”.

f. Você já viu algum professor ou pregador com base neste texto afirmar que devemos nos abster do dinheiro? Certamente, não!

g. Precisamos tomar cuidado com o legalismo, ou seja, acrescentar algo a Escritura ou distorcê-la para alcançar um objetivo que supomos ser certo.

h. Eva responde a serpente ao ser perguntada, se ela poderia comer de toda árvore do jardim: “Deus disse: ‘Dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais’” (Gn 3.3). Será que Deus disse isso? Nem mesmo tocá-la? Onde Deus disse isso?

i. Em lugar nenhum. Eva é a primeira legalista, aquela que cria leis que Deus não ordenou.

j. Pode haver uma intenção positiva no legalismo: se eu não tocar o fruto, então não vou comê-lo. O princípio tem sido aplicado em muitas outras áreas, até mesmo em nossos dias. Se Eva não usasse do seu legalismo para se proteger e tivesse ficado somente com o que Deus disse, talvez, quem sabe, ela não viria a cair (lógico que trato aqui de uma conjectura)

l. Agora, a Bíblia têm mais advertências quanto aos perigos do uso do vinho do que a ciência dos seus benefícios (Pr. 21.17; 23.20,21,29; Is 5.22; 28.7).

O vinho é escarnecedor, a bebida forte alvoroçadora; e todo aquele que neles errar nunca será sábio. – Provérbios 20.1

m. Eu não bebo vinho, mas também não vou afirmar que nunca beberei; até mesmo porque haverá um dia que vou beber com Jesus. (Risos...)

“E vos afirmo que, de agora em diante, não mais tomarei deste fruto da videira até aquele dia em que beberei o novo vinho, convosco, no Reino de meu Pai”. – Mateus 26.28

n. Minha consciência ainda não me permite a ingestão de vinho.

o. Na dúvida, não tome!, pois a escritura diz que “feliz é o homem que não se condena naquilo que aprova; mas aqueles que tem dúvida é condenado se fizer, pois não faz por razões estabelecias na fé, e tudo que não provém da fé, mesmo que legitimo, é pecado” (Rm 14.22-23)

2. A irreverencia de Cam.

a. Cam foi tolo por não ter respeitado a autoridade de seu pai e por não ter o honrado. Deus não muda de ideia, pois mesmo com as falhas daqueles que Ele concedeu para exercer autoridade, desde que não fira os Seus princípios, continuarão na sua função e por isso devem ser respeitados como tal (Ex. no tribunal onde todos se chamam pelo título).

b. Esta atitude, mais tarde, viria a ser falta grave prescrita na lei de Moisés: “Não desonre o seu pai” (Lv 18.7)

c. Jamais poderemos expor o pecador a vergonha pública (Ex. Jesus e a mulher adúltera). O amor cobre uma multidão de pecado (1 Pe 4.8). Devemos, portanto, agir com amor para que o faltoso seja restaurado.

d. Somos ministros da reconciliação (2 Co 5.19): nossa função é reconciliar o homem com Deus e reconciliar o homem com o seu próximo (Mt 18.15-18).

3. O respeitoso gesto de Sem e Jafé.

a. Diferente do irmão Cam - Sem e Jafé-, foram nobres suficientes para sentir em si mesmos a vergonha de seu pai.

b. Com o rosto virado foram em de encontro ao pai para cobrir sua nudez.

c. Nós precisam cobrir as pessoas e não expô-las (Ex. Paulo e Onésimo).

d. Este é um exercício para não cairmos no pecado do orgulho espiritual, como disse Jonathan Edwards:

“A verdadeira humildade cristã fica em silêncio no que se refere aos pecados dos outros ou fala sobre eles com tristeza e piedade”. – Jonathan Edwards

“Resolvi ser a todos os níveis, tanto no falar como no fazer, como se não houvesse ninguém mais vil que eu sobre a terra, como se eu próprio houvesse cometido esses mesmos pecados ou apenas sofresse das mesmas debilidades e falhas que todos os outros; também nunca permitirei que o tomar conhecimento dos pecados dos outros me venha trazer algo mais que vergonha sobre mim mesmo e uma oportunidade de poder confessar meus próprios pecados e miséria a Deus”. (Resolução VIII, Jonathan Edwards).

e. Todo mundo precisa de misericórdia, mas só a alcançarão aqueles que a ela exercerem para como o seu próximo, como está escrito: “Bem aventurados os misericordiosos, porque alçarão misericórdia” (Mt 5.7).

SÍNTESE DO TÓPICO I

Noé plantou uma vinha, fez vinho e acabou por se embriagar.

II. O JUÍZO DE NOÉ SOBRE A IRREVERÊNCIA DE CAM

Noé, pela honra da família, precisou exercitar a disciplina dentro de sua casa: a maldição de Sem e a bênção de Sem e Jafé.

1. A maldição de Canaã.

a. Certa vez, um pastor muito famoso disse que a África é do jeito que é por causa da maldição que Noé lançou sobre seu filho Cam. Entretanto, isso não tem amparo bíblico, histórico e teológico.

b. Os descendentes de Cam, de fato, habitaram na África. Os filhos de Cam foram: Cuxe, Mizraim, Pute e Canaã (Gn 10.6).

c. Cuxe, Pute e Mizraim habitaram na África, entretanto, Canaã (no qual foi lançada a maldição) habitou na terra que hoje vive os palestinos e o povo hebreu, terra essa chamada “Terra da Promissão” (promessa).

d. O que precisa ficar esclarecido é que Noé não amaldiçoou Cam: “Os filhos de Noé, que saíram da Arca, foram Sem, Cam e Jafé”. Agora veja o destaque da continuação no próprio verso: “Cam é o pai de Canaã” (Gn 9.18).

e. Noé jamais poderia ter amaldiçoado diretamente a Cam, pois a Escritura diz que “Deus abençoo a Noé e a seus filhos” (Gn 9.1), ou seja, ninguém poderia amaldiçoar o que Deus já havia abençoado, e que, portanto, a maldição se cumpriu no seu neto Canaã.

f. Veja que Noé disse: “Maldita seja Canaã”, e não Cam.

g. O destaque disto se dá pelo verso seguinte: “São eles os três filhos de Noé; e deles se povoou toda a terra” (Gn 9.19).

h. (Doutrina monogenista: ensina que de um, Deus criou todos os povos).  – Cadeia: “Adão, Noé, seus três filhos, a raça humana.

i. Por que a maldição de Noé sobre Canaã não poderia ter recaído no continente Africano? Pelo simples fato que a região de Canaã fora habitada pelos cananeus, onde estão englobados os Cananeus • Ferezeus • Heveus • Jebuseus e Filisteu.

j. De acordo com alguns historiadores, Canaã veio da Ilha de Creta e se instalou na “Faixa de Gaza”, a antiga Pentápolis (cinco civilizações), que foi uma nação bélica e poderosa.

l. Todos os cananeus viveram nesta região, e como foi profetizado por Noé, os cananeus viraram servos de Sem. Este povo foi totalmente subjulgado pelos semitas no reinado de David e de seu filho Salomão.

m. Portanto, não faz sentido a afirmação do pastor quando diz que a maldição de Cam caiu sobre o povo Africana, pois Canaã nunca foi para a África.

n. Os africanos, de fato, descende de Cam, mas não pelo seu filho Canaã (qual foi dito que a maldição se cumpriria), mas através dos seus outros filhos.

o. Canaã, portanto, não teve nenhum descendente na África, por isso a ideia de que os negros são oriundos da maldição de Noé sobre Canaã, é uma falácia, assim como, os mórmons afirmavam que os negros eram descentes de Caim (a descendência de Caim foi destruída no dilúvio).

2. A bênção de Sem e Jafé.

a. Toda atitude reverente para com aqueles que Deus concedeu honra por Deus será honrada. Sem e Jafé servem de exemplo para nós a respeito disto (Gn 9. 26,27)

b. Muito provável que Cam foi contar, aos seus irmãos, sobre a nudez de seu pai, com deboche. Ele era do tipo que se alegrava com o pecado dos outros.

c. Muitos jovens talentosos estão desperdiçando seus dons com coisas desnecessárias; são debochados no seu proceder.

d. Paulo, porém, exorta seu filho na fé, Tito, a ter uma postura que agrada a Deus:

“Em tudo seja você mesmo um exemplo para eles, fazendo boas obras. Em seu ensino, mostre integridade e seriedade; use linguagem sadia, contra a qual nada se possa dizer, para que aqueles que se lhe opõem fiquem envergonhados por não terem nada de mal para dizer a nosso respeito”. – Tt 2. 7,8 (NVI)

e. Precisamos educar nossos filhos e os nossos jovens na disciplina do Senhor para que sobre eles não venha a consequência da nossa negligencia,

SÍNTESE DO TÓPICO II

Passada a embriagues, Noé toma conhecimento do feito perverso de seu filho Cam e pronuncia uma palavra de juízo sobre ele.

III. CUMPRE-SE A MALDIÇÃO DE CANAÃ.

Noé, sem saber, na disciplina para com Cam e na bênção para com Sem (povo judeu), profetiza aquilo que viria acontecer depois de 700 anos.

1. Canaã perde a sua herança.

a. Cam, por meio de Canaã, começa a ocupar a terra que na sequencia viria a ser conquistada pelos hebreus (descendentes de Sem).

b. Suas possessões iam de Sidom, passando por gerar e Gaza, até Sodoma e Gomorra (Gn 10.19). Era um povo iníquo e debochado assim como foi o seu patriarca Cam.

2. A bênção de Sem na pessoa de Israel.

a. Deus cumpre a promessa e dá aquela terra à Israel.

b. Depois de quarenta anos peregrinando no deserto, o povo desapossa Canaã da terra (Js 6.21).

3. Jafé participa da bênção de Sem.

a. Jesus, além de Deus, quando “se fez carne”, foi o maior Semita de todos. Por isso que a Escritura diz: “Salvação vem dos judeus” (Jo 4.9).

b. Os gentios são descendentes de Jafé (nós).

c. Jafé teve suas possessões alargadas desde a Europa às Américas.

d. Porém, em Cristo, tudo se cumpriu e se uniu; tornamos um único povo, e cumpriu em nós o que foi dito a Jafé:

“Deus faça com que Jafé tenha domínio sobre muitas terras, e que os seus descendentes morem nos acampamentos de Sem”. – Gn 9.27 (NTLH)

SÍNTESE DO TÓPICO III

Canaã perde a sua herança dando cumprimento a maldição de Canaã..

CONCLUSÃO

1. A aula de hoje nos trouxe bastante informação, mas antes feriu nossa consciência para colocarmos em prática o modo e proceder qual agrada a Deus.

Ø  Agir com amor e discrição para com os irmãos surpreendidos em falta (rosto virado dos de Sem e Jafé em face da nudez de Noé).
Ø  Ajudar estes irmãos a se reerguer (levar a capa e cobrir a nudez de Noé).

2. Que assim seja conosco, em nossa igreja, na sociedade e principalmente no seio de nossa família.

Soli Deo Gloria!
Fabio Campos

Aula ministrada na ICTJ dia 29/11/2015
____________________________________________________
Referências bibliográficas:

Escola Bíblica dominical. O começo de todas as coisas. 4º trimestre de 2015; CPAD; lição 09.
WIERSBE, W. Warren. Comentário Bíblico do Antigo testamento. Santo André, SP; Geográfica editora, 2009.
LONGMAN III, Tremper. Como ler Gênesis. São Paulo, SP; Vida Nova, 2009.
BRUCE, K. Waltke & FREDERICKS, J. Cathi. Comentário do Antigo Testamento, Gênesis. São Paulo, SP; Editora Cultura Cristã, 2010.
CARSON, D.A. Comentário Bíblico Vida Nova. Vida Nova, 2012. São Paulo, SP

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

AS TREVAS ESTÃO MAIS CLARAS QUE O SOL DO MEIO DIA




Por Fabio Campos

Texto base: “... as trevas e a luz são para ti a mesma coisa”. – Salmos 139. 12b (ACF).


Os salmos foram escritos por diversos autores, em diversas situações, para expressar diversos sentimentos. Alguém já disse que, o livro de provérbios, nos ensina a caminhar diante dos homens, enquanto que, os salmos, nos ajuda a andar com Deus. Encontramos nestes escritos orações, lamentos, confissões, súplicas e agradecimentos.

O salmo 139 escrito por Davi arrazoa a Soberania de Deus de forma profunda e minuciosa. Sua Onisciência, Onipresença e Onipotência tiram suspiros da alma de Davi, e neste contexto ele diz: “tal conhecimento é maravilhoso demais e está além do meu alcance, é tão elevado que não o posso atingir” (v. 6).

Sabe quando a sua oração, num piscar de olhos, se transforma em louvor a Deus por quem Ele é e pelo o que Ele faz!? Aquela oração espontânea, “desprogramada”, mas que, de forma voluntária, passa a ser dirigida por meio de palavras de admiração. O salmo 139, ainda que no meio de uma guerra, foi escrito neste espírito (v. 19).

O salmista esboça o valor que ele atribuí a respeito do que Deus pensa e faz: “Como é grande a soma deles” (v. 16). Deus é Soberano e nada, absolutamente nada, é mais forte do que Ele. Aliás, qualquer comparação carrega em si a ignorância da nossa limitação e do nosso conhecimento.

Posto isto, nada é escondido a Deus. Não existem trevas tão escuras qual Deus não vê sob o sol do meio dia. Para Ele luz e trevas são as mesmas coisas. Nada pode ofuscar sua visão ou embaçar a clareza devida. Imagine você dentro de um quarto escuro e trancado. E que dentro deste quarto se encontra uma cobra venenosa. Contudo, há no quarto, também, uma agulha que contém o veneno para matar a cobra. Nesta escuridão, mediante o desespero, nós, entretanto, buscaríamos imediatamente o interruptor para ascender a luz. 

O salmista, porém, diz que “mesmo que as trevas o encobrisse, e caso a luz tornar-se-á noite ao seu redor, para Deus as trevas não são escuras” (v.11). Deus enxerga da mesma forma – seja no escuro – seja no claro. O desespero é nosso; a confiança provém de Deus, neste quarto que chama vida. 

Em meio à escuridão qual Davi se encontrava, ele demonstrou uma absoluta confiança no caráter de Deus. Muitas vezes queremos que tudo ocorra do jeito que programamos, e no meio da escuridão, sob o perigo de pisar na cobra que está tão próxima de nós, procuramos desesperadamente, do nosso jeito, o interruptor para ascender a luz. Deus, porém, requer que n’Ele confiemos!, pois assim Ele diz: “Entregue teu caminho ao Senhor, confie nele, e tudo Ele fará” (Sl 37.5).

O salmista, por conseguinte, diz que “todos os seus caminhos eram muito bem conhecidos por Deus” (v.3). Inclusive erros e acertos. Deus conhece nossa estrutura, pois sabe que somos pó. Quando nossos erros são oriundos de nossa fraqueza moral, e não da obstinação do nosso coração, assim como foi com Davi, Deus levanta sobre nós a sua justiça, e pela graça, não atribui iniquidade a nós, escondendo-a d’Ele mesmo, em Cristo, nossas transgressões (Sl 32.1-2). 

O futuro do verdadeiro cristão, seguidor de Jesus Cristo, não está em suas mãos, mas nas Mãos de Deus. Fora disto, é pregação humanista com "cara" de evangelho. Este tipo de pregação não é o Evangelho de Cristo, mas dos homens. Muitas vezes vejo cristãos desesperados pensando que por causa de um erro cometido sua vida nunca será o que Deus gostaria que fosse. Imagine se Deus observasse todas nossas iniquidades, quem subsistiria (Sl 130.3)? 

Imagine se Deus dependesse da perfeição moral de Abraão que mentiu; de Davi que adulterou; de Jacó que trapaceou. Imagine se Deus dependesse da nossa fidelidade para ser fiel? Deus zela por Sua Palavra, e na aliança feita no Sangue do Filho, podemos confiar que nada poderá impedir o seu agir; há algo poderia nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, Nosso Senhor?

Deus não é pego de surpresa. Ele não reage, mas age, como está escrito: “Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir” (Sl 139.16). Será que isso não te faz refletir a respeito da sua vida e dos seus caminhos? É isto meus irmãos, tal coisa nos conduz ao arrependimento; certamente este amor nos constrange. 

Portanto, com confiança, ainda que ao nosso redor seja plena a escuridão -, confiemos não em nós mesmos, mas em Deus, pois o que é noite pra gente, pra Ele, é o Sol do meio dia, como está escrito: “... verei que nem as trevas são escuras para ti. A noite brilhará como o dia, pois para ti as trevas são luz” (Sl 139.12).

Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com