quinta-feira, 29 de outubro de 2015

SOCORRO BEM PRESENTE NA HORA DA ANGÚSTIA!


Por Fabio Campos

Texto base: “Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade”. – Salmos 46.1 (NVI)


Não há melhor “calmante” do que o salmo 46, salmo este escrito pelos Coraítas, levitas descendentes de Corá. O texto fica mais interessante quando é trazido à luz do seu contexto cuja abordagem gira em torno das razões e anseios pelos quais foi escrito.

O rei Josafá - homem piedoso que destruiu os “postes da deusa Aserá” e, mais do que todos, procurou saber a vontade de Deus em tudo (2 Cr 19.3) - quando reinava sobre a Tribo de Judá, ao saber que os moabitas e amonitas, com alguns dos meunitas queriam atacá-lo, teve MEDO. O rei, então, orou ao Senhor suplicando por socorro. Todo o povo, além de orar, também jejuou a pedido de Josafá (2 Cr 20. 1-4).

A resposta de Deus chegou por meio de Jaaziel, levita descendente de Asafe (2 Cr 20.14). Deus afirmou a aliança com o seu povo dizendo para não temerem os inimigos, pois a afronta não era contra Judá, mas contra Ele mesmo (2 Cr 20.15). Deus toma a peleja para Si e promete dar a vitória ao Seu povo.

Com a notícia, Josafá e todo o povo ajoelharam-se perante o Senhor e O adoraram. Os levitas, por sua vez, louvaram a Deus em alto e bom som (2 Cr 20.18-19). Neste contexto, na sequencia, surge o maravilhoso salmo 46 (sugiro uma pausa aqui para a leitura do salmo).

O contexto ali era de pavor, medo, angústia e ansiedade devido às ameaças que rodeavam o povo. Será que você não se encontra em uma situação parecida? Ainda que Josafá fosse um rei estimado, temente a Deus, ele, no entanto, sentiu medo. O próprio Deus imputa nos seus servos um senso de fragilidade para que eles não se apartem do Seu Santo Temor e que, em tudo, dependam da força do Senhor, não se estribando, entretanto, em seu próprio conhecimento.

O salmo, por sua vez, nos ensina que o Deus, Pai do Nosso Senhor Jesus Cristo, é “refúgio sempre presente na hora da angústia”. Por ser nosso refúgio - Ele é abrigo, esconderijo, resguardo, amparo, proteção, defesa – palavras essas que cabem dentro do que um refúgio oferece a um refugiado. Além do mais, a Escritura O chama de “Nossa Fortaleza”, contexto que traz a ideia de solidez, estabilidade, segurança.

Ainda que a terra trema e os montes se afundem - ainda que o mundo inteiro se abale com todas suas potestades - nós, porém, não temeremos. Ou seja, isso não nos amedrontará. Na morada de Deus não há perigo! O rio que lá está é contrário dos daqui. Os daqui causam medo com os seus movimentos de fúrias, entretanto, o de Deus traz alegria. Quando os rios deste mundo nos amedrontam, Deus nos conduz para a sua morada e se torna o Nosso Refúgio. Quem seria ousado suficiente para tentar abalar este refúgio?

Os homens podem ameaçar com os seus altos gritos, no entanto a voz do Senhor é suficiente para fazer derreter toda a terra. Isto é poder! Deus é Soberano! O melhor de tudo é saber que Ele está conosco. Suas obras são magníficas e os seus juízos são justos; se Ele deseja agir, quem poderia detê-lo?

O salmo termina com uma instrução muito estranha aos olhos do mundo. “Aquietai-vos!” Como assim? Em meio uma guerra e tempestade a ordem é “aquietar-se”? Pois é, o homem só entenderá que Deus é o Senhor da sua vida quando ele parar de lutar na “força de seu próprio braço”. A conotação do verso no original traz a ideia: “saiam da agitação!” Deus diz ao povo: “Eu vou lutar por vocês!”

O rei Josafá, antes de ir a guerra conta os moabitas, amonitas e edomitas, disse ao povo: “Povo de Judá e moradores de Jerusalém, escutem! Confiem no Senhor, seu Deus, e estarão seguros” (2 Cr 20.20). O povo não precisou nem lutar. Quando tão somente começaram a louvar, o Senhor causou uma tremenda confusão entre os exércitos inimigos e estes por suas próprias espadas se autodestruíram. O povo de Deus tudo assistiu sem precisar levantar um dedo (2 Cr 20. 22-24).

Nossa parte é apenas confiar. Deus não requer que sejamos fortes; Ele requer que confiemos n’Ele e que sejamos íntegros. Infelizmente as pessoas buscam a Deus para que as coisas deem certas e não para serem certas. Quando encontram, não encontram Deus, mas um ídolo criado conforme os seus desejos e caprichos.

Deus é o nosso refúgio, socorro bem presente na hora da angústia. Assim, como, esta palavra trouxe ânimo ao meu coração, em Cristo, assim espero também que seja de bênção para a sua vida.


Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com