sexta-feira, 17 de abril de 2015

TEOLOGIA, SEM TESTEMUNHO DO ESPÍRITO, É MORTA!


Por Fabio Campos

Texto base: “O próprio Espírito testemunha ao nosso espírito que somos filhos de Deus”. – Romanos 8.16 (NVI)


John Wesley tinha o grande desejo de levar Cristo aos índios da Geórgia. E isto de fato aconteceu. Certo dia, ao compartilhar da refeição com um deles, conta-se, que ao ver o índio orar agradecendo pelo o alimento, na sinceridade das palavras em gratidão ao Criador, Wesley perguntou ao índio se ele conhecia a Deus. O índio respondeu que sim, dizendo que Deus era seu amigo. Wesley indagou como poderia ocorrer tal cousa se ele não tinha instrução alguma. O índio, então, por sua vez, disse que o testemunho de Deus estava no seu coração (Rm 8.16).

Após ter passado junto dos morávios o perigo de um naufrágio, na iminência da morte - com medo de morrer e os morávios não, escutando daqueles irmãos que “morrer era lucro” – Wesley percebeu que ainda não era convertido de fato, pois não tinha o testemunho do Espírito dentro de si, ainda que já tivesse a teologia na sua mente. Por isto disse: “Fui à América para converter outros, mas nunca fora realmente convertido a Deus” [1]. Após o ocorrido, Wesley, então, buscou a Deus em oração, e pela primeira vez sentiu-se amado por Deus, fato este que lhe dera o poder de fazer o que fez, trazendo um grande avivamento ao seu povo.

Paulo em sua oração a favor dos efésios pediu a Deus que aqueles irmãos fossem “fortalecidos com poder pelo Espírito no homem interior” (Ef 3.16). O puritano Matthew Henry, comentando este verso, disse que “a força do Espírito de Deus no homem interior é a melhor e mais desejável força” [2].

Não adianta somente conhecer a vontade de Deus. É necessário praticá-la. Quando lemos as Escrituras, conhecemos a vontade de Deus; mas quando oramos, do alto somos revestido de poder para cumpri-la. Aqui está a questão do excesso de intelectualidade, no entanto sem piedade. Muitos têm teologia, mas não possuem o testemunho do Espírito no homem interior. Não conseguem se desvencilhar do pecado que os assedia porque lhes falta o poder do Espírito que livra o cristão da “corrupção deste mundo” (1 Pe 1.3).

Na sequencia de sua oração em favor dos efésios, Paulo expressa outro desejo: “que Cristo habite, pela fé, no coração dos irmãos” (Ef 3.17). O sentido deste texto é para “Cristo sentir-se em casa”.  Pois é, Cristo está na mente de alguns, no entanto, distante dos seus corações. Se nossa teologia não vier acompanhada do testemunho do Espírito, certamente, será morta. Por isto que muita gente se esfria nos seminários teológicos. Não é por causa da teologia, mas pela postura ímpia dos alunos e professores. O reverendo Hernandes Dias Lopes diz que, “um ministro mundano representa um perigo maior para a igreja do que falsos profetas e falsas filosofias” [3].

O conceito de fé tem sido deturpado nos dias de hoje. Para muitos, ter fé, é simplesmente acreditar que a coisas darão certo. Mas a Escritura vai além. Quando Cristo habita em nosso coração, pela fé, o Seu Espírito nos dá força para vencermos o mundo, a carne e o diabo.

É pela fé que vemos e compreendemos as coisas da forma como realmente são. João Calvino disse que, “ainda que mesmo a alma dos ímpios seja forçada a elevar-se até o Criador pela visão da terra e do céu, a fé tem o seu modo peculiar de atribuir a Deus o pleno louvor da criação” [4]. A fé que opera pelo amor faz Deus trabalhar em nós de acordo com o seu “querer e efetuar”.

Muitos querem anunciar a ira e a justiça de Deus, no entanto possuem apenas luz na mente e nenhum fogo no coração. Querem pregar sobre “Pecadores na mão de um Deus irado” sem um terço da piedade de Edwards. Aí já viu!... Como disse Lutero: “Sermão sem unção endurece o coração”. Por isto que falam... , falam... , falam... , mais brigam do que dialogam. Não produzem frutos, pois lhe falta o “poder no homem interior”.

Só vamos conseguir vencer o pecado e testemunhar com eficácia a respeito do Evangelho se de fato estivermos “cheio da força do Espírito” (Mq 3.8). Acerca disso, Matthew Henry comenta: “[O profeta] tinha um amor ardente por Deus e pelas almas dos homens, uma consideração profunda pela glória divina e pela salvação deles, além de um zelo veemente contra o pecado. (...). Em todas as suas pregações havia luz, bem como calor, espírito de sabedoria e zelo” [5].

Jesus ensinou muitas coisas aos seus discípulos, no entanto, antes de subir aos céus, sabendo que o Evangelho já estava na mente deles, exortou-os a não pregar até que “do alto fossem revestidos de poder” (At 1. 1-8). Quanta gente pregando boa teologia, mas sem poder do Espírito. É aquilo que o Reverendo Hernandes Dias Lopes sempre diz: “ortodoxia morta!”.

João Calvino disse que “o testemunho do Espírito é superior a toda razão” [6]. O ser humano ainda que racional, é guiado pela emoção através das suas paixões. Luta para fazer o bem, contudo, sem ao menos perceber, o mal que não gostaria de fazer, este, já está praticando-o. Somente com o poder do Espírito conseguiremos andar conforme nossa razão e convicção da qual é oriunda de uma mente regida pela Palavra de Deus.

Nosso conhecimento precisa estar acompanhado de graça. A mensagem de muitos, infelizmente, apenas informa, mas não alimenta. Apontam o pecador, mas não indicam o Salvador. Sabem as Escrituras, mas não possuem poder para viver em conformidade com ela. Estão inchados pelo saber, mas totalmente desprovidos do amor que edifica (1 Co 8.1-3).

Quero terminar este artigo consultando novamente as palavras do eloquente teólogo e reformador, João Calvino: “É porque o Senhor nos quis tornar eruditos não em questões frívolas, mas na piedade sólida, no temor de seu nome, em uma confiança verdadeira, nos ofícios de santidade, aquiesçamos àquela ciência. (...). Ora, o propósito de um teólogo não é deleitar os ouvidos, mas, ao ensinar o que é verdadeiro, certo e útil, confirmar as consciências [7]

Que Deus confirme por Seu Santo Espírito nossa teologia para que não sejamos homens apenas de “palavras persuasivas, mortas, que não trazem nenhum proveito, mas ministros cheios do poder e virtude do Altíssimo, assim  como foi o Apóstolo Paulo:

“E a minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder”. – 1 Coríntios 2.4 (AFC).


Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,


Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
______________________________
Notas: 

[1] BOYER, Orlando. Heróis da fé. Rio de Janeiro, RJ; CPAD, 2009, p. 53.
[2] Bíblia de Estudo. Matthew Henry. Central gospel, p. 1929.
[3] DIAS LOPES, Hernandes. Piedade e Paixão. São Paulo, SP; Candeia, 2002, p. 20.
[4] CALVINO, João. A instituição da Religião Cristã. São Paulo, SP; Unesp, 2008, p. 184.
[5] Bíblia de Estudo. Matthew Henry. Central gospel, p. 1349.
[6] CALVINO, João. A instituição da Religião Cristã. São Paulo, SP; Unesp, 2008, p. 74.
[7] Ibid, p. 154