terça-feira, 10 de março de 2015

A AUTOCONFIANÇA E A NOSSA SEGURANÇA EQUIVOCADA


Por Fabio Campos

Texto base: “... fiquem tranquilos e confiem em mim, e eu lhes darei vitória”. – Isaías 30.15c (NTLH)


Já é intrínseco a nossa natureza confiar apenas no que vemos e descansar naquilo que está sob o nosso controle. Todavia, nossa vida, sem qualquer permissão que nós tivéssemos dado, pode tomar rumos para lugares que não planejamos. Basta um telefonema anunciando a perda de alguém querido; ou a notificação do desligamento da empresa; ou se não um diagnóstico contrário.

Pois é, meus amigos e meus irmãos, de fato, e isto se comprova todos os dias, nós não temos o controle do amanhã. Pensamos ter, e, corremos e trabalhamos para tal coisa. Mas é certo que não temos! Nossa autoconfiança só nos leva para uma segurança equivocada. A casa que você construiu - aquilo que você pensou ser de cimento, na verdade, era areia. Veio o vento e a derrubou. E agora?

Deus, porém, nos chama para andarmos com Ele, para viver daquilo que não vemos, como está escrito: “O justo viverá pela fé” (Rm 1.17). Vivemos não pelo o que vemos, mas pelo o que acreditamos (2 Co 5.7). Sem fé é impossível agradar a Deus, pois é somente através dela que poderemos descansar na certeza de que o Senhor nos suprirá em tudo aquilo que necessitamos (Hb 11.6).

Sendo, assim, terrível coisa é colocar nossa confiança nas riquezas (Jó 31.24). Quando assim procedemos, estamos traindo a Deus, pois tal pecado é digno de condenação (Jó 31.28). Os ímpios ao contemplar nossa atitude, de “confiar em Deus”, nos chama de fracos e nos taxa de incapazes. Acusa-nos de jogarmos a nossa responsabilidade para “esta força maior”, atenuando assim nossa culpa para descansar nossa consciência acusada.

Quando o cristão descansa em Deus, ele não cruza os braços e aguarda que as coisas caiam do alto. Não! Simplesmente ele não se apoia em sua própria capacidade, justamente pelos os motivos que elenquei no início do artigo. Ou seja, eu e você não temos o controle da nossa vida. O que é interessante nestes que nos acusam, é que eles não têm paz consigo mesmo, como está escrito: Mas os ímpios são como o mar bravo, porque não se pode aquietar, e as suas águas lançam de si lama e lodo” (Is 57.20 AFC). Certamente, “não há paz para eles” (Is 57.21).

Eles se dizem inteligentes e capazes; mas Deus os rodeia de centenas de pessoas que “são mais que eles”. Por isso vivem amedrontados e sente-se ameaçados o tempo todo (Is 30.16-17). Pois é, aqueles que dizem que “são bons”, que mais querem se aparecer, na verdade “são os mais temerosos e fracos” de todos.

Posto isso, o Senhor é bom conosco e no Seu amor nos tira da nossa “segurança equivocada” para andarmos na sua dependência. Às vezes não entendemos o porquê que algumas coisas fogem do nosso controle. Mas é Deus quem está fazendo com que “tudo coopere para o propósito pelo qual Ele nos chamou” (Rm 8.28). Por isso que a Escritura diz para “considerarmos motivo de grande alegria o fato de passarmos por DIVERSAS provações” (Tg 1.2).

Deus está trabalhando em nós. Tudo isso vai gerar na gente a “perseverança” (Tg 1.3). Acabando o tempo desta provação (pois toda tempestade tem o seu fim), estaremos “maduros” diante de Deus e “íntegros” diante dos homens (Tg 1.4). Nestas horas contemplamos a pequenez de nossa sabedoria; aquela que tanto confiávamos não poderá nos ajudar em nada. É neste momento que pedimos a “sabedoria do céu”, e ela é nos dada de boa vontade por Deus (Tg 1.5).

O propósito disto tudo é reduzir nossa autoconfiança e aumentar a confiança em Deus (Tg 1. 6-7). Como é feliz o homem que deposita toda sua confiança no Senhor nos tempos de incertezas (Sl 40.4; Jr 17.7), pois ele estará seguro em todo o tempo (Pr 14.26), até mesmo “no vale da sombra da morte” (Sl 23.4).

O fim do “pão da adversidade” e da “água da aflição” tem o dia certo para se findar. O Senhor só está esperando terminar o objetivo pelo qual estamos passando por tal coisa, para assim, nos tirar desta “tribulação”, mostrando sua compaixão para conosco. Por isso que são felizes todos os que Nele esperam (Is 30.18).

A nós basta que voltarmos para Deus, pois disto depende o nosso descanso, como está escrito: “... na quietude e na confiança está o seu vigor...” (Is 30.15 NVI). O problema é que muitas vezes não queremos, e imitando os ímpios, nos tornamos malditos, confiando na força de nosso próprio braço (Jr 17.5). C. H. Spugeon certa vez disse que, “às vezes, a melhor coisa que um homem com problemas pode fazer é não fazer simplesmente nada, mas deixar tudo nas mãos de Deus, pois assim está escrito: ‘Acalmai-vos e vede o livramento que o Senhor vos trará’” (Êx 14.13).

Amados, como disse o salmista: “É melhor buscar refúgio no Senhor do que confiar nos homens. É melhor buscar refúgio no Senhor do que confiar em príncipes” (Sl 118. 8-9 NVI). Por quê? Porque o mundo está com o “poder dos homens”, já nós, os filhos de Deus, com o “poder de Deus” (2 Cr 32. 7-8). O Senhor nos ajudará a travar todas as nossas batalhas.

Ainda que você não esteja no controle, Deus está. Tudo isso que está acontecendo, certamente um dia fará sentido e você louvará a Deus por isso, como está escrito: “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais” (Jr 29.11 AFC).

Apenas confie! Ponha sua confiança em Deus e no Seu infinito amor, pois tenho certeza que Deus honrará a sua atitude, como está escrito:

“Não é a força do cavalo que lhe dá satisfação, nem é a agilidade do homem que lhe agrada; o Senhor se agrada dos que o temem, dos que colocam a esperança no seu amor leal”. – Salmos 147. 10.11 (NVI)


Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,


Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com