quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

PRESOS NO TEMPO!


Por Fabio Campos

Texto base: Porque mil anos são aos teus olhos como o dia de ontem que passou, e como a vigília da noite”. – Salmos 90.4 (AFC)


O tempo só passou a existir após o start dado pelo Criador por meio do Verbo. A criação é limitada ao tempo; e não somente isto, ela é sujeita a ele. Antes de tudo havia apenas a eternidade; sem princípio – sem meio – sem fim. O tempo na eternidade sempre foi agora; antes de tudo, Deus É (Eu Sou).

Mas nós estamos presos dentro de um espaço. Nossas ações e esperas limitam-se cronologicamente a 24 horas – 12 meses e anos. Somos totalmente limitados. Nossa vida se compara com a folha de grama, qual floresce gloriosamente como o nascer do sol, mas logo, no fim da tarde, é cortada sem hesitação. Quem pode com suas mãos barrar a morte? Alguém já conseguiu resisti-la? As pessoas morrem, deveríamos levar isso mais a sério.

Nossas inquietações e ansiedades provem justamente desta limitação, que temos do tempo. Gostaríamos de mudar as coisas agora e não esperarmos o seu momento. Quanta ira acumulamos sobre nós quando por nossa perturbação “tomamos a Soberania de Deus” para realizarmos as coisas do nosso jeito.

O salmo 90 ilustra essa questão. Depois de dada a promessa a Israel acerca da “Terra Prometida”, Moisés mandou um grupo para espirar a terra. Voltando os espiais e contanto acerca daquela vizinhança, tiveram medo, pois aquele povo era grande e forte. Os únicos que não se acovardaram foram Calebe e Josué. Eles tiveram a sua recompensa por confiar em Deus e agir no momento certo, ou seja, daquela geração, foram os únicos que entraram na tão sonhada “Terra Prometida”.

Israel queria ter certeza da sua capacidade caso a capacidade de Deus “falhasse”. Após ter acendido a ira do Senhor sobre o povo, o povo fez pior. Sem o respaldo de Deus, com remorso e para justificar o seu pecado, muitos entraram e invadiram aquela terra. Houve uma grande matança e poucos israelitas sobreviveram para contar o fato.

Moisés que conhecia a justiça de Deus orou ao Senhor, oração esta que se encontra no salmo 90. Muitos conhecem a Palavra de Deus, mas poucos conhecem o Deus da Palavra. Visto que andam dizendo e a forma ímpia (ainda que com palavras piedosas) que vivem. Moisés sabia da ira de Deus e que nada poderia apagar o seu furor.

Os anos vão tão de depressa. A cada dia que se passa, é um dia a menos nesta terra. Por isso que Moisés pediu ao Senhor sabedoria para que pudesse “contar os seus dias”. Ou seja, viver sem picuinha; aproveitar a vida e viver por aquilo que não vai ter fim; viver para a eternidade! Não é autossabotagem. Como disse C. S. Lewis: “As pessoas que mais pensaram na eternidade foram as que mais fizeram por este mundo”.

Mas Deus é misericordioso; Ele não nos trata conforme os nossos pecados, pois se não fosse assim, quem, então, subsistiria? Mesmo na agonia de estar preso no tempo, passando por tribulações, tenha certeza que ela é leve e momentânea, pois há uma glória qual nos espera. Alcançando em Deus este coração sábio, Ele que é bom, compensará os tempos desfavoráveis que nos sobreveio com tempos bons de refrigério.

A vida não é só enchente. As tempestades têm o seu prazo de validade; se estivermos na Rocha, ou seja, em Jesus, tudo se dará contra nós, mas ao terminar, estaremos de pé para viver; agora mais fortalecido; viver uma vida confirmada e aprovada por Deus (Sl 90.17).

Um coração sábio sabe que está restrito ao tempo e sujeito a vaidade, entretanto, pela ótica da eternidade, Ele põe toda sua confiança em Deus, o qual faz o fim antes mesmo de existir o começo. Há alguma coisa difícil para Deus?

“Espere no Senhor. Seja forte! Coragem! Espere no Senhor” – Salmo 27.14


Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com