segunda-feira, 8 de setembro de 2014

QUANDO DEUS NÃO QUER, NÃO ADIANTA INSISTIR!


Por Fabio Campos

Texto base: Atos 22. 17-21


Paulo tinha decido ir até Jerusalém para pregar o evangelho aos judeus. Ele e os demais irmãos sabiam do grande problema que iria enfrentar. Mesmo alertado sobre tudo isso, inclusive pelo Espírito (At 21.4), Paulo estava determinado a estar entre os seus compatriotas. Podemos ver o seu grande amor para com eles quando ele escreve aos Romanos:

“Digo a verdade em Cristo, não minto; minha consciência o confirma no Espírito Santo: tenho grande tristeza e constante angústia em meu coração. Pois eu até desejaria ser amaldiçoado e separado de Cristo por amor de meus irmãos, os de minha raça,o povo de Israel”. – Romanos 9. 1-4

Paulo mesmo depois de alertado prosseguiu viagem rumo a Jerusalém. Em uma das paradas, passou alguns dias na casa do evangelista Felipe, um dos sete diáconos ordenado pela igreja (At 21.7-9). Um profeta chamado Ágabo, desceu da Judéia para encontrar com Paulo; ele alertou Paulo novamente, pelo Espírito, que o apóstolo seria açoitado em Jerusalém. Nisto toda a igreja se comoveu e afligiu-se com o alerta, rogando a Paulo que não fosse para Jerusalém (At 21.10-12). Mas nada mudara a opinião de Paulo que ele devia pregar em Jerusalém, e assim disse:

“Por que vocês estão chorando e partindo o meu coração? Estou pronto não apenas para ser amarrado, mas também para morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus". Como não pudemos dissuadi-lo, desistimos e dissemos: "Seja feita a vontade do Senhor". – Atos 21. 13-14

Paulo, então, partiu para Jerusalém. Lá chegando, os irmãos o receberam com muita alegria. Mas o alertaram de como o seu nome estava sendo mencionado entre os judeus. Estavam o acusando de apostata, dizendo que ele estava ensinando por toda parte a não circuncidar os filhos e que também todos os costumes da tradição dos judeus precisavam ser deixados de lado (At 21.17-22). A estratégia sugerida pelos irmãos a Paulo, para preserva-lo e também para que a mensagem fosse aceita entre os judeus, era que ele rapasse sua cabeça, no voto de nazireu, demonstrando que ele não estava desprezando a Lei (At 21.23-26).

Paulo foi ao templo e não demorou muito para que uma multidão o agarrasse e o batesse, ao ponto das autoridades romanas intervissem para que apóstolo não morresse (At 21.27-36). Paulo, então, foi levado para a fortaleza; lá ele teve a autorização para falar a multidão (At 21.37-40). Ali ele expôs o seu testemunho de como o Senhor o apareceu e o conduziu até os gentios (At 22).

Podemos aprender algumas coisas com este magnífico relato das Escrituras:

1) Precisamos discernir a vontade de Deus do nosso desejo. Um homem guiado por Deus e chamado para uma missão, poderá por um tempo resistir à direção Divina, todavia, as coisas não irão bem para ele. Veja o caso de Jonas. Deus o chama para pregar a Nínive, mas ele se recusa por questões pessoais. Quando o Senhor Jesus apareceu a Paulo, Ele disse: “Resistir ao aguilhão só lhe trará dor” (At 26.14). A linguagem empregada para a figura de Paulo é a de um boi indomável, que só pode ser amansado através de aguilhões; ou seja, quanto mais o boi se mexia, mais as pontas dos aguilhões perfuravam sua pele lhe trazendo dor.

Não podemos fugir de Deus. Quanta bênção é saber que o Senhor conta conosco, e se for preciso, para não deixar que desviemos, Ele quebra nossa pata; assim como faz o pastor com as ovelhas rebeldes que ficam para trás, quebrando uma de suas patas para que não seja devorada por um lobo, assim o Senhor faz conosco, trazendo uma intranquilidade no nosso coração, para que a Sua vontade seja Soberana em nossa vida.  

2) Não somos a pessoa ideal a qual pensamos ser. O Senhor alertou Paulo a respeito de sua mensagem, que ela não seria aceita em Jerusalém. Paulo retrucou dizendo ser a pessoa ideal mencionando suas prerrogativas, dizendo ser ele que perseguia os cristãos, a fim de prendê-los e açoita-los. Lembrou também que tinha consentido na morte de Estevam, quando ele ficou a cuidar das roupas dos que o matavam.

Quem mais poderia pregar aos judeus com tanta propriedade a não ser Paulo? Certamente, eu e você votaríamos em Paulo para este ministério. Mas Deus é Soberano e faz como lhe aprove a fazer sem precisar dar satisfação a ninguém. Precisamos descansar na Sua Soberania, sabendo que é Ele quem guia os nossos passos:

“Em seu coração o homem planeja o seu caminho, mas o Senhor determina os seus passos”. – Pr 16.9 (NVI)
Como é bom saber “que todas as coisas Deus têm convergido para que cooperem com o seu propósito” (Rm 8.28). Quando as coisas não tiverem saindo do nosso jeito, se estivermos em temor, precisamos apenas confiar que estão acontecendo conforme a vontade de Deus. O Senhor não insistiu com Paulo a fim de persuadi-lo a desistir do plano de pregar em Jerusalém. Ele apenas ordenou: “Vá, eu o enviarei para longe, aos gentios” (At 22.21).

3) Deus não abre mão do coletivo em prol do individualismo. Recorremos novamente ao relato do profeta Jonas. Deus não abriu mão dos ninivitas em prol dos caprichos doutrinários de Jonas. A resposta do Senhor para Jonas:

“Contudo, Nínive tem mais de cento e vinte mil pessoas que não sabem nem distinguir a mão direita da esquerda, além de muitos rebanhos. Não deveria eu ter pena dessa grande cidade?” – Jn 4.11 (NVI)
E o livro do profeta terminou com esta pergunta: “Não deveria eu ter pena dessa grande cidade”?

Paulo queria muito pregar para os judeus, entretanto, o Senhor queria salvar os gentios. Se hoje o Evangelho chegou a mim e a você, que não éramos judeus foi por causa de Paulo, especificamente por conta deste versículo: “Vá, eu o enviarei para longe, aos gentios” (At 22.21).

Pedro fora constituído para levar o Evangelho aos judeus, enquanto que Paulo foi ordenando para levar o Evangelho aos gentios. E hoje estamos aqui, na divisa de Osasco com São Paulo, falando do Evangelho, salvos e remidos, porque Deus não abriu mão de nós em prol de um desejo pessoal do Amado Apóstolo Paulo.

Que o nosso coração entenda isso, muito mais do que ser abençoado, é abençoar, como disse Jesus: “Há maior felicidade em dar do que em receber” (At 20.35).

4) Não precisamos nos assustar, pois a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável. O Senhor nunca nos colocará numa “fogueira”. Ele sabe o que faz. Como está escrito:

“Há caminho que parece reto ao homem, mas no final conduz à morte”. – Pr 16.25 (NVI)
Se o Senhor está fechando uma porta, Ele sabe o que está fazendo. Se Ele está abrindo e você não se sente capaz, Ele também sabe o que está fazendo. Não precisamos temer. Quando o nosso coração estiver aflito, o segredo é se lançar em Deus, pois Ele tem cuidado de nós. Como disse Martinho Lutero:

"Uma masmorra com Cristo é um trono, e um trono sem Cristo é um inferno"

Então, irmãos, vimos aqui que 1) precisamos discernir a vontade de Deus do nosso desejo; 2) Que não somos o que pensamos ser, mas o que Deus faz e fez em nós; 3) Que Deus não abre mão do coletivo em prol do individualismo; 4) Que não precisamos nos assustar com a direção de Deus, pois Sua vontade é boa, perfeita e agradável.

Deus usou a vida de Paulo tremendamente. Ainda que ele não tenha estado entre os doze, em doutrina, foi o principal apóstolo alistado pelo Senhor Jesus. O mundo dos gentios foi ganho por este homem. Mesmo sem entender, ele encarnou a ideia de pregar aos gentios, e por eles teve um grande carinho. Veja quando Pedro foi repreendido por Paulo, ao ponto do Apóstolo dizer que a conduta de Pedro fora “condenável”. Pedro estava na mesa com os gentios, quando, porém, chegaram os judeus, temendo, Pedro afastou-se dos gentios. Então, Paulo disse:

“Você é judeu, mas vive como gentio e não como judeu. Portanto, como pode obrigar gentios a viverem como judeus”? – Gálatas 2.14 (NVI).

Vamos continuar confiando em Deus. De onde me virá o socorro? Nosso Socorro vem do Senhor! Ele tem cuidado de nós; quando as coisas não derem certo, entenda, pode ser um livramento. Quando uma porta se fecha, Deus está abrindo uma muito maior. Nada pode deter o plano de Deus, pois agindo Ele, quem impedirá?

Nós estamos guardados nesta promessa. Portanto, se Deus não quer, não insista. Apenas se deixe ser movido pelo Espírito, o qual fará grandes coisas através de nós. Amém!


Soli Deo Gloria!

Fabio Campos

____________
Sermão ministrado na Igreja Cristã da Trindade – Osasco – em 08.09.2014