domingo, 21 de setembro de 2014

CONSERVE-SE PURO!


Por Fabio Campos

Texto: Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida”. – Provérbios 4.23 (AFC)


São muitos os acontecimentos e comportamentos, no meio cristão, que têm me deixada de “cabelo em pé”. Pessoas que outrora era exemplo de piedade, agora se transformaram em ímpios e blasfemadores. O divórcio só tem aumentado. O adultério cresce de um modo assustador. Casais que era referência, agora estão nos tribunais demandado seus direitos. Alguns “irmãos” que deram o seu testemunho de libertação das drogas, agora voltaram a suas antigas práticas; e pior, se vangloriam ostentado isso a todos através das redes sociais.

Crentes que “deixaram o seu instinto natural”; homem se inflamando com homem; mulheres abandonando os seus maridos e filhos para se unirem “maritalmente” com outra mulher. Pessoas atacando a Deus e a Sã Doutrina. Relativizaram a verdade e agora se tornaram arautos da rebeldia e da desobediência. Não estou falando de ímpio, mas de gente que um dia declarou a fé cristã.

Como lamento por todas essas coisas que tem trazido vergonha ao evangelho de Jesus Cristo. Irmãos promissores colocaram ideologias acima do evangelho. Perderam o rumo! Estão levando outros para a perdição. A candeia se apagou e o sal perdeu o seu sabor. O sal pode até perder o sabor, todavia, a sua potência, permanece. Agora ao invés de curar, ele passa a corromper, e bem como disse Leonard Ravenhill: “A igreja morna é um obstáculo maior do que a igreja fria”.

Amados, sabemos que aquele que está de pé cuide-se para que não caia (1 Co 10.12). Precisamos nos guardar. O mundo (incluindo os evangélicos do qual faço parte) está “pirando o cabeção”. É muita maluquice! Precisamos guardar nossa família. E isso não se dará através das novelas globais e nem do BBB; também não serão as ideologias políticas e as correntes filosóficas. Não há outro meio, a não ser no meditar de dia e de noite, na Lei do Senhor - nunca se esquecendo dos Seus preceitos – perpetuando Seus ensinos aos nossos filhos e netos. Veja o que diz a Escritura: “Tão-somente guarda-te a ti mesmo, e guarda bem a tua alma, que não te esqueças daquelas coisas que os teus olhos têm visto, e não se apartem do teu coração todos os dias da tua vida; e as farás saber a teus filhos, e aos filhos de teus filhos” (Dt 4.9 AFC).

Certamente, você será chamado de “conservador” ou “fundamentalista”. O quê importa? O importante é temer a Deus e guardar nossa vida espiritual. Muitos hoje não “correm do mal”, mas “correm para o mal”. Entregam-se a suas paixões, atenuando a culpa latente de sua consciência, por meio de obras e “aplausos humanos”. Precisamos nos guardar de toda coisa má - fugindo de toda aparência daquilo que não é bom e saudável; principalmente do que pode quebrar nossa comunhão com Deus.

Quando Paulo estava passando as instruções a Timóteo, acerca da ordenação de novos ministros, o Apóstolo adverte aquele garoto a “conserva-se a si mesmo puro” (1 Tm 5.22). Este é o principal desafio do cristão nesta terra onde o mundo jaz no maligno. Não deixemos nos enganar, os maiores inimigos do cristianismo estão surgindo do nosso meio. Como bem disse Judas (não o Iscariote), nos últimos tempos haveria zombadores que seguiria os seus próprios desejos nocivos. Eles causarão divisões e serão sectários, jogando irmão contra irmão, e tornarão o evangelho motivo de chacota entre os “não crentes”, através de suas práticas. Judas alerta para permanecermos no amor de Deus. Precisamos ter compaixão daqueles que duvidam, entretanto, aos escarnecedores que já “foram cristãos”, a estes, a Escritura diz para “odiar até a roupa que eles usam” (Jd 23).

O diabo não dá nada de graça. Pode passar um ano, dez anos, mas uma hora, a fatura vai chegar. "Tudo isso te darei se prostrado me adorar", é a sua proposta. No entanto disse o Senhor: "o que adianta ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma". Ninguém cai de um dia para o outro. Quando esses escândalos se tornam notórios, tenha por certo que, a prática de tal iniquidade, já estava desenfreada há muito tempo.

O cristão é pecador!, e por isso peca. Todavia, ele nunca terá alegria no pecado pelo fato de ter experimentado uma alegria cujo excede todo entendimento. Ou seja, a paz e a santidade que são desfrutadas quando com Deus se há comunhão. O cristão jamais se orgulha das suas mazelas, antes se envergonha delas, pois clama a Deus intensamente pela graça de poder ser a imagem e semelhança de Jesus. O pecado é sua maior tristeza, e ser igual a Jesus, o seu maior desejo.

Que Deus guarde o nosso coração e nos dê vitória contra a “corrupção do mundo e dos falsos crentes” (Tg 1.27).


Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com