domingo, 28 de setembro de 2014

PIOR QUE O ORGULHO DO ÍMPIO, É A FALSA PIEDADE DO SANTO!


Por Fabio Campos

Texto: Guardai-vos de fazer a vossa esmola diante dos homens, para serdes vistos por eles”. – Mateus 6.1a (AFC)


Creio que uma das coisas qual Deus trabalha no coração do homem é a carência por “afirmação” pela parte das pessoas. Como somos tentados a agir de tal maneira para que as pessoas venham a gostar da gente e a nos aprovar. Somos sedentos de natureza por aplausos. Com advento das redes sociais muitos estão realizando o “sonho” de ser famoso. Não estão na globo, mas são um sucesso no facebook (risos...). Grande parte deles são polêmicos. O que Deus pensa disso?, creio que deve ser o cerne do nosso “autoexame” para este tipo de situação.

O texto base (Mt 6.1) responde a questão!: “guardei-vos de toda boa ação diante dos homens, simplesmente para ser visto por eles”. A Bíblia “A Mensagem”, de Eugene Peterson, traz um contexto “dinâmico” muito interessante neste verso: “Quando fizerem o bem, tenham o cuidado para que seu gesto não vire peça de teatro. Pode até ser um bom espetáculo, mas Deus não vai aplaudir” (Mt 6.1 A mensagem).

Querer ser visto pelos homens é estar escondido de Deus. Fazer do momento uma exposição de si mesmo e da oração um espetáculo, como o ator, é se contentar com os aplausos dos homens e a vaia de Deus. Muito cuidado quando conseguir impressionar alguém; se não for por amor, com a simplicidade e discrição nos bastidores, você poderá ter conseguido o objetivo para com os homens; mas Deus que o recompensaria no secreto, lhe “dará” apenas os aplausos do diabo.

Quantos irmãos pecam nisso quando estão testemunhando. Contam as bênçãos de Deus como se fosse pelo o seu “bom comportamento” e por isso conseguiram o favor Divino. Alguns também pecam quando vão ministrar a Palavra. Aliás, ministrar a palavra não é falar de si e nem acusar os outros - tão menos ser “um santo” apontando o dedo para o pecador num sermão de caráter moralista - pregação é expor a Escritura em Sua Fidelidade, ministrando a todos o conselho de Deus; crendo que o Espírito Santo trabalhará no coração dos ouvintes. Lembre-se que não é a persuasão humana que leva o pecador ao arrependimento, a justiça e ao juízo, mas o poder de Deus através do Espírito Santo.

Jesus nos ensinou a “não tocarmos trombetas” chamando a atenção para as nossas boas-obras como fazem os hipócritas. Quem faz isso ama mais a glória dos homens do que a Glória de Deus. Toda e qualquer esmola, depois de dada, se for anunciada pelo "caridoso", diante de Deus, perderá o seu valor. Esmola aprovada por Deus é aquela que será conhecida aos homens apenas na eternidade na entrega dos galardões.

Você está disposto a receber sua recompensa somente na eternidade? Essa é uma pergunta que me faço todos os dias. A fé não é crer que tudo dará certo, mas obedecer a Deus e aos seus mandamentos (Rm 1.5). Por isso que “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb 11.6). Se não tivermos fé, também não acreditaremos que Deus existe. Logo, então, Deus é um meio para que “eu possa ser  louvado” por aqueles que nisto acreditam.

Desta forma minhas orações passarão a ser feitas em pé, nos templos e nas praças, somente para que eu possa ser visto pelos homens. Isso difere daquilo que Jesus disse: “... quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, oraras ao Pai que está em secreto” (Mt 6.6). Oração não é uma peça teatral, mas um coversa familiar com Deus; ou seja, de Pai para filho. O centro precisa ser Deus, e não nós, pois só assim experimentaremos de Sua graça.

Se não houver a fé que Deus demanda de nós, quando fizermos a prática do jejum, disto faremos uma vanglória para parecermos “mais espirituais” que os demais. Vamos mostrar a todos nossa tristeza e fraqueza física simplesmente para que percebam que estamos jejuando. O ensino é que lavemos a cabeça, passemos um gel (rs) e limpemos o rosto para não parecer aos homens que estamos jejuando. A recompensa virá no secreto da Pessoa Certa; vale a pena esta recompensa, já que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável, e também suas bênçãos não acrescentam dores.

Amados, guardemo-nos diante dos homens para que possamos ser aprovados por Deus. Pior que o orgulho do ímpio é a falsa piedade do "santo". Foge destes (2 Tm 3.5). Os verdadeiros hipócritas acusam os outros, sem saber, de “não fazerem” nada, tendo por parâmetro suas boas-obras. Muitos são acusados enganosamente de “não fazerem”. Será que eles não fazem, ou será que fazem, mas não alardeiam como procedem aos hipócritas? É algo para se refletir quando quisermos se exaltar de nossas práticas espirituais em detrimento do “silencio com obras” dos outros.

“Porque não é aprovado quem a si mesmo se louva, mas, sim, aquele a quem o Senhor louva”. – 2 Co 10.18 (AFC)

Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com

domingo, 21 de setembro de 2014

CONSERVE-SE PURO!


Por Fabio Campos

Texto: Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida”. – Provérbios 4.23 (AFC)


São muitos os acontecimentos e comportamentos, no meio cristão, que têm me deixada de “cabelo em pé”. Pessoas que outrora era exemplo de piedade, agora se transformaram em ímpios e blasfemadores. O divórcio só tem aumentado. O adultério cresce de um modo assustador. Casais que era referência, agora estão nos tribunais demandado seus direitos. Alguns “irmãos” que deram o seu testemunho de libertação das drogas, agora voltaram a suas antigas práticas; e pior, se vangloriam ostentado isso a todos através das redes sociais.

Crentes que “deixaram o seu instinto natural”; homem se inflamando com homem; mulheres abandonando os seus maridos e filhos para se unirem “maritalmente” com outra mulher. Pessoas atacando a Deus e a Sã Doutrina. Relativizaram a verdade e agora se tornaram arautos da rebeldia e da desobediência. Não estou falando de ímpio, mas de gente que um dia declarou a fé cristã.

Como lamento por todas essas coisas que tem trazido vergonha ao evangelho de Jesus Cristo. Irmãos promissores colocaram ideologias acima do evangelho. Perderam o rumo! Estão levando outros para a perdição. A candeia se apagou e o sal perdeu o seu sabor. O sal pode até perder o sabor, todavia, a sua potência, permanece. Agora ao invés de curar, ele passa a corromper, e bem como disse Leonard Ravenhill: “A igreja morna é um obstáculo maior do que a igreja fria”.

Amados, sabemos que aquele que está de pé cuide-se para que não caia (1 Co 10.12). Precisamos nos guardar. O mundo (incluindo os evangélicos do qual faço parte) está “pirando o cabeção”. É muita maluquice! Precisamos guardar nossa família. E isso não se dará através das novelas globais e nem do BBB; também não serão as ideologias políticas e as correntes filosóficas. Não há outro meio, a não ser no meditar de dia e de noite, na Lei do Senhor - nunca se esquecendo dos Seus preceitos – perpetuando Seus ensinos aos nossos filhos e netos. Veja o que diz a Escritura: “Tão-somente guarda-te a ti mesmo, e guarda bem a tua alma, que não te esqueças daquelas coisas que os teus olhos têm visto, e não se apartem do teu coração todos os dias da tua vida; e as farás saber a teus filhos, e aos filhos de teus filhos” (Dt 4.9 AFC).

Certamente, você será chamado de “conservador” ou “fundamentalista”. O quê importa? O importante é temer a Deus e guardar nossa vida espiritual. Muitos hoje não “correm do mal”, mas “correm para o mal”. Entregam-se a suas paixões, atenuando a culpa latente de sua consciência, por meio de obras e “aplausos humanos”. Precisamos nos guardar de toda coisa má - fugindo de toda aparência daquilo que não é bom e saudável; principalmente do que pode quebrar nossa comunhão com Deus.

Quando Paulo estava passando as instruções a Timóteo, acerca da ordenação de novos ministros, o Apóstolo adverte aquele garoto a “conserva-se a si mesmo puro” (1 Tm 5.22). Este é o principal desafio do cristão nesta terra onde o mundo jaz no maligno. Não deixemos nos enganar, os maiores inimigos do cristianismo estão surgindo do nosso meio. Como bem disse Judas (não o Iscariote), nos últimos tempos haveria zombadores que seguiria os seus próprios desejos nocivos. Eles causarão divisões e serão sectários, jogando irmão contra irmão, e tornarão o evangelho motivo de chacota entre os “não crentes”, através de suas práticas. Judas alerta para permanecermos no amor de Deus. Precisamos ter compaixão daqueles que duvidam, entretanto, aos escarnecedores que já “foram cristãos”, a estes, a Escritura diz para “odiar até a roupa que eles usam” (Jd 23).

O diabo não dá nada de graça. Pode passar um ano, dez anos, mas uma hora, a fatura vai chegar. "Tudo isso te darei se prostrado me adorar", é a sua proposta. No entanto disse o Senhor: "o que adianta ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma". Ninguém cai de um dia para o outro. Quando esses escândalos se tornam notórios, tenha por certo que, a prática de tal iniquidade, já estava desenfreada há muito tempo.

O cristão é pecador!, e por isso peca. Todavia, ele nunca terá alegria no pecado pelo fato de ter experimentado uma alegria cujo excede todo entendimento. Ou seja, a paz e a santidade que são desfrutadas quando com Deus se há comunhão. O cristão jamais se orgulha das suas mazelas, antes se envergonha delas, pois clama a Deus intensamente pela graça de poder ser a imagem e semelhança de Jesus. O pecado é sua maior tristeza, e ser igual a Jesus, o seu maior desejo.

Que Deus guarde o nosso coração e nos dê vitória contra a “corrupção do mundo e dos falsos crentes” (Tg 1.27).


Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

AMAM MAIS AS TREVAS E POR ISSO REJEITAM A LUZ


Por Fabio Campos

Texto base: Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, temendo que as suas obras sejam manifestas”. – João 3.20 (NVI)


Não tenho dúvidas e por isso ratifico minha total confiança na Bíblia Sagrada que diz: “nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis” (2 Tm 3.1). As coisas não estão fáceis. O pior de tudo são os ideais malignos travestidos de bem e de liberdade. Desde o início desta semana tenho refletido acerca da “Luz x trevas”. A conclusão que tive é que os filhos da luz são uma grande ameaça aos filhos das trevas.

Os homens amam as trevas. É a noite que se consumam os fatos planejados a luz do dia. Por que a luz incomoda? Porque a luz desnuda as trevas! Quem pratica o mal odeia a luz, pois teme que suas obras sejam manifestas. A maioria das vezes o erro está com a multidão, pois muitos são os que entram pelo caminho largo o qual leva a perdição. Estão cegos, pois o “deus deste século” tapou seus olhos (2 Co 4.4). São prisioneiros no reino de satanás e lá se encontram sob seu domínio, alimentando-se apenas de “comida de porcos” na consumação dos seus desejos desenfreados (At 26.18).

Não é fácil remar contra a maré, amados. Mas nosso Senhor nos disse: “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus” (Mt 5.10). Não há outro jeito – agradar a Deus é desagradar o mundo. O contrário também é certo: agradar o mundo, é desagradar a Deus, como bem disse Nosso Senhor: “Ai de vocês, quando todos falarem bem de vocês(Lc 6.26 NVI).

Nesta semana pude me alegrar um pouco mais. Minhas convicções incomodaram muita gente, e dos homens, ao invés de ter recebido elogios, fui injuriado por ter “lançado luz nas trevas”. Certa vez disse Martyn Llod-Jones: “Que os homens não te ouçam, não te amem e nem te louvem. Mas, que importa isso? É o Senhor quem te aprova”. Essa turma pensa que nunca vai morrer. Quero ver no dia do juízo, diante do Todo Poderoso, alguém levantar e aplaudi-los ou sair em sua defesa. A todos nós chegará um dia que não haverá 24hs. E toda ideologia - todo “achismo” e filosofia ficarão por aqui. Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus Vivo e Justo.

Louvado seja Deus que enviou o Seu Filho Jesus para destruir as obras do Diabo (1 Jo 3.8). O mundo e o Diabo já estão julgados, e nenhuma parte há deles com o Filho de Deus. O Diabo vive pecando desde o principio. Ele quem induz o homem a chamar o “bem de mal” e o “mal de bem” (Is 5.20). Ele é mentiroso e pai de toda mentira.

Hoje somos filhos da luz (Ef 5.8), e por isso incomodamos os filhos das trevas. Somente com a Luz de Deus poderemos ver a Luz verdadeira (Sl 36.9). Estamos na luz porque estamos em Jesus, o qual é a luz do mundo (Jo 8.12). Quem anda na luz não tropeça nos obstáculos escondidos nas trevas (Jo 11.10). Precisamos estar munidos da armadura da luz, como diz o apóstolo: Comportemo-nos com decência, como quem age à luz do dia, não em orgias e bebedeiras, não em imoralidade sexual e depravação, não em desavença e inveja. Pelo contrário, revistam-se do Senhor Jesus Cristo, e não fiquem premeditando como satisfazer os desejos da carne” (Rm 13.13-14 NVI).

Não há comunhão entre trevas e luz (2 Co 6.14). Não estou falando que você deva se afastar dos incrédulos. O que estou dizendo é para não se “conformar com este mundo” (Rm 12.2).  Quer ser de fato um visionário, idealista e revolucionário? Submeta-se a Deus e a Sua Palavra! Fora disto só há anarquia, bagunça e rebeldia; pra isso não precisa de muito esforço, pois a natureza humana assim conduz naturalmente os homens, visto que estas coisas são “virtudes” da maioria. Todavia, aos que submetem a Deus, até o Diabo foge deles.

Nossa vida não deve estar pautada em uma "teologia" (porque há várias) - ou em uma filosofia - ou em uma ideologia - mas sim em uma Pessoa. Pois ninguém até hoje pôde me dizer, a não ser Jesus, "vinde a mim você que está cansado e sobrecarregado" (Mt 11.28-30).

Portanto, amados, ser diferente é o desafio. Ser da luz com as obras dignas deste caminhar é estar contra a grande maioria. Vão te injuriar, te difamar e dizer todo tipo de mentira contra a sua pessoa. Se o Senhor Jesus passou por isso, o que dirá de nós que somos servos inúteis? Ainda que o Diabo e os seus anjos se levante contra nós, saiba que o nascido de Deus, aquele que guarda a si mesmo, o maligno não o toca (1 Jo 5.18).

Guardemos o nosso coração!

“A noite está quase acabando; o dia logo vem. Portanto, deixemos de lado as obras das trevas e vistamo-nos a armadura da luz”. – Romanos 13.12 NVI

Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração,

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos


segunda-feira, 8 de setembro de 2014

QUANDO DEUS NÃO QUER, NÃO ADIANTA INSISTIR!


Por Fabio Campos

Texto base: Atos 22. 17-21


Paulo tinha decido ir até Jerusalém para pregar o evangelho aos judeus. Ele e os demais irmãos sabiam do grande problema que iria enfrentar. Mesmo alertado sobre tudo isso, inclusive pelo Espírito (At 21.4), Paulo estava determinado a estar entre os seus compatriotas. Podemos ver o seu grande amor para com eles quando ele escreve aos Romanos:

“Digo a verdade em Cristo, não minto; minha consciência o confirma no Espírito Santo: tenho grande tristeza e constante angústia em meu coração. Pois eu até desejaria ser amaldiçoado e separado de Cristo por amor de meus irmãos, os de minha raça,o povo de Israel”. – Romanos 9. 1-4

Paulo mesmo depois de alertado prosseguiu viagem rumo a Jerusalém. Em uma das paradas, passou alguns dias na casa do evangelista Felipe, um dos sete diáconos ordenado pela igreja (At 21.7-9). Um profeta chamado Ágabo, desceu da Judéia para encontrar com Paulo; ele alertou Paulo novamente, pelo Espírito, que o apóstolo seria açoitado em Jerusalém. Nisto toda a igreja se comoveu e afligiu-se com o alerta, rogando a Paulo que não fosse para Jerusalém (At 21.10-12). Mas nada mudara a opinião de Paulo que ele devia pregar em Jerusalém, e assim disse:

“Por que vocês estão chorando e partindo o meu coração? Estou pronto não apenas para ser amarrado, mas também para morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor Jesus". Como não pudemos dissuadi-lo, desistimos e dissemos: "Seja feita a vontade do Senhor". – Atos 21. 13-14

Paulo, então, partiu para Jerusalém. Lá chegando, os irmãos o receberam com muita alegria. Mas o alertaram de como o seu nome estava sendo mencionado entre os judeus. Estavam o acusando de apostata, dizendo que ele estava ensinando por toda parte a não circuncidar os filhos e que também todos os costumes da tradição dos judeus precisavam ser deixados de lado (At 21.17-22). A estratégia sugerida pelos irmãos a Paulo, para preserva-lo e também para que a mensagem fosse aceita entre os judeus, era que ele rapasse sua cabeça, no voto de nazireu, demonstrando que ele não estava desprezando a Lei (At 21.23-26).

Paulo foi ao templo e não demorou muito para que uma multidão o agarrasse e o batesse, ao ponto das autoridades romanas intervissem para que apóstolo não morresse (At 21.27-36). Paulo, então, foi levado para a fortaleza; lá ele teve a autorização para falar a multidão (At 21.37-40). Ali ele expôs o seu testemunho de como o Senhor o apareceu e o conduziu até os gentios (At 22).

Podemos aprender algumas coisas com este magnífico relato das Escrituras:

1) Precisamos discernir a vontade de Deus do nosso desejo. Um homem guiado por Deus e chamado para uma missão, poderá por um tempo resistir à direção Divina, todavia, as coisas não irão bem para ele. Veja o caso de Jonas. Deus o chama para pregar a Nínive, mas ele se recusa por questões pessoais. Quando o Senhor Jesus apareceu a Paulo, Ele disse: “Resistir ao aguilhão só lhe trará dor” (At 26.14). A linguagem empregada para a figura de Paulo é a de um boi indomável, que só pode ser amansado através de aguilhões; ou seja, quanto mais o boi se mexia, mais as pontas dos aguilhões perfuravam sua pele lhe trazendo dor.

Não podemos fugir de Deus. Quanta bênção é saber que o Senhor conta conosco, e se for preciso, para não deixar que desviemos, Ele quebra nossa pata; assim como faz o pastor com as ovelhas rebeldes que ficam para trás, quebrando uma de suas patas para que não seja devorada por um lobo, assim o Senhor faz conosco, trazendo uma intranquilidade no nosso coração, para que a Sua vontade seja Soberana em nossa vida.  

2) Não somos a pessoa ideal a qual pensamos ser. O Senhor alertou Paulo a respeito de sua mensagem, que ela não seria aceita em Jerusalém. Paulo retrucou dizendo ser a pessoa ideal mencionando suas prerrogativas, dizendo ser ele que perseguia os cristãos, a fim de prendê-los e açoita-los. Lembrou também que tinha consentido na morte de Estevam, quando ele ficou a cuidar das roupas dos que o matavam.

Quem mais poderia pregar aos judeus com tanta propriedade a não ser Paulo? Certamente, eu e você votaríamos em Paulo para este ministério. Mas Deus é Soberano e faz como lhe aprove a fazer sem precisar dar satisfação a ninguém. Precisamos descansar na Sua Soberania, sabendo que é Ele quem guia os nossos passos:

“Em seu coração o homem planeja o seu caminho, mas o Senhor determina os seus passos”. – Pr 16.9 (NVI)
Como é bom saber “que todas as coisas Deus têm convergido para que cooperem com o seu propósito” (Rm 8.28). Quando as coisas não tiverem saindo do nosso jeito, se estivermos em temor, precisamos apenas confiar que estão acontecendo conforme a vontade de Deus. O Senhor não insistiu com Paulo a fim de persuadi-lo a desistir do plano de pregar em Jerusalém. Ele apenas ordenou: “Vá, eu o enviarei para longe, aos gentios” (At 22.21).

3) Deus não abre mão do coletivo em prol do individualismo. Recorremos novamente ao relato do profeta Jonas. Deus não abriu mão dos ninivitas em prol dos caprichos doutrinários de Jonas. A resposta do Senhor para Jonas:

“Contudo, Nínive tem mais de cento e vinte mil pessoas que não sabem nem distinguir a mão direita da esquerda, além de muitos rebanhos. Não deveria eu ter pena dessa grande cidade?” – Jn 4.11 (NVI)
E o livro do profeta terminou com esta pergunta: “Não deveria eu ter pena dessa grande cidade”?

Paulo queria muito pregar para os judeus, entretanto, o Senhor queria salvar os gentios. Se hoje o Evangelho chegou a mim e a você, que não éramos judeus foi por causa de Paulo, especificamente por conta deste versículo: “Vá, eu o enviarei para longe, aos gentios” (At 22.21).

Pedro fora constituído para levar o Evangelho aos judeus, enquanto que Paulo foi ordenando para levar o Evangelho aos gentios. E hoje estamos aqui, na divisa de Osasco com São Paulo, falando do Evangelho, salvos e remidos, porque Deus não abriu mão de nós em prol de um desejo pessoal do Amado Apóstolo Paulo.

Que o nosso coração entenda isso, muito mais do que ser abençoado, é abençoar, como disse Jesus: “Há maior felicidade em dar do que em receber” (At 20.35).

4) Não precisamos nos assustar, pois a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável. O Senhor nunca nos colocará numa “fogueira”. Ele sabe o que faz. Como está escrito:

“Há caminho que parece reto ao homem, mas no final conduz à morte”. – Pr 16.25 (NVI)
Se o Senhor está fechando uma porta, Ele sabe o que está fazendo. Se Ele está abrindo e você não se sente capaz, Ele também sabe o que está fazendo. Não precisamos temer. Quando o nosso coração estiver aflito, o segredo é se lançar em Deus, pois Ele tem cuidado de nós. Como disse Martinho Lutero:

"Uma masmorra com Cristo é um trono, e um trono sem Cristo é um inferno"

Então, irmãos, vimos aqui que 1) precisamos discernir a vontade de Deus do nosso desejo; 2) Que não somos o que pensamos ser, mas o que Deus faz e fez em nós; 3) Que Deus não abre mão do coletivo em prol do individualismo; 4) Que não precisamos nos assustar com a direção de Deus, pois Sua vontade é boa, perfeita e agradável.

Deus usou a vida de Paulo tremendamente. Ainda que ele não tenha estado entre os doze, em doutrina, foi o principal apóstolo alistado pelo Senhor Jesus. O mundo dos gentios foi ganho por este homem. Mesmo sem entender, ele encarnou a ideia de pregar aos gentios, e por eles teve um grande carinho. Veja quando Pedro foi repreendido por Paulo, ao ponto do Apóstolo dizer que a conduta de Pedro fora “condenável”. Pedro estava na mesa com os gentios, quando, porém, chegaram os judeus, temendo, Pedro afastou-se dos gentios. Então, Paulo disse:

“Você é judeu, mas vive como gentio e não como judeu. Portanto, como pode obrigar gentios a viverem como judeus”? – Gálatas 2.14 (NVI).

Vamos continuar confiando em Deus. De onde me virá o socorro? Nosso Socorro vem do Senhor! Ele tem cuidado de nós; quando as coisas não derem certo, entenda, pode ser um livramento. Quando uma porta se fecha, Deus está abrindo uma muito maior. Nada pode deter o plano de Deus, pois agindo Ele, quem impedirá?

Nós estamos guardados nesta promessa. Portanto, se Deus não quer, não insista. Apenas se deixe ser movido pelo Espírito, o qual fará grandes coisas através de nós. Amém!


Soli Deo Gloria!

Fabio Campos

____________
Sermão ministrado na Igreja Cristã da Trindade – Osasco – em 08.09.2014