quinta-feira, 14 de agosto de 2014

VOCÊ PENSA MESMO QUE SABE O QUE ACONTECERÁ AMANHÃ?


Por Fabio Campos

Texto base: Vocês são como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa”. – Tg 4.14 (NVI)


Você sabe o que vai acontecer amanhã? Não, não é uma pergunta cínica! Talvez a grande maioria diga que não sabe o que ocorrerá amanhã, entretanto, vivem como se já estivesse no amanhã. Deste estilo de vida é que nasce a ansiedade exagerada que o domina.

Pensando no triste acidente ocorrido com o candidato a presidência da república, Eduardo Campos, a certeza que somos pó foi cravada ainda mais no meu coração. Tiago é bem claro nisto quando diz que “somos como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa”. A entrevista dada por Campos ao jornal nacional, um dia antes de sua morte, foi repleta de palavras de esperança e promessas de um Brasil melhor. Mas assim como todos nós, que um dia voltaremos ao pó, “prematuramente”, Eduardo Campos, partiu, e todos os seus planos foram cancelados, até mesmo aqueles que ele estava determinado e convicto que cumpriria em mais algumas horas.

Quantos de nós vivemos “agitados” correndo de um lado para outro, traçando o futuro com nossas próprias mãos. Não sabemos o que acontecerá amanhã (Tg 4.14). Por que, então, viver atormentado por algo que não chegou, ou talvez nunca vá chegar? O grande problema é que queremos ter o controle de nossa vida. Não podemos ter a prepotência (e isso temos de sobra) de bater no peito e dizer: “em 2015 estarei assim”. Não! A Soberania de Deus é muito pesada para tentarmos leva-la com nossas próprias mãos.

Toda ansiedade vem de uma possibilidade à concretizar, seja boa ou ruim. A pior, talvez, seja as possibilidades boas! A prosperidade nos faz assentar no trono e dizer: “estou seguro, quem poderá me fazer mal?”. Dizemos: “hoje ou amanhã, irei a tal cidade, e lá, passando algum tempo, ganharei muito dinheiro” (Tg 4.13). Mas muitos foram pegos de surpresa no seu conforto. Nesta madrugada a alma de alguns será pedida, e todo projeto, ideologia, riqueza e prestigio, ficarão na terra dos mortais. Apresentaremos-nos ao Criador.  

Hoje soube de um amigo que faleceu. Ainda que neste momento estivéssemos distantes, por conviver com ele muito próximo por vários anos, senti muito esta perda. Menino novo, forte, alegre, foi morto por um covarde que “sem a arma rebola e muda de voz” (se é que você me entende). Pensando nestes dois episódios (a morte do meu amigo e do político Eduardo Campos), as palavras de Tiago fizeram ainda mais sentido para mim. Fez-me temer em como dizer as coisas do amanhã: Ao invés disso, deveriam dizer: “Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo” (Tg 4.15).

Não dá para viver sabotando os dias na esperança do “dia ideal”. Não podemos mais procrastinar a alegria de viver de segunda para sexta, sábado e domingo. Não podemos viver esperando por algo que ainda não aconteceu para estarmos felizes. Quando se é jovem, o sonho é acabar o colégio; terminou o colégio, o mundo ideal é a conclusão da faculdade. Acabou a faculdade, o objetivo é casar; casou-se, agora o mundo ideal, o mais esperado, é pelos filhos; nasceram os filhos, agora é a formação deles; se formaram - finalmente chegou no grande objetivo, ou seja, aposentar-se”. Depois de alguns anos, morremos.

Você não viveu! Você vegetou! Sabotou toda sua vida por apenas alguns anos de aposentadoria. No anseio de ter “todo o controle na palma das suas mãos”, não viveu como deveria e tempo passou.

Amados, nós vivemos pelo o que acreditamos e não pelo que vemos. O Senhor Jesus nos disse para “não andarmos ansiosos por coisa alguma, principalmente no que vamos comer - no que vamos beber - e como vamos nos vestir”. Somos tão frágeis que não podemos acrescentar um dia sequer no curso de nossa vida.

Quando a ansiedade pelo amanhã chegar com força ao seu coração, se lance em Deus através da oração e suplica, apresentando os seus pedidos a Deus, pois Ele tem cuidado de nós. Certamente, a paz de Deus que excede todo o entendimento, guardará o seu coração em Cristo Jesus.

Eu não sei o que me vai acontecer amanhã; mas de uma coisa eu tenho certeza: “... aos seus amados dá enquanto dormem” (Sl 127.2). Sei também que todos os cabelos da minha cabeça (que não são muitos) estão contatos em sua exatidão por Deus. Quantos milionários trocariam sua fortuna por uma noite de sono sem os efeitos do calmante? Pois é, além de tudo, aos seus amados, o Senhor concede o sono!

Simplesmente confie e sempre diga: “Se Deus quiser, isso faremos ou ali iremos”. Assim, poderemos dizer como disse o salmista nos tempos de incertezas e aflições:


“Em paz me deito e logo adormeço, pois só tu, Senhor, me fazes viver em segurança” – Salmos 4.8 (NVI).

Considere este artigo e arrazoe isto em seu coração.

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com