quinta-feira, 12 de junho de 2014

VAMOS PRA FRENTE BRASIL - “SALVE A SELEÇÃO”!


Por Fabio Campos


“A copa do mundo é nossa, com brasileiro, não há quem possa”, já dizia o triunfo da canção. Infelizmente já não é mais assim. Nosso futebol “moleque” foi substituído pelo empresarial. Quem manda não é mais o técnico e sim o empresário.

Não há mais criatividade nos lances. Tudo já premeditado dentro de um parâmetro fizeram dos nossos jogadores meros “robores” dentro de campo. A “amarelinha” já não é mais tão temida como no tempo de Zico, Falcão, Ronaldo Fenômeno e Romário. Taxei assim e usei a seleção de 82 em diante, em respeito a atual. Covardia seria comparar a seleção de 1970 com a de 2014.

Não tem como comparar Neymar [ainda que craque] com Pelé. Tremenda injustiça colocar Garrincha, Pepe, Gerson, Jairzinho, Rivelino entre outros, ainda que seja para trazer um sentido pejorativo irônico - para momento atual de nosso futebol e colocar ao lado mesmo por parâmetro.

Como já disse - respeito todas as opiniões em grande estima daqueles que estão em protesto contra a corrupção e fizeram de “seu meio” o “não torcer” pela seleção. Eu, contudo, vou torcer pela seleção do Brasil. Simplesmente porque gosto de futebol e assim também faria se a copa ocorresse em outro país. No dia que eu precisar que o PT me motive em nome de sua causa naquilo que é simplesmente para lhe favorecer, através de algo que já tenha a apreciação de todos, a nossa cultura, me naturalizo argentino, país que passei a admirar.

Minha motivação é esportiva e não politica. É certo que muitos estão “tagarelando” como dizia os gregos - gente que fala, fala, fala!, - e não sabe o que estão falando - são contrários; talvez pela tentação de ser bonito sendo subversivo. Mas quanto fundamento lhes falta - e ainda que tenham - talvez copiados de uma cartilha elaborada, são incoerentes.

Meu grande irmão Renan foi sábio nas palavras: “Neste país está tudo bagunçado, até as boas intenções. [...] Nossos digníssimos representados estarão felizes se nos contentarmos em simplesmente ‘não torcer’ (quer ela seja campeã ou não! Que lhes importa?), como se isso quisesse dizer alguma coisa. O encanto ele já nos tiraram. Não temos bandeirinhas nas ruas, nem grafites temáticos nas paredes, nem pinturas no asfalto. Talvez, então, a questão não seja nem com eles, mas conosco: eu preciso fazer algo ainda que seja totalmente insignificante à minha realidade”.

Podemos mudar nosso país não em não torcer ou torcer pela seleção, mas em quem torcemos e colocamos em campo através das urnas. Ainda que nosso futebol esteja “péssimo” [o brasileiro é exigente para com a qualidade futebolística] - ainda que a copa tenha sido o pretexto para tanta roubalheira -, contudo, vou torcer pela seleção, pois o PT já “caiu da graça do povo” e a copa fomentou essa posição. Talvez foi bom! A copa trouxe à luz e ainda vai trazer, depois de findada, a corrupção e tornar evidente a sujeira daqueles que nos governam.

Dentro daquilo que o Milton Neves diz e com esta consciência que “o futebol é a coisa mais importante dentre as coisas menos importantes” digo: Bora que já vai começar o jogo! Brasil... sil... sil...sil... Sil...!


Todos juntos vamos pra frente Brasil, Brasil!
Salve a seleção!
Fui...


Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com