sexta-feira, 2 de maio de 2014

O VALOR DA MULHER SÁBIA


Por Hernandes Dias Lopes

Texto base: “A mulher sábia edifica a sua casa, mas a insensata, com as próprias mãos a derruba” (Pr 14.1)


As mulheres sempre estiveram na vanguarda dos valores morais que sustentam a vida familiar. Quando as mulheres abandonam esses princípios, é porque a sociedade está chegando ao fundo do poço de sua degradação.

O sábio nos fala de dois tipos de mulheres. Não fala de mulheres ricas e pobres, jovens e velhas, belas e desprovidas de refinados predicados físicos, mas de mulheres sábias e insensatas. A mulher sábia edifica a sua casa, pois é arquiteta dos valores morais que ornam a vida familiar. Se a construção com pedras e tijolos exige investimento e perícia, quanto mais a construção do lar e dos relacionamentos!

A mulher sábia é aquela que investe seu tempo, sua vida, seus sentimentos, seus recursos e sua alma em pessoas, mas do que em coisas. Valoriza mais relacionamentos do que objeto. Dá mais importância à beleza interna do que ao requinte externo.

A mulher insensata, porém, é demolidora. Suas palavras e ações provocam um verdadeiro terremoto na família. Ela desagrega, divide e separa. Suas mãos não trabalham para o bem, mas para o mal. Ela não é uma escultora do eterno, mas uma costureira do efêmero.


Texto extraído do livro: “Gota de sabedoria para a alma”; LOPES, Hernandes Dias; Ed. Hagnos. P. 124