quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

É MUITO MAIS DO QUE PEDIMOS OU PENSAMOS!


Por Fabio Campos

Texto base: Efésios 3.14-21

INTRODUÇÃO:

1. A carta escrita por Paulo à igreja de Éfeso é uma exortação, tanto doutrinária, como de conduta. O ministério de Paulo é conhecido por sua habilidade em refutar falsos ensinos e também em instruir os irmãos acerca da “Sã Doutrina”, que leva o homem a justiça, a fé, o amor e a paz que invoca a Deus com um coração puro (2 Tm 2.22).

2. Paulo também nunca deixou de instruir os irmãos acerca “do serviço prático dos cristãos”. A ordem na igreja, o comportamento dos crentes - o comer e o beber - era uma preocupação de Paulo para que Deus fosse glorificado em todas as coisas.

3. O trecho que acabamos de ler trata da oração constante que Paulo fazia em favor dos Efésios.

a. O verso 14 diz que “ele se punha de joelhos” perante o Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo.

b. Paulo conhece o Deus a quem direciona sua oração: “Deus rico em glória” (16).

c. Seu desejo em favor da igreja é que sejam acrescentados pelo poder do Espírito; que Cristo fosse morada [sinta-se em casa] pela fé no coração do seu povo (16-17).

d. Por fim, compreender perfeitamente, na comunhão dos santos, a largura, o comprimento, a altura, e a profundidade do amor de Cristo que excede todo o entendimento, sendo cheios da plenitude de Deus (18-19).

I. DOXOLOGIA DE PAULO

1. Quero me ater a doxologia de Paulo, nesta oração de louvor ao Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo.

2. Neste louvor entoado ao Deus dos céus ele nos informa de um “poder que opera em nós”.

3. Este poder traz a gloria a Deus através do louvor da igreja.

4. O poder de Deus faz muito mais do que “pedimos” ou “pensamos”.

II. ELE É PODEROSO PARA FAZER MUITO MAIS DO QUE PEDIMOS.

1. Mas o que pedimos?

a. Muitas vezes pedimos pedra em vez de pão; pedimos escorpião em vez peixe. Sendo assim, se nós, que somos maus, sabemos dar boas-coisas aos nossos filhos, quanto mais o Pai que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem.

b. As vezes pedimos e não recebemos. Talvez ainda não seja o tempo certo, e o Senhor deixou-o na prateleira de espera. Contudo, com o nosso coração enganoso, pedimos mal, e por isso não recebemos. Até nisto Deus é misericordioso, em não dar aquilo que pedimos mal, pois o seu desfrute seria o acréscimos de dores.

c. A graça e a misericórdia são novas todas as manhãs. Conhecendo nossa estrutura, Deus pôs em nós o Seu Espírito, e Este nos ajuda em nossa fraqueza, pois “não havemos de pedir como convém”, por isso em nosso favor, intercede por nós com gemidos inexprimíveis, e aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito, que pede segundo a vontade de Deus (Rm. 8.26-27).

III. ELE É PODEROSO PARA FAZER MUITO MAIS DO QUE PENSAMOS

1. No que pensamos?

a. O apóstolo nos exorta a “pensarmos nas coisas do alto” (Cl 3.2). É lá que devemos juntar os tesouros-, onde o ladrão não rouba e a traça não destrói.

b. Nossa mente deve ser renovada pelo o entendimento da Palavra de Deus. Não há como se conformar com o mundo quando se tem a Palavra escondida no coração.

c. Nossa mente nos informa das nossas vontades; pelo o culto racional, se assim for, estando nEle e, suas Palavras em nós, tudo o que pedirmos, assim será feito.

d. O “pensamento” que Paulo nos informa está relacionado a “perceber”, “entender”, “observar”.

IV. MESMO NA VONTADE DE DEUS, AINDA ASSIM, NÃO VAMOS ENTENDER EXTAMENTE COMO ELE FARÁ, E O QUE FARÁ, A TODOS AQUELES QUE O AMAM. 

1. Que promessa fantástica para preservar o nosso coração e a nossa mente em Cristo trazendo a paz que excede todo o entendimento.

2. Deus sempre nos surpreende, pois Aquele que não poupou o seu próprio filho, antes por amor a nós, entregou com Ele todas as coisas.

3. Nisto podemos confiar. Ainda que digamos: “o que é o homem mortal para que te lembre dele? E o filho do homem para que o visites? Contudo, pouco menor o fizeste do que os anjos e de glória e de honra o coroastes” (Sl 8.4-5).

CONCLUSÃO

1. Ainda que a nossa a vista esteja tudo obscuro; ainda que nossa mente compreenda em parte; “ainda sim, tudo será feito em propósito daquele que ama a Deus, cooperando para aquilo que fomos chamados”.

2. Quero encerrar nossa reflexão com um texto que pode nos encorajar e nos fortalecer nas tribulações:

"Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam". (1 Co 2.9 NVI).

3. Talvez você me diga que seja um texto escatológico. De fato preciso concordar com você. Contudo, um pouquinho disto nos é dado todos os dias nesta terra, pois servimos o Deus de “Toda graça” conforme nos ensina o Apóstolo Pedro (1 Pe 5.10).

4. Deus fará abundantemente mais do que pedimos ou pensamos segundo o poder que opera em nós.

Soli Deo Gloria!
Fabio Campos
______________________________________________
Sermão pregado na ICT dia 15/01/2014