segunda-feira, 25 de novembro de 2013

PROBLEMA RESOLVIDO! “VAI E NÃO PEQUES MAIS”!


Por Fabio Campos

Texto base: Declarou Jesus: "Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado".- João 8.11 NVI


Deus fez o homem reto, mas ele se meteu em muitas astúcias (Ec 7.29). Quantas são as “encrencas” que nos envolvemos. O pecado para ser consumado pode demorar um pouco; mas para ser gerado é uma questão de segundos. Aquilo que nos atrai é apreciado mesmo não querendo, e quando não vigiado, por ser fraca a carne - lá se foi, e o estrago é grande, trazendo danos irreparáveis.

O pecado quebra a comunhão com Deus e dEle nos separa (Is. 59.1-2). Rouba nossa paz. Nosso humor é alterado. O que nos resta é impureza, lascívia, inimizade, ciúme, ira, discórdia, dissenção e facção. Todo crente peca (1 Jo 1.8), mas nenhum cristão verdadeiro tem prazer no pecado.  O pecador perdido se gloria no pecado; o pecador salvo, tem tristeza no pecado.

Quando o rei Davi pecou contra o Senhor, na trama deliberada para consumar seu plano, neste momento a alegria da salvação já havia se perdido (Sl 51.12). Quando perdemos a alegria da salvação sentimos a necessidade de buscá-la em outro lugar. Daí nasce o pecado. Se alegrar fora de Deus, naquilo que não é de louvor, verdadeiro, respeitável, justo, puro, amável e de boa fama. Todo ser humano tem a necessidade de se alegrar. A questão é a fonte que se vai buscar esta alegria. Muitos correm para os “parques de diversões” que destilam mel, com aparência agradável, mas que no fim trazem o gosto amargo do absinto; a espada de dois gumes os aguarda, e como um boi que é levado ao matadouro - assim vão eles - seduzidos “pelas delicias do prazer” - é como a ave que se apressa para o laço; logo a flecha atravessará seu coração, custando talvez sua própria vida e a de toda sua família.

Quando a mulher de Jo 8.1-11 foi pega no ato do adultério, a lei demandava sua morte por apedrejamento. O salário do pecado é a morte. Porém, se levanta aquele, o Justo, que justifica os injustos. O único que nunca pecou mesmo sendo tentado; Cristo Jesus, o Senhor da lei, que cumpriu a lei – interroga Ele os acusadores desta mulher, dizendo: “Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire a primeira pedra”. Todos estavam encrencados com o pecado. O único que poderia atirar a pedra disse: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou. E ela disse: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais” (Jo 8. 10-11 NVI).

Em Cristo fomos reconciliados com Deus não sendo imputados os pecados anteriormente cometidos (2 Co 5.19). E ainda que pequemos [e isso é uma certeza], temos um advogado junto ao Pai para nos purificar de toda iniquidade (1 Jo 2.1-2), pois quem nEle está, já não está sob a condenação da lei (Rm 8.1). A alegria da salvação se torna o maior prazer. Passamos a ser leves de espírito, agradáveis nas palavras, temperadas com sal; trocamos a maledicência pela bondade; a ira pela paciência; a impaciência pela longanimidade; a rudez pela mansidão; tudo isso que o Espírito nos traz por meio do domínio próprio.

Hoje você pode estar desesperado por algum ato falho cometido. Talvez a tristeza tenha se apoderado de sua alma trazendo desesperança ao seu coração. Você hoje pode estar com a cabeça baixa e com medo de Deus; aguardando pelas consequências dos seus atos. Calma! O problema foi resolvido! Uma nova oportunidade é posta na sua frente. Um coração contrito em arrependimento é o que precisamos ter nestas horas. Arrependimento é concordar com Deus no que precisa ser mudado. O que não podemos ser é incoerentes, querer novas coisas sem ser uma nova criatura (2 Co 5.17).

A questão é muito simples. Se hoje ouvires a vos do Senhor teu Deus não endureçais o coração; pois quando estamos arrependidos, com fome de perdão, de forma nenhuma, seremos desprezados, pois não temos um sumo sacerdote que não possa se compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi Ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado, e por isso podemos nos achegar ao trono da graça confiadamente a fim de recebermos graça e misericórdia quando for necessário. Ele será por socorro contra o nosso acusador.

Problema resolvido! Diante dessa graça maravilhosa, qual então o modo para vivermos: “Vai e não peques mais”. Faça diferente, pecar você vai pecar, mas ainda que não alcance a perfeição prossiga para o alvo, sabendo que Deus é bom e a sua misericórdia dura para sempre, pois novas são as manhãs que nos traz o seu perdão através de Jesus Cristo, o Senhor. O seu problema foi resolvido, faça diferente.


Soli Deo Gloria!

Fabio Campos