domingo, 3 de novembro de 2013

A IGREJA PRECISA CONHECER MAIS O SENHOR JESUS!



Por Fabio Campos

Texto base: "E vocês?", perguntou ele. [Jesus] "Quem vocês dizem que eu sou?" – Mateus 16.15 NVI


Conhecer é muito mais do que estudar. É por muitas vezes gastar tempo - investir no esforço físico e mental: “Conheçamos o Senhor; esforcemo-nos por conhecê-lo” (Os 6.3). Conhecer a Cristo é algo que envolve sua imitação e está além apenas de ouvir falar. Não é a glória do sábio, a força do forte nem o dinheiro do rico, mas compreende-lo e confirmar Seu Senhorio sobre nós obedecendo a suas ordens pela consequência do amor que temos para com Ele.

Deus trabalha com o firme fundamento que tem o seguinte selo: “O Senhor conhece os que lhe pertence”. Mas Cristo requer de sua Igreja um conhecimento mais profundo de quem Ele é: “Quem vocês dizem que Eu Sou”? Somos o que acreditamos, por isso que a ignorância acerca da Divindade faz de muitos, presas, pela satisfação imediata que o pecado proporciona vivendo com a seguinte filosofia: “Comamos e bebamos, porque amanhã morreremos”.

Muitos conhecem de Deus, mas não conhecem a Deus. Muitos amam a Palavra, mas não [amam] o Deus da Palavra. Por quê? Ora, se amardes verdadeiramente guardará os mandamentos e este ratifica o amor pelo Cristo que o salvou. Obedecer é melhor do que sacrificar! Muitas das vezes nosso estilo de vida denuncia que de fato ainda não conhecemos como deveríamos. O apóstolo nos exorta a termos “o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus”. Tornar-se servo de todos não buscando seu próprio interesse. Ele humilhou-se a si mesmo, e não procurou agradar a si próprio. Toda essa “Kenosis” foi dito pelo apóstolo para que nEle tivéssemos comunhão no Espírito, profunda afeição e compaixão; não somente isso, mas o mesmo modo de pensar - o mesmo amor - um só espírito e uma só atitude.

Será que nos falta isso? A ordem é “nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos”. O Senhor continua a nos perguntar: "Quem vocês dizem que eu sou?". Seguir a Cristo é tomar a cruz e negar a si mesmo. Você pode estar naufragando na caminha cristã, ganhando o mundo para si com sua influência e poder de persuasão, mas concomitante toda a essa pompa, sua alma, poderá estar se perdendo. Lembrando que a mensagem é para a Igreja. “Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou” (Cl 3.13).

Muitas das vezes esquecemo-nos da graça de Nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, se fez por pobre por amor a nós. É preciso valorizar mais as pessoas, pois assim Ele fazia [e faz], e se alguém te procurar por ter visto algo de Cristo em você, lembre-se, o dom não é seu, mas daquele que o arregimentou. É necessário mais respeito e atenção com o simples na fé, valorizando assim como Cristo o valoriza.

Não há como negar que teremos grandes surpresas para com os escolhidos de Deus naquele grande dia. Um centurião romano reconhecendo que “Ele era o Filho de Deus” quando o Senhor ainda estava na cruz nos causa espanto no contraste da cúpula judaica, conhecedora das Escrituras, mas que tramou a mentira acerca do corpo e da ressurreição de seu próprio Senhor. O que dizer dos samaritanos, povo segregado pelos líderes religiosos, que assim diziam: “Agora cremos não somente por causa do que você disse, pois nós mesmos o ouvimos e sabemos que este é realmente o Salvador do mundo” (Jo 4.42).

Às vezes os de fora aparenta conhecer mais do que os de dentro. O amor pelo próximo que tem por mandamento é confirmado na pessoa de um samaritano fronte ao sacerdote e o levita. Tudo é uma questão de tempo [pois há tempo pata todo propósito debaixo do sol] para aquilo que está obscuro ser desnudado rumo o “face a face”. Mesmo na ignorância, hora menos hora, o entendimento virá pelo ouvir da Palavra, pois está escrito: Todo aquele que nele crer não será confundido”.

A pergunta é feita a nós: "Quem vocês dizem que eu sou?" Hoje poderia ser dito: “A Igreja conhece o seu Senhor”? Por muitas atitudes vem o conhecimento de que a “A Igreja precisa conhecer mais o Senhor Jesus”. Se houvesse de fato este conhecimento, logo haveria também o temor, e nossa postura seria muito diferente no convívio do lar, na igreja, no trabalho e nas redes sociais. Conhecer a Cristo é fazer, é tratar, é amar e, enxergar [todas] as pessoas como Ele as enxerga, principalmente aqueles que Ele tem por pequenino.

E aí, "Quem vocês dizem que eu sou?"

Soli Deo Gloria!

Fabio Campos