segunda-feira, 5 de agosto de 2013

FÉ! FATO OU METAFÍSICA? A CRIAÇÃO RESPONDE!


Por Fabio Campos

Texto base: “Ó Senhor, quão variadas são as tuas obras! Todas as coisas fizeste com sabedoria; cheia está a terra das tuas riquezas”. (Sl 104.24 AFC)

O Senhor nos agraciou com mais uma viagem a passeio. Eu e minha amada esposa fomos para “Monte Verde”, Minas Gerais. Almoçando em um restaurante da cidade, um homem muito instruído, passou vendendo seus livros. Parece que pelo cheiro conhecia quem gostasse de literaturas. Logo foi a nossa mesa.

Papo vai, papo vem, analisando percebi que uma de suas obras tratava das principais religiões cridas em Israel. Ele historiador, filósofo, e para complementar, marxista, disse estar preocupado com o advento do papa Francisco, com o crescimento do islamismo, e com o misticismo do neopentecostalismo, onde é pregada a teologia da prosperidade. Você acha que não deu assunto? Minha esposa que o diga! Risos...

Ele disse que o maior conflito entre “religião e história” se encontra na “metafísica X os fatos”. Enfim, a conversa foi longa! De uma forma breve e sucinta, “racionalmente” pude expor o propósito de Deus por meio de Moisés até chegar à encarnação do Verbo, cumprindo a profecia que Deus traria vitória para o seu povo por meio do messias prometido, Jesus Cristo.

Lembrei-me de Agostinho que disse “é necessário crer para compreender, e não compreender para crer”. De fato, justificar “milagre” é tentar explicar o inexplicável. Mas os fatos da criação comprovam que a fé não é simplesmente metafísica. Há uma engrenagem perfeita conspirando a favor das criaturas terrenas. O mundo não só foi criado, mas até o dia de hoje tem sido sustentado por meio de uma fonte inesgotável.

O salmo 104 é um escrito daqueles que coloca os “evolucionistas céticos” na parede. Nem o homem por si é capaz de escrever algo tão belo e coerente com aquilo que nossos olhos contemplam todos os dias. O louvor ao Deus criador é entoado por toda a criação! O Senhor é grandioso! Ao olharmos o universo (nossos olhos podem contemplar muito pouco de sua imensidão) vemos o tamanho de Deus. Ou seja, Deus não pode ser medido (V.1).

Os ventos e os raios são ministros e mensageiros de Deus para avisar a terra que haverá tempestade (V.4). O comentário bíblico Moody traz uma explicação do verso 5 muito interessante: “Os conceitos de cosmologia do oriente próximo estão evidentes aqui como em todo o salmo. A terra está firmemente estabelecida em suas bases e colunas”.

“Lançou os fundamentos da terra; ela não vacilará em tempo algum”. (Sl 104.5 AFC)

Assim como o homem lança o lençol sobre a cama, assim Deus fez com o oceano, lançando-o, cobriu as montanhas que estão debaixo do mar (V.6). Os mares foram divididos e fixados em seus limites. As águas obedeceram à voz de Deus e subindo pelos montes repousaram no oceano que fora criado para abriga-las, tornando-se rios e mares:

“... [as águas] subiram pelos montes e escorreram pelos vales, para os lugares que tu lhes designaste. Estabeleceste um limite que não podem ultrapassar; jamais tornarão a cobrir a terra”. (Sl 104. 8-9 NVI)

O que falar da beleza e das delícias da terra! A Bíblia diz que a terra está cheia da bondade de Deus. Das águas os animais que “não pagam a SABESP” saciam sua sede e os passarinhos fazem seus ninhos; por isso, em agradecimento ao Criador, entre os galhos, põem-se a cantar, louvando e trazendo um belo cântico aos nossos ouvidos. Deus provê dos Céus o crescimento naquilo que o homem não vê (V 11-13).

O homem trabalha para conseguir seu sustento. Entretanto, quem faz crescer a planta e faz multiplicar o gado, por meio da cria, é o Senhor. Ele faz as coisas imperceptíveis, mas se torna notória quando concluídas. Pela graça o vinho, o azeite e o pão, suprem as necessidades físicas da vida. Além do físico, esses elementos nos trazem a representação da alegria (vinho), da unção (azeite), e da Palavra de Deus (pão). Tudo que o homem precisa se encontra nesta representação (V. 14-17). As demais são consequências!

Cada animal tem o seu lugar devido para habitação (V.18). O sol e a lua sinalizam as estações do dia e a terra sabe o horário e o lugar que ambos devem aparecer aos olhos dos seus habitantes. O relógio do meio dia, a olho nu, não falha.

“Ele fez a lua para marcar estações; o sol sabe quando deve se pôr”. (Sl 104.19 NVI)

A terra e tudo que nela há fora criado por Deus. Pela sua graça e no poder da sua Palavra, sua criação, demonstra a sabedoria e a inteligência de um Criador coerente em sua obra. O grande animal marinho, Leviatã, assim chamado pela Bíblia, para Deus, é sua diversão, mostrando que tudo está no seu controle e assim faz como lhe apraz (V. 24-26).

Os animais vão à caça despreocupados na certeza que trarão o seu sustento. Eles esperam o seu provento do Senhor; irracionalmente, pela fé, vão atrás da sua presa para alimentar sua família. Quem lhe deu este senso de responsabilidade e de certeza que em algum lugar existe algo que possa o alimentar (V.27-30)?

“Todos eles [animais] esperam em ti para que lhes dês o alimento no tempo certo”. (Sl 104.27 NVI)

A Bíblia Shedd traz uma nota de rodapé muito interessante a respeito do salmo:

“Este salmo [104] abrange a história natural (1-23), a filosofia (24-30), e a vida espiritual (31-35). A história natural descreve o poder na criação (1-9), o amor de Deus em sustentar os seres da terra (10-18) e a ordem de Deus em reger tudo (19-23). A filosofia mostra que o universo criado revela a sabedoria e riqueza de Deus, e a fragilidade da criatura, que deve, portanto, conservar-se em harmonia com Deus (24-30). A vida espiritual se aproxima mais de Deus, por intermédio de louvores cantados com fé no íntimo, do que pela contemplação de objetos físicos. Este é o louvor que Deus aceita (31-35)”.

Se a ciência ateísta, a história racional, e a filosofia moderna, trabalham “com fatos empíricos”, como então negar a existência de um Criador diante dos “fatos da criação”? Como disse o teólogo Norman Geisler: “Não tenho fé suficiente para ser ateu”.

“Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis”. (Rm 1.20 NVI).

Diante da criação e da engrenagem perfeita, dentro da ótica da cosmologia, pela lógica e pela as Escrituras, todo homem é indesculpável diante de Deus. A Bíblia sentenciou aqueles que fecham os olhos para o Criador e para sua Majestade, de “tolos” (Sl 14.1).

Os fatos comprovam a existência de um Criador, e sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam (Hb 11.6). Deus nunca se preocupou em provar Sua existência, pois o primeiro versículo da Bíblia que daria margem para essa questão diz simplesmente que Ele [Deus] “fez os céus e a terra”. Como Ele não tem origem, Ele é!


Soli Deo Gloria!

Fabio Campos