domingo, 2 de junho de 2013

RESPOSTA A RESPEITO DA “PENA CAPITAL”.


Por Fabio Campos,

PERGUNTA DO IRMÃO:

Mui caro em Cristo, saudações no nosso Salvador e Senhor.
Gostaria muito que me desse sua opinião embasada na Escritura, seja pró ou contra, a aplicação da pena de morte em casos de crimes hediondos. No seu andar com Cristo, amado irmão, você acredita que é moralmente correto, à luz da Escritura Sagrada, a aplicação da pena de morte em casos de latrocínio, estupro, sequestro seguido de morte, terrorismo com vítimas fatais, etc? Como deve um cristão posicionar-se a respeito deste tema tão candente? Aguardarei com ansiedade sua resposta, crendo na sabedoria que Deus tem lhe dado em poder, num caso tão delicado como este, auxiliar-me em minha busca de orientação com os santos de Deus.

RESPOSTA:
A paz irmão,
De fato, este é um assunto muito debatido em nosso meio e controverso em sua conclusão. Sendo sincero, tenho uma opinião, mas ainda não bato o martelo nela! Acredito na vida e misericórdia! Não “pagando” de “bom samaritano”, a vida está em primeiro lugar. Contudo, graças a Deus, não senti na pele o sofrer de alguns destes crimes; e talvez meus argumentos sejam “rasos” perante aquele que passou por tal desgraça.
 A misericórdia é não agir de acordo com o que se merece. O pecado tem por salário a morte, e todos merecíamos morrer. Em Cristo, Deus olha a humanidade com misericórdia (me estendo neste ponto também a graça comum). Não colhemos tudo, nos mínimos detalhes, o que plantamos. Isso pela Misericórdia de Deus. Ele mesmo disse que “não tem prazer na morte do ímpio, mas antes que se arrependa, e VIVA” (Ez 33.11).
Caim matou Abel, e Deus vingaria aquele que o matasse. A longanimidade de Deus alcançou um criminoso religioso chamado "Saulo", que mais adiante, seria o principal dos apóstolos para a proclamação do Evangelho e a sistematização da doutrina cristã - este foi nosso amado irmão Paulo. Há bastantes versículos que por inferência apoiam a "pena de morte". A Bíblia revela a ira de Deus contra o pecado, e como não é lícito tirar nenhum tio da Lei, todos, sem exceção, merecíamos a morte! Mas precisamos salientar que, acima da Lei de Moisés, está a misericórdia de Deus. Deus é Lei para si mesmo! Ela é santa, boa e perfeita, e Deus nos deu justamente para a ciência de sua santidade e de nossa pecaminosidade. Nossa natureza em Adão vive em rebelião contra a Lei de Deus, o que nos daria “legalmente”, todos os dias, a punição devida. Mesmo assim, o Senhor foi bondoso conosco e não nos tratou segundo os nossos pecados. Não porque ele ab-rogou a Lei e perdoou todo mundo; mas sim porque o que estava enferma pela carne, o cumprimento da Lei, Deus condenou o pecado em Jesus sendo Ele a semelhança do homem pecador, mas sem pecado, cumprindo as exigências da lei. Não somente isso - porque o filho foi pendurado no madeiro e teve a ira de Deus imputada Nele, feito maldito por nós, a graça foi manifestada a todos os que creram, e pela fé foram justificados dos seus crimes contra a Deus.  
Deus prazer na misericórdia, inclusive daqueles que contra Ele se rebelam (Mq 7.18). Se o Senhor levasse em conta os nossos atos e pensamentos pecaminosos, assim como o homem leva a falha do seu próximo, ninguém mais estaria vivo (Sl 130.3). A misericórdia é a causa de não sermos consumidos, pois se renova a cada manhã (Lm 3.22). A Ele pertence à misericórdia (Dn 9.9). As autoridades foram constituídas para punir as injustiças e manter a ordem para o convívio em sociedade – o que deve ser! Entretanto, por causa da corrupção de nosso país, a perícia falharia em muito neste tipo de situação, cometendo muitas injustiças, o que traria uma ira ainda maior pela parte de Deus. O que precisamos é de uma legislação criminal justa que tenha austeridade no cumprimento das penas.
 
Acabar com o mal erradicando o ser humano, é dizer que Deus não tem poder para converter um “Manasses” (pior homicida de Israel) e nem perdoar um Davi que cometeu um crime horrendo contra Urias e ainda adulterou com a sua esposa. Repito, digo isso não pela ótica da justiça engessada dos homens, mas pela misericórdia de Deus quando Ele olha para a cruz do calvário. A vingança feita por ter tido o alimento da raiz de amargura, talvez nos trouxesse um momento de alegria, mas devido à consciência, naquilo que aprovamos ser o certo, nos traria condenação, pois tudo o que não provem da fé é pecado.
O irmão Solano Portela, o qual tem por admiração, trouxe um esclarecimento sobre o assunto do ponto de “vista jurídico bíblico”, naquilo que de fato o homem teria por merecimento e não pela misericórdia. Abaixo o link:


Espero ter ajudado.

Um grande abraço
Fabio Campos


Nota: O texto acima teve algumas adaptações da primeira resposta enviada no E-mail.