quinta-feira, 6 de junho de 2013

NÃO SEJA TÃO JUSTO NEM MUITO SÁBIO! O EXAGERO IRÁ TE FAZER MAL!


Por Fabio Campos

A soberba é a antessala da queda! Como é ruim conviver com pessoas ditas “perfeitas”, mas intolerantes com os erros alheios - sem compaixão e misericórdia. A Bíblia diz que “não há um justo se quer” e “não há quem faça o bem”. O Senhor é o único que pode bater no peito e dizer: “EU SOU”! A ira de Deus virá sobre aqueles que são sábios aos seus próprios olhos e inteligentes em sua própria opinião (Is. 5.21). O sábio Salomão por meio do Espírito Santo disse: “Não seja excessivamente justo nem demasiadamente sábio; por que destruir-se a si mesmo” (Ec 7.16 NVI)? Talvez os fariseus contemporâneos, aqueles que se vangloriam de sua teologia racional “teonomista” (não estou generalizando), não gostem da exposição do texto. Mas Deus, que é rico em misericórdia, conhece nossa estrutura e sabe que somos pó. Não adianta aparentar uma coisa que não somos!

Geralmente aqueles que usam de rigor ascético para a “santificação”, de fato, não são o que realmente aparentam. Suas longas orações, a linguagem piedosa, os jejuns e o conceito a despeito da sã doutrina, podem enganar os homens, mas não a Deus, que nos vê no secreto! Pedro em uma das reuniões com os apóstolos condenou a demasia daquilo pelo qual o homem não estava em condições cumprir. Ele foi claro: “Vocês [guardadores da lei] tentam a Deus colocando um jugo que nem nós, nem nossos pais, puderam suportar (At 15.10). As pessoas que tem uma real comunhão com Deus são as que mais se consideram pecadoras. Quem se considera indigno, de fato, conheceu a santidade de Deus. O sábio bate no peito pedindo misericórdia por ser o “principal dos pecadores”. Porém, aqueles que buscam a justiça e sabedoria em demasia, não querem agradar a Deus, mas aos homens – procuram popularidade: “Você conhece alguém que se julga sábio”? Há mais esperança para o insensato do que para ele” (Pr 26:12 NVI). É mias fácil um tolo ser tido um dia por sábio que o “sábio” converter-se da sua tolice.

Infelizmente, somos tentados a comparar nosso “grau de santidade” com o “níveo de pecaminosidade do outro”. É aí que surgem os santarrões fariseus dando graças, por darem o dízimo de tudo, por não serem adúlteros, corruptos, ladrões – jejum duas vezes por semana. Por quê? A lógica é que o publicano está logo ali, rotulado de incrédulo, ímpio, o qual não se enquadra na cartilha normativa dos preferidos de “Jeová”. A Bíblia é perfeita! Ninguém teve o seu pecado ocultado! Adão desobedeceu – Noé se embebedou – Moisés perdeu o domínio próprio – Davi adulterou – Pedro negou a Cristo – o Amado João queria vingança sobre os Samaritanos. Em contra partida nossos livros têm por exaltação e referencial absoluto de perfeição os pais da igreja, os reformadores, os avivalistas, todos escritos de forma poética. Parece que esses santos homens nunca erraram! De fato e sem contestação alguma merecem nosso respeito e a nossa lembrança daquilo que fizeram pela Igreja. A questão é que não vemos um calvinista, por exemplo, mencionado os erros de João Calvino. De Pedro talvez, exponha! Mas de Calvino, não! Somos devedores, e diante dos testemunhos, podemos referencia-los como “heróis da fé”. Mas ter nestes homens e no seu estilo de vida o “parâmetro inerrânte de santidade” em “regra de fé e prática”, de fato, não é ser um imitador de Cristo. Paulo diz para sermos imitadores de Cristo, e não dele. Precisamos imita-lo (Paulo) por ser ele um imitador de Cristo.

Amados, o cuidado é necessário! Existe muito “santo reformador” de facebook. Ainda não vi nenhum deles confessar os seus pecados publicamente como se vangloriam da sua “teologia corretíssima”, implacável. Temos que tomar cuidado com os exageros! Não chegaremos à perfeição! Mas em humildade e pela graça de Deus, prossigamos para o alvo, pois é “melhor o homem paciente do que o guerreiro, mais vale controlar o seu espírito do que conquistar uma cidade” (Pr. 16.32). Temos que tomar cuidado com a demasia! Ainda que seja na santidade ou sabedoria, se continuarmos neste caminho, seremos tidos por tolo, destruindo a si mesmo! Que nossa moderação seja conhecida diante de todos (Fp 4.5).


“Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que pratiques a justiça, e ames a e andes humildemente com o teu Deus”? (Miquéias 6:8 ACF).


Soli Deo Gloria!

Fabio Campos