sexta-feira, 17 de maio de 2013

LEVADOS ATÉ O CORAÇÃO DE DEUS



Por Fabio Campos

Texto base: Aquele que oprime o pobre com isso despreza o seu Criador, mas quem ao necessitado trata com bondade honra a Deus”. (Pr 14:31 NVI).


Como é bom tirar férias! O Senhor me presenteou com uma viagem para Punta Cana, República Dominicana, e com a companhia de amigos queridos. O descanso é necessário, pois no sétimo dia Deus descansou da obra que fizera para poder contemplar aquilo que tinha criado. O descanso é o fim principal pelo motivo que se trabalha. Diante daquele lugar paradisíaco ninguém imagina o lado triste desta história. Pobreza e miséria estão em noventa por cento da região. Os funcionários do hotel no qual nos hospedados trabalham onze dias consecutivos para folgar três. A média salarial é de 280 dólares! A grande maioria (funcionários) vive nas cidades vizinhas por ser o custo de vida alta em Punta Cana.

Logo após um passeio, no caminho, esta verdade comoveu nosso coração e muito nos deixou perplexos. Ao falar da situação, nos emocionamos! Aquelas crianças negras, magras, sem um chinelo pisando naquele chão quente, de fato, levou nosso pensamento até Deus e a reflexão na Sua Justiça. Neste momento de comoção, o Senhor bradou em minha alma: “Esse é o meu sentimento quando meus olhos contemplam a maldade, a opressão aos pobres, e todos os latrocínios cometidos pelos homens”. Neste instante disse: “Pessoal, fomos levados até o coração de Deus, precisamos fazer algo”.

Mesmo Deus sendo Soberano e tendo o controle de todas as coisas, a responsabilidade de não oprimir o estrangeiro (Ex 23.9), de não explorar o trabalhador (Dt 24.14-15), e de julgar a causa do pobre com honestidade e dignidade (Jr 22.16), é nossa! Os céus são os céus do Senhor, mas a TERRA, DEU-A Ele aos FILHOS dos homens (Sl 115.16). O fatalismo que exalta uma pseudo-soberania de Deus, de fato, é repugnante pelo fato que anula a responsabilidade do individuo, os quais têm a terra por sua administração. Jesus disse: “Vocês sempre terão os pobres ao seu redor”. A religião pura e imaculada que nosso Pai aceita é cuidar dos órfãos e das viúvas em suas necessidades e não se deixar corromper pelo mundo.

A Misericórdia do Senhor se manifesta na “graça comum”, onde Deus preservou alguns dos seus atributos, na raça humana, para que o homem não fosse totalmente depravado em todas suas ações. O arrogante e o perverso oprime o pobre e o necessitado (Sl 10.2; 109.16), mas o Senhor toma a causa deles para si (Pr 19.17). Aquele que usa de misericórdia em compaixão para com o falido, de fato, alcançará a misericórdia de Deus (Sl 41.1).

Nossa consciência está cauterizada diante das atrocidades cometidas pelos homens. Para nós, a maldade, no fato de ser corriqueira, já é algo normal. Mas Deus está muito acima disso! O seu trono é de justiça, e seus olhos estão em todos os lugares. O cálice de sua ira uma ora irá transbordar: “Mas tu enxergas o sofrimento e a dor; observa-os para tomá-los em tuas mãos. A vítima deles entrega-se a ti; tu és o protetor do órfão” (Sl 10.14 NVI). O Senhor é grande em benignidade e longânimo em misericórdia, mas nunca injusto! Uma hora essa bomba vai estourar, e ai daqueles que trocam o bem pelo mal, que diz “qualquer que faz o mal passa por bom os olhos do Senhor e desses é que ele se agrada” (Ml 2.17). Virá o dia que todos os soberbos e todos os que cometem perversidades serão queimados como a palha é queimada na fogueira; naquele dia, eles queimarão e serão completamente destruídos, caso não se arrependam (Ml 4.1)!

Pensemos nisso e que Deus nos dê a graça de sermos ferramentas de misericórdia no que tange os necessitados ao invés de alvo de sua ira pelo pecado de omissão.


“Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me. Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me. Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes. Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos? Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim. E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna”. (Dito de Jesus em Mateus 25.35-46)

Pense nisso!

SOLI DEO GLORIA!
Fabio Campos