terça-feira, 21 de maio de 2013

DECRETAR, REIVINDICAR, PEDIR RESTITUIÇÃO? COM QUE DIREITO?



Por Fabio Campos

Texto base: “Propôs também esta parábola a alguns que confiavam em si mesmos, por se considerarem justos” (Lc 18.9 ARA).

Só quem conhece a Deus por meio das Escrituras conhece um pouco do seu poder e da forma repugnante e pela qual Ele contempla o pecado. Fora de Cristo, uma ira paira sobre os seres-humanos e privados estão da presença de Deus (Ed 9.15). Contudo, Deus é tão bom e misericordioso, que em meio à imundice de pecados, os homens que se apresentam a Ele, por meio da sua própria justiça, nos dias de hoje, não tem o que de fato merecem - a morte diante da Glória Santa do Senhor dos exércitos (1 Sm 6.19).

É muito comum vermos pessoas decretando, exigindo, colocando Deus na parede, requerendo aquilo que lhe é de “direito”, em uma atitude arrogante, egocêntrica e mesquinha. Mesmo os homens que deve favor uns aos outros, quando aquele que tem algum direito, caso tenha tal postura com o seu devedor, certamente o aborrecerá e terá o furor acesso contra si. Agora, imagine você - como Deus enxerga tal abordagem para cima Dele? “Se alguém o provoca, ele fica furioso. Quem se arriscaria a desafiá-lo” (Jo 41.10 NTLH)? Certamente eles ainda não entenderam que o Senhor é Ele, o qual está nos céus, coberto de Santidade e poder, e nós estamos na terra, onde jaz no maligno!

A ira do Senhor se manifesta contra o mal quando é chamado de bem! Quem pode permanecer na presença de Deus quando Ele está irado (Sl 76.7)? E quem é auto-suficiente para angariar algum direito sobre Ele? Quem poderá dizer: "Purifiquei o coração; estou livre do meu pecado” (Pr 20:9 NVI)? A Bíblia nos diz que “não há um justo sequer e não há quem não erre (Ec 7.20). Todos, absolutamente todos, estão em condenação diante de Deus (Rm 3.19). Pela MISERICÓRDIA, Deus não lista nossos pecados (Sl 130.3). Graças ao Filho Jesus, no âmbito da “graça comum”, nesta era, nem os ímpios tem o que merecem. Pela misericórdia o Senhor não vive nos repreendendo e a sua ira não dura para sempre; Ele não nos trata conforme os nossos pecados (Sl 103.10). Ufa...

A Escritura diz que o “homem se vê bom e fiel, mas Deus os desafia a achar alguém que de fato seja assim (Pr 20.6). Isso nos mostra que Deus vê com uma lente diferente da nossa! O homem pode declarar a si como justo, mas Deus pesa o coração. A parábola do publicano e do fariseu contata por Cristo denuncia exatamente isso. O fariseu jejuava além do que a Lei ordenava, duas vezes por semana ele jejuava - dizia não ser avarento, desonesto, nem imoral como os demais. Sua justiça estava baseada na pecaminosidade do outro, e assim como o irmão do filho pródigo, o mesmo, pensava ter por direito aquilo que pela lei lhe era proposto. Sua oração foi feita em alta voz, em um lugar público, pois queria ser notado por todos (talvez em contextualização seja pela televisão com perguntas retóricas aos testemunhantes).

Meus irmãos, esses estão mais perdidos do que “cego em tiroteio”: “Há uma geração que é pura aos seus próprios olhos, mas que nunca foi lavada da sua imundícia” (Pr 30:12 AFC). O interessante na história do fariseu e do publicano era o que não tinha possibilidade de conhecer a Deus, de fato, demonstrou em atitude que O conhecia muito bem! Ele preferiu a distância para não ser notado, e simplesmente, batendo no peito dizia: “Ó Deus, tem pena de mim, pois sou pecador”. Que diferença daqueles que pensam ter algum direito legal sobre Deus.

Uma coisa peço a Deus – que eu possa viver debaixo da sua misericórdia todos os dias da minha - quero distância daquilo que de fato mereço – condenação! Minha súplica é que sua graça me alcance todos os dias da minha vida, pois em Cristo, pela fé somente, não por obras, tenho paz com Deus, e como o publicano, quero ser usado de parâmetro naquilo que traz a glória ao Senhor, pois quem me ensinou a viver assim, não foi o bispo nem o apóstolo da televisão, mas o justo, aquele que justifica o ímpio, meu Senhor e Salvador, Jesus Cristo, o Filho de Deus e Deus o Filho:


"Eu lhes digo que este homem [publicano], e não o outro [fariseu], foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado". (Lucas 18:14 NVI)

SOLI DEO GLORIA!
Fabio Campos