sexta-feira, 26 de abril de 2013

UM AMOR IRRESISTÍVEL



Por Fabio Campos

Texto base: “O SENHOR lhe apareceu no passado, dizendo: ‘Eu a amei com amor eterno; com amor leal a atrai’”. (Jr. 31.3 NVI).


Existe um termo na teologia calvinista, dentre os cinco pontos da TULIP, chamado “graça irresistível”! Este termo diz que os escolhidos de Deus, por mais que resistam por algum tempo, hora menos hora, compulsoriamente, irão para o Senhor. De fato, Deus trabalha com a eleição em adoção por meio de Cristo, e por mais que o termo “predestinação” não soa bem aos ouvidos de alguns, ele é bíblico.

É bom deixar claro que, quando dizemos predestinação, não estamos falando de um fatalismo robótico! A Soberania de Deus não anula a responsabilidade humana. Nisto que entra o amor irresistível de Deus. O Senhor não nos atraiu pela Sua Soberania nem por Sua Majestade. Pelo contrário, se fosse desta forma, quem poderia olhar na sua face? Seria como tentar olhar para o Sol a olho nu durante dez segundos. Ele nos atraiu em Cristo, reconciliando-nos na Pessoa do Filho, que se fez carne: Atraí-os com cordas humanas, com laços de amor(Os. 11:4a ACF).

O amor de Deus está acima das paixões carnais. É mais forte do que a morte, e ainda que muitas águas venham de encontro a essa chama, nunca poderão apagar este amor, que está em Cristo Jesus, o Senhor.  Este amor nos constrange e nos leva ao arrependimento! De uma forma misteriosa nos faz amar mais a Jesus do que a si mesmo (Mt 10.39). Quem nele mergulhou já não se importa com a sua reputação (1 Co 4.10), todas suas convicções distorcidas a respeito de Deus lecionadas anteriormente, passam a ser inúteis e fúteis, comparada a excelente deste amor (Fp 3. 7-10). Agora viver é Cristo e morrer é lucro! A alegria também vem nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, e nas angústias, por saber que quando estamos fracos, aí é que somos fortes (2 Co 12.10). O privilégio não é apenas de crer no Senhor, mas também sofrer por Ele (Fp. 1.29).

Um chamado a sofrer pela maioria das vezes; dar a outra face; andar no caminho estreito; amar mais A Ele do que a si, são coisas que nos leva a reflexão do porque “escolhemos“ segui-Lo. A resposta é: “Ele nos amou primeiro”! Alguém chamado por Deus, mesmo compulsoriamente, não tendo escolha, quando ele mergulha neste relacionamento, sua alegria e regozijo Naquele que o arregimentou são completos.

Muito se diz a respeito do livre-arbítrio! Nós O escolhemos, porque Ele nos escolheu primeiro! O amamos, porque Ele nos amou primeiro! Dentro da responsabilidade humana, no controle Soberano Divino, de uma forma misteriosa, Deus nos fez livres para Ama-lo ou rejeitar o seu amor! Porque digo isso? Porque não foi a realeza do seu poder que nos atraiu, mas o seu amor. E o Seu amor é grande demais para ser desprezado, onde de uma forma extraordinária, os escolhidos de Deus são atraídos para o Pai na pessoa do Filho.

Por mais que resistamos por algum tempo o chamado de Deus, hora menos hora, a chama deste amor, amontoará brasas vivas em cima de nossa cabeça, na qual nos entregaremos por completo e viveremos eternamente gratos pela forma que Ele nos atraiu e de como nos conduziu até este alvo. Todo aquele que foi amado por Deus pelo chamado eficaz, de forma alguma, rejeitou o seu amor; e não somente isso, mas também perseverou, por saber que aquele que o chamou é fiel e justo para cumprir a boa obra que começou e para guardar a fé até aquele dia em amor pelo Seu Nome.

SOLI DEO GLORIA!

Fabio Campos