domingo, 7 de abril de 2013

A PERFEIÇÃO ESTÁ NA SIMPLICIDADE



Por Fabio Campos

Texto base: Deus fez ao homem reto, porém eles buscaram muitas astúcias”. (Ec 7:29 NVI).

O Deus Criador dos céus e da terra, profundo em riqueza, grande em sabedoria, sendo insondável nos seus juízos, e tem os seus caminhos inescrutáveis, criou um ser em perfeição na simplicidade, Adão, o homem. O antônimo de simplicidade e ingenuidade é a “astúcia”. Astúcia tem por significado “truque”, “artimanha”, “esperteza” de “sagacidade”. Resumindo, características do homem caído.

O homem trocou simplicidade e inocência que leva a perfeição em Deus pela astúcia e imperfeição do Diabo. Até gênesis capitulo três, o homem era perfeito por ser simples e ter comunhão com Deus. Mas surge o Diabo, em forma corpórea de serpente, com o “jeitinho brasileiro” de se conseguir a coisas: “Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais selvagens que o Senhor Deus tinha feito. E ela perguntou à mulher: ‘Foi isto mesmo que Deus disse: ‘Não comam de nenhum fruto das árvores do jardim’?... Disse a serpente à mulher: ‘Certamente não morrerão’! Deus sabe que, no dia em que dele comerem, seus olhos se abrirão, e vocês serão como Deus, conhecedores do bem e do mal" (Gn 3:1; 4-5 NVI). Foi aqui que o homem caiu, e a parti de então, de forma empírica, olhando ao nosso redor, maldades e astúcia estão alojadas no coração dos homens, provando que de “imagem semelhança de Deus”, agora o homem, que sempre quer ser igual a Deus ou estar acima Dele, se tornou imagem e semelhança e, filhos do Diabo (Jo 8.44; 1 Jo 3.10). Satanás é o pai da mentira! O astuto, aquele que mente e se aparta da inocência são seus (Diabo) filhos. Os impostores vão de mal a pior – enganando e sendo enganados. A casa cai uma hora para os espertalhões, pois de Deus não se zomba, o que o homem semear, isto também colherá!

Deus sendo simples é infinitamente mais sábio do que os construtores da “Torre de Babel”. Ele apanha os sábios na sua própria astúcia; e o conselho dos perversos não prevalecerá por muito tempo. O homem caiu pela sua própria culpa, pelo desejo de “ser conhecedor do bem e do mal”, não de forma cognitiva, pois Deus já lhe tinha ensinado a diferença de bem e de mal, mas sim de forma ontológica, na independência para conseguir o poder e usa-lo de forma irresponsável ao seu bel prazer. É assim que os tiranos, traficantes e bandidos, se comportam; o relacionamento entre filhos, irmãos, pais e mães, foi abalado no desejo de ser independente. Eles se traem e se matam, são omissos em seus papeis, principalmente quando a submissão é exigida. Por isso que o ser-humano tem dificuldade de se submeter a alguém; a vaidade iniciada do Éden, no “ser igual a Deus”, fez com que todos os relacionamentos fossem abalados e distorcidos.

Deus em sua misericórdia não desistiu do homem. E assim como no princípio, pela SIMPLICIDADE, fez com que a humanidade tivesse comunhão com Ele novamente.  Em Cristo, no Nazareno, manso e humilde de coração, com poder não de persuasão ou sabedoria humana, mas em virtude Daquele que Cria, reconciliou o mundo consigo mesmo. O poder está na cruz, com aquele que foi levado ao matadouro e que não abriu sua boca.

O homem fomenta a tecnologia para virar escravo dela. Não era necessário, mas pela graça de Deus ela (tecnologia) tem sido desenvolvida. Não porque era necessário, mas porque o homem, astuto do jeito que é, criou coisas desnecessárias, que causaram o mal a ele mesmo, e acabou demandando novas criações para que a humanidade não fosse dizimada.

A luta continua! Às vezes vejo em algumas igrejas o “evangelho da serpente” e não o “Evangelho do Cordeiro”. Um monte de ensinamento em usos de costumes, e rituais, mas sem a simplicidade do que a Verdade tem em sua essência,  a perfeição de Cristo! Nisto fica o alerta: “Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo” (2 Co 11:3 NVI).

A perfeição está em Cristo por meio da simplicidade! A imperfeição e tragédia estão no Diabo por meio da complexidade! Sejamos simples em tudo, pois este é o mandamento bíblico na real proposta do Evangelho - a transformação de glória em glória a imagem e semelhança do Filho Jesus, Nosso Senhor, que foi simples, manso, e humilde de coração.

SOLI DEO GLORIA!

Fabio Campos