segunda-feira, 25 de março de 2013

UM INIMIGO QUE AINDA REINA



Por Fabio Campos

Texto base: O último inimigo a ser destruído é a morte”. (1 Co 15:26 NVI)

O foco de toda religião que acredita em um ‘criador’ é a ‘salvação’ e a vida pós-morte. Como pode algo como a morte, tão normal, que acontece todos os dias, e que não é uma possibilidade, mas uma certeza (se Cristo não voltar), ser tão assustador a todos nós? O mistério do além nos faz temer este sono profundo diante de nosso mundo material.

A resposta para isto é que a morte não é algo natural! O ser humano não foi feito para morrer, mas para viver eternamente. Por isso que este inimigo é o que mais nos assusta e o último a ser vencido! Deus fez o homem a sua imagem e semelhança para que, sendo Ele Eterno, nós também fossemos eternos de vida abundante: “Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade”. (Ec 3:11 NVI). Mas o homem se meteu em várias astúcias, e no Éden, com Adão e Eva, aquela historinha que muitos desacreditam, surgiu este inimigo que afetou tudo e todos, e todos os tempos: “E o Senhor Deus ordenou ao homem: "Coma livremente de qualquer árvore do jardim, mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comer, certamente você morrerá" (Gn 2:16-17 NVI). Daí por diante, por meio de um homem entrou a morte no mundo, e com ele o mundo todo caiu.

Como deve ser chato a vida para um ateu, né? Morreu, acabou! Sabe a pessoa que você mais ama? Aquele que mais você teme em perder? Mais alguns anos você ficará sem ela! Haverá um rompimento! É de apertar o coração, mas é uma realidade. A taxa de mortalidade ainda é uma por pessoa. Você já parou para pensar nisso? Em algum momento da sua vida você estará de frente com o criador! E a tristeza em ver algum familiar amado partir. Renato Russo nos deixou uma lição preciosíssima: “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã”. Quais são nossas prioridades?

Quando entendemos a morte, a ligeireza dos anos, e o quanto somos vulneráveis, alcançamos um coração sábio: “Ensina-nos a contar os nossos dias para que o nosso coração alcance sabedoria”. (Sl 90:12 NVI). Não vivemos mais de qualquer jeito. Priorizamos aquilo que deve ser priorizado! Como o Diabo tem nos roubado das coisas mais importantes, do que de fato é necessário. Não temos tempo para mais nada e para ninguém! Estamos enfadados e por isso nos isolamos! Mas a vida está passando e logo mais não haverá mais tempo de fazer o que é necessário. O Pr. Ariovaldo Ramos certa vez disse que “não é uma boa cama que faz a gente descansar; mas o que faz agente descansar, é o aconchego de quem nós amamos”.

Somos o que acreditamos! Você é alguém que vive de qualquer jeito? Mesmo dizendo não ser um ateu, Deus não existe para você: “... comamos e bebamos, porque amanhã morreremos" (1 Co 15:32 NVI). Agora, se você é alguém que acredita na ressurreição por meio de Jesus Cristo e que nela, a morte, será vencida de uma vez por todas, nisto deve-se o proceder: ”... todo aquele que nele tem esta esperança purifica-se a si mesmo, assim como ele é puro”. (1 Jo 3:3 NVI). Com Deus não tem meio termo! Você acreditando ou não, fato é que dará de frente com o criador. O seu estilo de vida denuncia no que você acredita!

A morte foi vencida por Jesus Cristo, pois Ele ressuscitou. Nossa vitória está na ressurreição! Muito ainda nos assusta e nos impressiona tal coisa, mas em Cristo, no consolo do Espírito, aqueles que foram salvos pela fé, e provam esta verdade purificando a si mesmo pela santificação, de fato podem dizer: “viver é Cristo e morrer é lucro”. Vivemos nesta esperança maravilhosa, a qual não somos “fruto do acaso”: “Se cremos que Jesus morreu e ressurgiu, cremos também que Deus trará, mediante Jesus e juntamente com ele, aqueles que nele dormiram”. (1 Ts 4:14 NVI)

Mas um dia, quando frente a frente com ela, a morte, cantaremos o hino da vitória com nosso Senhor:


“Quando, porém, o que é corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal, de imortalidade [ressurreição; grifo Fabio], então se cumprirá a palavra que está escrita: "A morte foi destruída pela vitória". ‘Onde está, ó morte, a sua vitória’? ‘Onde está, ó morte, o seu aguilhão’?”(1 Co 15:54-55 NVI).

“E assim estaremos com o Senhor para sempre. Consolem-se uns aos outros com estas palavras”. (1 Ts 4:17-18 NVI).



Pense nisso!

Aproveite enquanto há tempo!


SOLI DEO GLORIA!
Fabio Campos