quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

O ELO PERFEITO


Por Fabio Campos

Texto base:Acima de tudo, porém, revistam-se do amor, que é o elo perfeito”. (Cl 3:14 NVI)

         Há textos na Bíblia que nos condena! É o caso: “Sede perfeitos como perfeito é o Pai celeste” (Mt. 5:48)! Haja vista o contexto dito por Jesus o qual se refere ao “amor aos inimigos”. Assim como Deus manda chuva e nasce o sol para os justos e ímpios (graça comum), assim devemos amar nossos inimigos, para sermos chamados “filhos de Deus”. O amor ao inimigo não se refere a uma atitude pacata ao erro, mas sim na retaliação quando se obtém no direito pela infração de outrem e abre-se mão do mesmo!

         “O verso de colossenses indica ‘perfeição’ por meio de uma ‘maturidade completa’. Esta é a plena expressão da vida divina na comunidade, sem palavras amargas ou sentimentos rancorosos, e livre dos terríveis defeitos da imoralidade e desonestidade”. (Chave Linguística NT de Fritz Rienecker e Cleon Rogers). Esta é a perfeição exigida por Deus!

         O amor além de preservar o próximo, também nos preserva: “O ódio provoca dissensão, mas o amor cobre todos os pecados”. (Pr. 10: 12 NVI). Assistindo o filme “o menino do pijama listrado” que narra a história de uma amizade entre duas crianças em contextos diferentes, uma de família nazista, que teve que se mudar devido a demanda dada a seu pai, um oficial nazista (David Tewlis) que assume um cargo importante em um campo de concentração. O outro, filho de Judeu, cativo deste sistema alemão, preso junto a seus pais. Na medida em que iam se encontrando escondido para brincar, a amizade foi crescendo. O menino filho do nazista ficou sabendo que se mudara no dia seguinte, e foi ao encontro de seu amiguinho judeu para contar-lhe a notícia. O rapazinho semita procurava seu pai por algum tempo dentro do campo, e antes de partir, o alemãozinho compadecido de tal situação, vestiu a roupa de refugiado, passou para o outro lado da cerca para ajudar seu amiguinho. Infelizmente, aquele foi o dia marcado para o extermínio daqueles judeus, os quais foram jogados dentro de uma câmara de gás. O amor preserva não somente ao próximo, mas a você. A lei da cobra: “mata um hoje; em retaliação, amanhã matarei dois”! Só que do outro lado pode estar alguém que você ama, e o diabo não tem sentimento compassivo por ninguém: “Sobretudo, amem-se sinceramente uns aos outros, porque o amor perdoa muitíssimos pecados”. (1 Pe. 4:8 NVI)

        O amor ama o próximo como a si mesmo! Por mais que alguém não tenha amor por si, todos os dias tal pessoa se alimenta, se veste, corre atrás do seu sustento! Alguém que visa o outro como possibilidade “ama” até o ponto que convém! Isso não é amor, mas negócio! “você é meu líder até o dia que me contrariar”. Jesus não recrutou “súditos”, mas amigos! Se você vem a mim, digo na função de líder, apenas para ser liderado, peço por gentileza que procure um profissional no ramo da “Eclésia”. Desculpe-me, mas preciso de amigos, talvez mais chegados que irmãos, os quais me compreenderão quando falhar com eles ou caso haja alguma queda de minha parte para que possa me estender a mão.

        A falta de amor é a causa das ofensas! Se amarmos, não teremos prazer em magoar a pessoa amada. Quem assim procede não tropeça: “Aquele que ama seu irmão permanece na luz, e nele não há nenhum tropeço”. (1 Jo 2: 10 ARA). A Lei sendo Santa, Perfeita, e Boa, de fato é resumida em dois mandamentos: “Amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”. O amor nos torna conhecidos de Deus! Podemos dizer que conhecemos a Deus, mas será que Ele nos conhece? O conhecimento traz orgulho, mas o amor edifica. Quem pensa conhecer alguma coisa, ainda não conhece como deveria. Mas quem ama a Deus, este é conhecido por Deus”. (1 Co 8:1a-3 NVI). “Um palácio todos conhecem o rei, mas nem todos são conhecidos por ele. O segundo estágio indica intimidade pessoal e consequentemente conhecimento de primeira mão”.

        Jesus nos disse que seremos conhecidos como discípulos se amarmos uns aos outros (Jo. 13:35). Quer ser conhecido como um erudito? Estude! Quer ser conhecido pelos homens? Seja “poderoso”! Quer ser conhecido por Deus? Ame! O termômetro do quanto amamos a Deus está em quanto amamos nosso irmão: “Ele nos deu este mandamento: Quem ama a Deus, ame também seu irmão”. (1 Jo 4:21 NVI)

         O amor só pode existir no relacionamento de mínimo duas pessoas! Não há como amar sem o outro! Por isso não existe igreja sem congregação! Onde estiver dois ou mais reunidos em nome de Jesus, ali Ele se fará presente. Você que não congrega, por mais desculpas que tenha, a Palavra nos diz que o “amor tudo sofre, tudo suporta”. Creio que Deus, caso você não esteja infeliz em sua congregação por motivo doutrinário ou pecados da liderança por ordem moral, Ele te mostrará o lugar que você deva congregar! Mas é necessário estar entre irmãos! Como você diz que ama a Deus o qual não se vê, e não ama a seu irmão o qual reflete a imagem e semelhança de Deus?

         Muitas das nossas buscas mesmo que louváveis, não tem como fundamento o amor, e por isso do vazio no coração quando as mesmas são conquistadas! Às vezes amar é dolorido devido a fragilidade demandada para ser compreendido! Compadece por meio da miséria (sofre junto) para se entender a dor do outro. Ninguém gosta de lembrar-se dos que passam fome diante de um banquete! Logo ignora o aperto do coração! De fato amar é muito mais profundo do que este amar raso, medíocre o qual a sociedade promove. O amor é forte como a morte, paixão cruel como o sepulcro! A maior demonstração de amor que já ouve foi um sacrifício feito por um Pai com seu próprio Filho, para que todos os que Nele creem não morram, mas tenham a vida eterna! Já parou para pensar que aquela morte horrível, sangrenta, cruel, foi o ápice do amor demonstrado por Deus para com o mundo?

        É necessário amar mais! É necessário buscar mais e doar mais! De fato, sem dúvida nenhuma, nenhum ser humano pode bater no peito e dizer que tem a plenitude do dom de amar: “Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros” (Rm 13:8 NVI). Estamos em divida para com Deus e para com o próximo!
Abaixo um pequeno teste para saber o nível do seu amor:

       “Quem ama é paciente e bondoso. Quem ama não é ciumento, nem orgulhoso, nem vaidoso. Quem ama não é grosseiro, nem egoísta, não fica irritado, nem guarda mágoas. Quem ama não fica alegre quando alguém faz uma coisa errada, mas se alegra quando alguém faz o que é certo. Quem ama nunca desiste, porém suporta tudo com fé, esperança e paciência”.  (1 Co 13: 4-7 NTLH)

         Você pode ser um pregador genial! Fazer milagres! Mas se não tiver amor de não valerá! Pode defender a fé ao ponto de dar o corpo para ser queimado, mas não tendo amor, será como o som de um gongo ou como o barulho de um sino. Pode ter toda a ciência e conhecimento, ainda mesmo uma fé que transporte montanhas, se não houver amor, tenha por certo que tudo isso foi apenas uma demonstração do seu fracasso para com Deus, pois agora existem três coisas: a fé, a esperança e o amor. Porém a maior delas é o amor.

SOLI DEO GLORIA!

Fabio Campos
fabio.solafide@gmail.com