quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

CONHECER A DEUS E POR ELE SER CONHECIDO É O SUFICIENTE



Por Fabio Campos

Texto base: “mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em entender, e em me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço benevolência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor”.  (Jr. 9: 24 ARC)

          Muitas são as dúvidas que pairam sobre nosso coração! Do certo e errado, se estamos agradando ou não a Deus, qual a teologia correta, qual caminho a escolher, do que falar em momentos de importância.  De fato a abundância de informações ao nosso alcance nos faz temer se estamos corretos no que acreditamos!

          Várias são as batalhas travadas em nosso coração quando escutamos algo acerca do Divino por pessoas influentes, sejam elas da Eclésia ou não. Teorias! Linhas teológicas! O saber é necessário, mas certas coisas, em momentos de vulnerabilidade são nocivas à fé quando ela precisa ser exercitada. Algumas opiniões roubam a fé inocente requerida por Cristo, a de criança, e são prejudicais para nosso relacionamento com Deus. Charles Spurgeon disse que “o segredo de sua grande força estava em dizer o que Deus pôs no seu coração, não usando palavras persuasivas de sabedoria humana” (extraído do livre Spurgeon versus Hipercalvinismo, Ed, PES). Isto é conhecimento de Deus! Isto é relacionamento!

          Temos que entender, que nem todos que falam de Deus, ensinam as coisas de Deus, e pregam a Palavra de Deus, de fato conhecem a Deus (1 Co. 8: 1-3). Muitos estão fazendo milagres, expulsando demônios, pregando, tudo em nome de Jesus, mas Cristo não os conhece, e nunca os conheceu (Mt. 7: 15-23). As aparências enganam! Repare: tem gente que se diz cristão, são formados em teologia, mas Deus, em suas bocas, é um “ser estranho”.

          O conhecimento de Deus é algo revelado no espírito pelo Espírito! Antes de você tivesse qualquer contato com o texto Sagrado ou ministrações da Palavra, a obra regeneradora por meio do Espírito, começou a ser exercida em seu coração, no qual a sede em buscar-se a Deus, mesmo sem conhecê-lo intelectualmente, se tornou uma necessidade. Não adianta orar o “Pai-Nosso” e não ter o Espírito para testificar que de fato é filho de Deus! A teologia é de grande ajuda para sistematização de temas fundamentais revelada nas Escrituras e para não entrarmos em apostasia por meio de heresias. Mas conhecer teologia não é o mesmo que conhecer a Deus!

          Muita das vezes este conhecimento se dá em momentos de solidão! A necessidade deste relacionamento nos leva a uma intimidade na qual Jesus nos ensinou, quando orava ao seu Pai a sós nos montes, de madrugada. Jó pensava que conhecia a Deus, mas estava longe disso! Oseias nos diz: “Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor”. Nisto consiste toda sabedoria e plenitude da felicidade: conhecer a Deus e por Ele ser conhecido! A Palavra nos diz que “em Cristo estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento” (Cl. 2:3). É algo que temos que procurar por estar escondido! O que você tem procurado? O conhecimento meramente humana incha, mas o de Deus nos faz amar, e quem por ele é exercitado, por Deus é conhecido (1 Co. 8:1-3).
         O mundo pode te conhecer! Você é admirado pela sua retórica, conhecimento teológico, ousadia, mas e por Deus, na intimidade, como você é conhecido? Spurgeon disse no mesmo livro que mencionei anteriormente: “As Escrituras ensinam claramente que há uma definida conexão entre o que os homens são em sua vida privada e a sua utilidade pública. A parte da nossa vida que é menos vista pelos outros é a que tem influência determinante sobre o que somos e o que fazemos. Portanto, em todo líder verdadeiramente cristão, a parte de sua vida menos conhecida pelo mundo será sempre a mais importante”.

         Paulo tinha razões do ponto de vista humano em conhecimento teológico e escriturístico para se gloriar. Era circuncidado, pertencente ao povo de Israel, especificamente da tribo de Benjamim, verdadeiro Hebreu; quanto ao zelo pela lei, um fariseu irrepreensível, mas o que para ele era lucro, passou a considerar esterco (fezes), comparado com a suprema GRANDEZA do CONHECIMENTO de Cristo Jesus. Ele pregava não em sabedoria humana, mas no poder de Deus, para que a fé dos pequeninos fosse inocente.

         Um coração contrito não desprezará o Senhor Deus! Alguém que não conhece a Verdade pode estar a buscando de todo seu coração sem saber. O Pai procura por aqueles que o “adoram em Espírito e em verdade”. Busque ao Senhor! Estude a Bíblia com um coração devotado a Deus, em oração e consagração, e você o conhecerá e por Ele será conhecido. Isto não consiste em sabedoria humana, mas no poder de Deus, o qual é sabedoria para o simples, e loucura para os sábios. Uma fé inocente, baseada no conhecimento (experiência), ama a Deus acima de todas as coisas, e sabe que tem um Pai que cuida de seus filhos, chegando-se a Ele chamando de ABA, “Papai-querido”!

          Prossiga em conhecer a Deus independentemente da sua posição social, financeira e cognitiva. Busque-O em amor e humildade, e creia que O Senhor te honrará revelando-se a você!

SOLI DEO GLORIA!

Fabio Campos