sábado, 28 de julho de 2012

MASTURBAÇÃO! O testemunho de um jovem!




          Tenho 22 anos de idade e sei exatamente o que este jovem de 19 anos está passando [Ele se referiu a um jovem que fez uma consulta ao pastor Airton]. Não sou o dono da verdade, mas, durante muito tempo, lutei para ficar livre da masturbação. Com minhas próprias forças eu jamais conseguiria vencer, mas quando busquei o auxílio do Senhor, Ele estendeu Sua mão e me resgatou das cadeias desta prática. Anexo a este e-mail, envio um texto relatando minha experiência nesta área e minha opinião sobre o assunto, baseada na palavra de Deus. Posso adiantar-lhe o seguinte: É possível e é muito melhor viver sem a masturbação. 

O DILEMA DA JUVENTUDE CRISTà

          Muitas Igrejas evangélicas da atualidade têm se preocupado em instruir seus membros conforme a palavra de Deus, para que eles possam caminhar em santidade, crescendo constantemente na fé. Porém, há um tema que é raramente discutido nas congregações, mas que constitui em um dos maiores óbices para o crescimento espiritual de um cristão, sobretudo do jovem. Trata-se da masturbação; uma atividade que envolve fatores naturais e espirituais, intrínsecos e extrínsecos, que serão comentados neste artigo, à luz da Bíblia Sagrada e também de minha pequena experiência no assunto.

          A psiquiatria apresenta uma nomenclatura específica para a masturbação, denominada onanismo, que se conceitua como um distúrbio da sexualidade em que o indivíduo, motivado por sons ou imagens, reais ou virtuais, se excita sexualmente no intuito de alcançar o orgasmo o consequentemente o prazer sexual. Esta prática é considerada um distúrbio uma vez que ela se diverge do sexo natural, já que é executada por um único indivíduo que busca obter uma sensação que, naturalmente, deve ser alcançada quando dois indivíduos de sexos diferentes mantém uma relação sexual. Em contrapartida, a sexologia considera a masturbação uma prática que auxilia a pessoa a conhecer melhor seu órgão sexual (pontos de maior sensibilidade), o que facilitaria e ampliaria a obtenção de prazer durante a atividade sexual, além de prevenir a ejaculação precoce e a impotência coeundi (incapacidade de ereção).    

         É notável que a própria ciência seja indecisa quanto à nocividade ou benignidade da masturbação, e, por este motivo, não é possível afirmar se há ou não danificação do templo do Espírito Santo quando da prática deste ato. Contudo, este é apenas um aspecto secundário que envolve o tema, e considero de pequena importância quando comparado a outros fatores que veremos a seguir. 

        Existem evidências materiais datadas de 1500 a.C. em que os egípcios já faziam menção à masturbação, o que demonstra que é uma prática antiga, assim como o homossexualismo e a prostituição. Todavia, na Bíblia não há nenhuma referência direta e específica sobre o assunto, o que leva muitos cristãos e até mesmo pastores e líderes espirituais a acreditarem que tal prática é simplesmente uma forma de suprir uma necessidade fisiológica do ser humano, assim como comer, beber, urinar e defecar. Estaria em pleno acordo com este entendimento se a masturbação fosse apenas um ato físico, decorrente de uma necessidade insuportável do organismo, sendo impossível viver sem praticá-la. Porém, além de físico, o ato de masturbar também é psíquico; e, por mais que possa parecer difícil, é possível viver sem praticá-lo.  

         Mas e a palavra de Deus? Será que ela foi omissa em relação à tão importante assunto? É óbvio que não. Em Filipenses 4:8 há um ensinamento a respeito de nossos pensamentos, que diz o seguinte:

  “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo que é justo, tudo que é puro, tudo o que é amável tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento”.

        Não há como desvincularmos o pensamento do ato de masturbar, pois estão intimamente ligados, e sem aquele não há como este se concretizar. Seguindo esta linha de raciocínio, acredito ser inviável a prática da masturbação aliada a um pensamento respeitável, de boa fama, e principalmente PURO! Apenas com este versículo já fica evidente que a masturbação é uma atividade pecaminosa, mas vejamos o que o próprio Senhor Jesus disse:

 “Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo: Qualquer que olhar para uma mulher com intenção impura, no coração já adulterou com ela.”

        Neste versículo, fica claro que o que realmente importa não é o simples ato, mas a intenção do nosso coração, que é produzida em nossos pensamentos. 

         Pois bem, já demos o primeiro passo, que é o reconhecimento de que a prática da masturbação não está de acordo com a vontade de Deus. Este reconhecimento é de suma importância, pois para que haja mudança é necessário o arrependimento, e para nos arrependermos é indispensável o reconhecimento do erro. Tenho absoluta certeza de que todo cristão quer se ver livre desta prática, pois ela impede o crescimento espiritual e o faz sentir como derrotado, escravo de seus próprios impulsos sexuais. Não é esta a vida que Deus tem para você! Você é um filho do Altíssimo e por isso não é apenas um vencedor, você é mais do que vencedor em Cristo Jesus!

         Como viver livre deste mal? A resposta não é simples, não há uma fórmula mágica infalível e nem uma receita descrevendo os dez passos para o sucesso. Devo concordar que o jovem de hoje está inserido em um contexto cultural em que os valores Bíblicos são não apenas descumpridos como desprezados e ridicularizados pela sociedade, pela mídia e até mesmo pela ciência. Não é fácil viver em santidade em meio a tanta lascívia. Tudo é muito acessível. A sensualidade da mulher é exposta através de cartazes e outdoors espalhados pela cidade, ou em capas de revistas nas Bancas, além disso, as próprias mulheres são induzidas a se vestirem de forma sensual, sob pena de se encontrarem fora da moda. Ao acessar a internet, por mais que se queira evitar, os Banners pornográficos atormentam constantemente o internauta, que, depois de resistir alguns instantes, acaba cedendo no final. Quando liga a televisão, tanto os programas quanto os comerciais fazem questão de exibir a sensualidade da mulher e incitar a prática do sexo pelo simples prazer, como se este fosse o segredo da felicidade. Desta forma, todas essas informações transmitidas através de sons e imagens são armazenadas na mente da pessoa, e produz tanto no homem quanto na mulher uma vontade intensa, um desejo incontrolável pelo sexo. Assim, o jovem cristão se encontra encurralado e pressionado pelos seus próprios impulsos sexuais, estes fortalecidos pelos valores mundanos e alimentados pelos atrativos carnais. Na masturbação busca a solução para seu problema, já que, em sua mente confusa, acredita que este pecado é menos grave que o sexo fora do casamento, além de ser mais difícil de ser descoberto. Este é o grande dilema, mas não é novidade para ninguém. Faz parte do dia-a-dia de quase todos os jovens e adolescentes que integram as Igrejas Evangélicas de hoje. Mas não deixe as circunstâncias te desanimarem. Há uma solução, há uma resposta, há uma saída. Escrevi este artigo, pois sou prova viva de que viver livre deste pecado é possível, apesar de consideravelmente difícil.  

         Neste momento, gostaria de preparar o leitor para os próximos parágrafos, pois, à luz da Palavra de Deus apresentarei uma forma de viver livre da masturbação. Em sua teoria, a saída para este problema é de uma simplicidade absurda, porém sua prática é extremamente difícil, constituindo-se em uma luta constante contra as concupiscências da carne, marcada pela abnegação ininterrupta do maior dos prazeres naturais, mas que se encerram instantes depois do tão sonhado casamento.  Amém!

        Quando Jesus estava no Getsêmani, Ele advertiu seus discípulos dizendo o seguinte:

“Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca.”

        Quando Jesus proferiu estas palavras, exortava seus discípulos, pois estes se encontravam dormindo ao invés de estarem vigiando enquanto Ele orava, conforme ordem previamente determinada. Esta pequena lição nos ensina dois princípios do Cristianismo: Vigilância e Oração. 

           Quando vigiamos nos cercamos dos ataques externos do inimigo, pois o Diabo está ao nosso derredor procurando alguém para devorar. Até mesmo Jesus foi tentado por Satanás.

 “Sede sóbrios e vigilantes. O Diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar.” (I Pe 5:8). 

         Certa vez um amigo, que na época estava desviado do evangelho, me procurou desesperado e perguntou se havia alguma forma de ajudá-lo a deixar de se envolver com mulheres mundanas, pois constantemente mantinha relações sexuais com elas e, após as relações, se sentia o homem mais infeliz do mundo. Então, enquanto conversava com ele, perguntei-lhe o que fazia nas noites de fim de semana. Quando me disse os locais que frequentava, no mesmo instante o interrompi e lhe disse: “Aí está o problema! Como você quer frequentar estes locais e não se envolver com este tipo de mulheres?” Este amigo constantemente frequentava bares e casas noturnas de nível relativamente baixo e, como ele possuía uma condição social média, era fácil seduzir as mulheres. Além disso, a própria característica dos locais já era propícia para o pecado. Aconselhei-o a não mais visitar aqueles estabelecimentos, já que a palavra de Deus é bem clara quando diz que devemos fugir das paixões da mocidade, e não resistir, enfrentar ou lutar contra elas. Em II Tm 2:22 a palavra nos orienta assim:

“Foge, outrossim, das paixões da mocidade. Segue a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor”. 

         Disse ao meu amigo que se ele não parasse de frequentar aqueles locais ele jamais conseguiria mudar de vida. Este seria o primeiro passo que ele deveria dar. Convidei-o a visitar minha Igreja nas noites de sábado, mas como ele havia sido ensinado em outra doutrina, preferiu frequentar uma igreja de sua denominação. Oramos juntos e acompanhei-o por algum tempo, mas infelizmente ele não quis perseverar na fé e em poucos meses retomou seus antigos hábitos.    

        Em tudo isto, o que tenho a dizer é que não adianta ter apenas a vontade de ser livre da masturbação, mas é preciso tomar atitudes práticas em seu dia-a-dia.

       Um fator muito presente na vida dos jovens é a internet. É evidente que ela constitui um instrumento indispensável na atualidade, contudo é necessário ter sabedoria e prudência para navegar. Há algum tempo, pude presenciar uma situação que muito me surpreendeu. Um jovem tinha o hábito de acessar sites que exibem fotos de mulheres em poses sensuais. Para ele nada estava errado, pois em sua mente, ele só entendia como pecado o acesso aos sites pornográficos, e como as mulheres exibidas nos sites que ele visitava não estavam nuas e nem havia fotos ou vídeos de sexo, ele não conseguia perceber a nocividade de seu ato. Contudo, este entendimento está completamente equivocado! Quando era escravo da masturbação tinha o hábito de acessar tanto sites de cunho pornográfico quanto sites que exibem fotos sensuais apenas, e, por muitas vezes, fiquei mais excitado com as fotos sensuais do que com as imagens pornográficas. Às vezes, uma imagem de uma mulher seminua excita mais do que a imagem de uma mulher totalmente nua, pois a primeira incita a imaginação do homem, aumentando seu desejo por possuí-la sexualmente, no intuito de descobrir o que está coberto.

        Por isso, CUIDADO! Existe jovens que trabalham o dia inteiro em frente a um computador com acesso irrestrito a internet, e, tenho percebido que muitos deles não tem tido sabedoria em seus acessos. Alguns podem pensar: “Jamais irei me masturbar em meu serviço, isto seria impossível.” Porém, as imagens que são visualizadas ficam gravadas em sua mente, e mais tarde, consciente ou inconscientemente, elas irão provocar uma excitação que poderá resultar na prática da masturbação.

        De forma semelhante ocorre quando o jovem cristão liga a TV de seu quarto e se rende a programas incompatíveis com a condição de filho de Deus. Por isso, vigie, esteja atento, selecione o que você vai ver, e, se achar que de alguma forma o filme/programa poderá acender a chama de seus impulsos sexuais, mude de canal ou desligue a TV. 

        Poderia citar várias outras situações em que o cristão deve estar vigilante para não pecar, mas, o que realmente deve ser enfatizado é que o ato de vigiar implica em mudança de comportamento, e principalmente em renúncia. Não enfrente as paixões da mocidade, mas foge delas, evite o contato. Se você não está disposto a encarar esta situação, terá que se acostumar com os grilhões da masturbação.

        Quando oramos nos aproximamos de Deus e nossa fé é fortalecida. Mas como devemos orar? A resposta para esta pergunta está, mais uma vez, em nosso Manual de Instruções – A Bíblia Sagrada. Em Tg 1:13-14 lemos o seguinte:

“Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e ele mesmo a ninguém tenta. Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz.”

         Existem duas maneiras de sermos tentados. Uma delas é a tentação provocada por Satanás, e outra é a tentação provocada por nosso próprio desejo, ou cobiça. Se não fossemos tentados, não pecaríamos. Muitos cristãos oram ao Senhor simplesmente pedindo forças para suportar as tentações, mas o próprio Jesus nos ensinou a orar dizendo:

“...e não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal...” Mt 6:13

        A Observe que na primeira parte do versículo Jesus nos ensina a pedir forças para resistirmos às tentações, pois Ele sabia que seriamos tentados de alguma forma. Contudo, Ele encerra a frase clamando por libertação do mal, que é uma estratégia ainda mais eficiente que a primeira. Assim, em nossas orações, podemos clamar ao Senhor e pedir para que Ele nos afaste das tentações de cunho sexual. Deus pode te livrar das tentações, basta que você peça isso a ele. A maneira mais eficiente de vencer o pecado é não lutar contra ele. É melhor evitar a tentação do que derrotá-la, pois se a enfrentamos temos a chance de cair. Muitos cristãos pecam muito porque sofrem muitas tentações. Por esta razão, concentre mais suas orações no sentido de clamar pela libertação do mal; e menos em pedir simplesmente força para vencer as tentações. É evidente que esta oração deve ser acompanhada de uma rotina de vigilância constante. De que adiantaria pedir a Deus o livramento de tentações na área sexual e logo após acessar a internet em um site com fotos de mulheres sensuais? Ou, clamar ao Senhor para que lhe dê forças para não se masturbar quando for tentado a fazê-lo, e, depois assistir a um filme pornográfico? Haja força para suportar uma tentação dessas! 
       Na verdade, a vigilância não é mais importante que a oração e nem esta é mais importante que aquela; ambas se complementam.

          A oração é um diálogo. Nós falamos com Deus e Ele fala conosco. Por isso, ler a Bíblia também é orar, pois uma das formas que Deus usa para falar conosco é através de Sua palavra. Adquira o hábito de ler a Bíblia e verá o quanto Ele nos fala. Deus é um Pai bondoso e amoroso, não tenha vergonha de falar com Ele das dificuldades que você tem. Ore de forma específica, com fé, crendo que Ele é poderoso e pode te libertar desse mal. Seja sincero em suas orações, não esconda suas fraquezas e confesse ao Senhor que você precisa d’Ele para vencer.   

         Tenho certeza que nada do que escrevi é novidade para muitos jovens, principalmente aqueles que nasceram em lares evangélicos, todavia, como outrora disse, o mais difícil é praticar o que está escrito. 

Devo alertá-lo de que a libertação da masturbação é um processo que pode ser bastante longo e repleto de recomeços, dependendo da fé e da disciplina de cada pessoa. Além disso, o grau de envolvimento com a masturbação pode variar de um indivíduo para outro. Alguns se masturbam várias vezes por dia, outros o faz algumas vezes na semana, e outros apenas esporadicamente. 

         Quando decidi que realmente queria me libertar deste pecado, estava em uma fase em que me masturbava quase todos os dias, e em alguns deles o fazia mais de uma vez. Considerava-me um viciado e por isso busquei a solução desesperadamente. A influência deste pecado em minha vida espiritual era tão grande que mal conseguia orar e ler a Bíblia.

         Comecei minha jornada estabelecendo alvos. Orava a Deus pedindo para que Ele me desse força para não pecar durante três dias, e então neste período eu mantinha uma vigilância constante, além de orar diariamente durante alguns minutos. Nesta época, ainda não tinha conhecimento de que poderia pedir ao Senhor para livrar-me das tentações ao invés de apenas pedir força para vencê-las. Se tivesse clamado mais pelo livramento, como faço hoje, creio que o processo teria sido menos complicado. 

         Paulatinamente fui ampliando o prazo dos alvos: 5 dias, 10 dias, 15 dias, um mês, dois meses, e até seis meses. Muitas foram as vezes que não consegui cumprir o alvo que estabelecia, e isto sempre acontecia quando deixava de vigiar ou de orar. Mas, mesmo assim, perseverava no propósito e então reiniciava todo o processo.

         Eis um conselho que considero importante: Não estabeleça alvos que você não acredita que irá cumprir. A melhor forma de subir uma escada é saltando um degrau de cada vez, e começando do primeiro. Se você se masturba várias vezes ao dia, não estabeleça um alvo de 30 dias de abstinência, pois certamente você não irá cumprir. Ou, se você não tem o hábito de orar, não almeje alcançar instantaneamente um período diário de 30 minutos de oração, pois provavelmente ficará frustrado na primeira semana.

          Já de antemão devo esclarecer que o começo é bem difícil. O inimigo irá tentar te desanimar, principalmente nos momentos que você falhar. No militarismo existe um jargão que diz o seguinte: “Não importa quem vence ou perde as batalhas, mas sim quem vence a Guerra.” Isto significa que mesmo se você cair várias e várias vezes durante o processo, nenhuma dessas quedas terá importância se você sair vencedor no final. O que realmente importa não é como você começa, e sim como você termina. Sempre que se sentir cansado e desanimado, traga à memória as suas vitórias e conquistas, lembre-se do que disse o profeta Jeremias nos dias de aflição de seu povo:

“Quero trazer à memória o que me pode dar esperança” (Lm 3:21).

           Deus é bom, e suas misericórdias não têm fim, renovam-se a cada manhã. Se tropeçar e cair, poderá recomeçar, e Deus estará segurando sua mão e te levantando para que prossiga em sua caminhada.  

          Ainda, considero importante salientar que quando você pecar, deve sempre confessar seu pecado e pedir o perdão Divino, pois a Bíblia assim diz:

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. “( I Jo 1:9).

          Enfim, esta foi a estratégia que Deus colocou em meu coração, porém não significa que é a única forma de se livrar da masturbação. Se você tem o desejo de viver livre deste pecado, ore ao Senhor e peça a ele sabedoria para lidar com seus impulsos sexuais. Não ore pedindo a Deus a eliminação desses impulsos, pois Ele certamente não atenderá este pedido; peça para que Ele o ajude a controlá-los. Um dia você precisará deles! (Oh! Happy day!...)

          Para a glória de Deus, hoje posso dizer que estou livre da masturbação, e já há algum tempo isto têm sido uma realidade em minha vida. Mas isto não me exime da responsabilidade de vigiar e orar constantemente. Ainda oro todos os dias e procuro estar vigilante a todo o tempo. Quero cumprir o último alvo que estabeleci nesta área, que foi o de não mais me masturbar até o meu casamento, pois creio que depois dele não mais precisarei utilizar este “recurso manual”.

         Entendo que o pecado da masturbação pode até mesmo interferir na vida afetiva do cristão. Pois, se o jovem não consegue controlar seus próprios impulsos sexuais, como ele estará pronto para receber de Deus a sua prometida e iniciar um relacionamento pautado em santidade? Com isto, de maneira alguma quero dizer que todos os jovens cristãos solteiros estão aprisionados na masturbação. NÃO! Mas o que afirmo é que a masturbação pode ser um obstáculo para que Deus possa operar na vida sentimental de seus filhos, pois nosso Senhor é pleno em sabedoria e onisciência, e Ele sabe exatamente o momento certo de agir. 

         Nossa vida é uma escolha. Podemos seguir nossos próprios caminhos ou experimentar a boa, perfeita e agradável vontade do Pai. Podemos escolher a vida ou a morte; a benção ou a maldição; a santidade ou o pecado. Deus te ama, e como pai Ele quer que você viva livre da masturbação. Busque-o de todo o coração e você certamente o encontrará. 

“Buscar-me-eis, e me achareis, quando buscardes de todo o vosso coração” Jr 29: 13

“Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais ele fará”( Sl 37:5). 

A ESCOLHA É SUA!
Daniel Felipe Soares

Comentário Fabio Campos: Deus não desistiu de você!



quinta-feira, 26 de julho de 2012

O PODER MALIGNO DE UMA LÍNGUA COMPRIDA


Por Fabio Campos

Texto base: “Assim também, a língua é um fogo; é um mundo de iniquidade. Colocada entre os membros do nosso corpo, contamina a pessoa por inteiro, incendeia todo o curso de sua vida, sendo ela mesma incendiada pelo inferno”. (Tg 3:6 NVI).

         Como pode um pedacinho de carne quando mal usado trazer tantos malefícios? A Palavra de Deus trata deste assunto com uma importância tal que, na qualificação do homem perfeito, o descrimina como alguém que sabe domar sua língua. Conseguindo o autocontrole sobre ela, os outros membros são de um exercício menor para se alcançar este feito (V.1).

         Quantas pessoas feridas por causa de comentários maldosos! Casamentos falidos devido às fofocas, conselhos perniciosos! O homem que trata sua esposa com hostilidade, esposas que tratam seus maridos com amargura por meio do falar. Filhos com traumas e baixa autoestima devido aos comentários tolos dos pais. O fim disso tudo é destruição!

         Tiago nos diz que a natureza e os animais selvagens são amansados pelo homem, mas a língua não pode ser domada por ele (V.7-8). Ao contrário, ela pode colocar fogo em um bosque inteiro, ao ponto de tal pessoa ser contaminada pela iniquidade, e ela mesma ser incendiada pelo inferno (V.6). 

         Muitos de nós nos esquecemos de que daremos conta de palavras que foram proferidas (Mt. 12:36). Temos que tomar cuidado com nossa língua, pois somos “prisioneiros” de cada palavra lançada (Pr. 6:2). Pelas nossas palavras seremos justificados ou condenados (Mt. 12:37)!

         Tem gente tão maldosa que torce pelo fracasso do outro para poder se gloriar! Pessoas medíocres que estão esperando a queda de outrem para soltar o veneno mortal por meio da língua. Ele se vangloria! Isto simplesmente vem do FUNDO DO INFERNO.

        Você que tem esta língua maligna, cínica, se não se concertar com Deus e com o seu próximo, seu fim será destruição (Pr. 18:7). O homem bom tira boas coisas do seu tesouro, e este com um coração cheio de Deus não consegue falar outras coisas a não ser o que edifica.

        Aquele que quer viver em segurança retém sua língua do mal (1 Pe. 3:10), protege sua alma contra as artimanhas de satanás (Pr. 13:3).

        Bem aventurados os pacificadores, mesmo que ao mundo sejam taxados de “bestas”, para Deus são Filhos, e estes conhecidos como “filhos de Deus”. Aquele que fomenta porfia é filho do Diabo, pois o Senhor abomina a língua mentirosa e os que semeiam contenda entre os irmãos.

         Que Deus nos livre deste horrendo pecado, e nos dê a graça de escutarmos mais, e falar menos. Discrição na Bíblia não se trata de timidez, mas de VIRTUDE (Tg. 1:19). Que as palavras ao saírem de nossas bocas sejam carregadas de bênçãos. Mesmo que algumas vezes tenha a necessidade de que sejam mais “duras”, mas quando cheios do Espírito, edificamos, nunca destruímos.

        Quer uma dica? Encha seu coração de Deus, pois a boca fala do que está cheio o coração. Você fala do que esta alimentado!

         Quais têm sido suas palavras nestes últimos dias? É disto que você está cheio!

“A língua dos sábios torna atraente o conhecimento, mas a boca dos tolos derrama insensatez”. (Pr. 15:2 NVI)

Deus abençõe!
Fabio Campos
Soli Deo Gloria!




terça-feira, 17 de julho de 2012

ORGULHO ESPIRITUAL; por Jonathan Edwards



Por Jonathan Edwards

          A primeira e a pior causa do erro que prevalece em nossos dias é o orgulho espiritual. Ele é a porta principal através da qual o diabo influi no coração daqueles que são zelosos pelo avanço do reino de Cristo. O orgulho espiritual é a maior porta de acesso da fumaça que sobe do abismo para obscurecer a mente e perverter a capacidade de julgar, bem como é o principal instrumento com o qual Satanás assalta os crentes, a fim de obstruir a obra de Deus. Até que essa enfermidade seja curada, os remédios para curar todas as outras enfermidades são aplicados em vão.

         O orgulho é muito mais difícil de ser discernido do que qualquer outra corrupção, porque, por natureza, o orgulho equivale a uma pessoa alimentar pensamentos elevados a respeito de si mesma. Existe alguma surpresa no fato de que uma pessoa que possui pensamentos muito elevados a respeito de si mesma seja inconsciente do orgulho? Ela acha que sua opinião a respeito de si mesma tem fundamentos corretos e, por conseguinte, supõe que essa opinião não é muito elevada. Como resultado, não existe outro assunto em que o coração humano se mostra mais enganoso e impenetrável. A própria natureza do orgulho consiste em desenvolver autoconfiança e rejeitar qualquer suspeita de que, em si mesmo, o coração é mau.

          O orgulho assume muitas formas e moldes, envolvendo todo o coração, como as cascas da cebola — quando você remove uma casca da cebola, existe outra por baixo. Portanto, precisamos ter a mais intensa vigilância possível sobre nosso coração, no que se refere a este assunto, e, com profundo ardor, clamar por ajuda ao grande Perscrutador dos corações. Aquele que confia em seu próprio coração é um tolo.

         Visto que o orgulho espiritual, por sua própria natureza, é secreto, ele não pode ser bem discernido pela intuição imediata. O orgulho espiritual é melhor identificado por seus frutos e efeitos, alguns dos quais mencionarei em paralelo aos frutos contrários da humildade cristã.

         A pessoa espiritualmente orgulhosa se considera cheia de entendimento e sente que não precisa de qualquer instrução; por isso, ela se mostra pronta a rejeitar o ensino que outros lhe oferecem. Por outro lado, o crente humilde é semelhante a uma criança que facilmente recebe instrução; é cauteloso em sua avaliação de si mesmo e sensível a respeito de como está sujeito a tropeçar. Se lhe for sugerido que ele realmente está sujeito a tropeçar, com muita prontidão o crente humilde estará disposto a inquirir sobre o assunto.

         Pessoas orgulhosas tendem a falar sobre os pecados dos outros, ou seja, sobre a miserável ilusão dos hipócritas, sobre a indiferença de alguns crentes que sentem amargura ou sobre a oposição que muitos crentes demonstram para com a santidade. A verdadeira humildade cristã fica em silêncio no que se refere aos pecados dos outros ou fala sobre eles com tristeza e piedade.

         A pessoa espiritualmente orgulhosa encontra nos outros crentes o erro de falta de progresso na vida cristã, enquanto o crente humilde vê muitos erros em seu próprio coração e se preocupa, a fim de que ele mesmo não se veja inclinado a ocupar-se demais com o coração dos outros. Ele lamenta muito por si mesmo e por sua frieza espiritual, esperando prontamente que muitas outras pessoas tenham mais amor e gratidão a Deus, mais do que ele mesmo.

         A pessoa espiritualmente orgulhosa fala sobre quase tudo que percebe nos outros, fazendo-o com grosseria e com uma linguagem bastante severa. Em geral, a crítica de tais pessoas se dirige não apenas contra a impiedade dos incrédulos, mas também contra os verdadeiros filhos de Deus e contra aqueles que são seus superiores. Os crentes humildes, por sua vez, mesmo quando fazem extraordinárias descobertas da glória de Deus, sentem-se esmagados por sua própria vileza e pecaminosidade. As exortações deles para os outros crentes são ministradas de maneira amável e humilde; e tratam os outros com tanta humildade e gentileza quanto o Senhor Jesus, que é infinitamente superior a eles, os trata.

         O orgulho espiritual com freqüência dispõe a pessoa a agir de maneira diferente em sua aparência exterior e a assumir uma linguagem, semblante e comportamento diferentes. No entanto, o crente humilde, embora se mostre firme em seus deveres e prossiga sozinho no caminho do céu, mesmo que todo o mundo o abandone, ele não se deleita em ser diferente apenas por amor à diferença. O crente humilde não estabelece como objetivo primordial o ser visto e observado como alguém diferente; pelo contrário, ele está disposto a tornar-se tudo para todos os homens, sujeitar-se aos outros, conformar-se a eles e agradá-los em tudo, exceto no pecado.

          As pessoas orgulhosas levam em conta as oposições e injúrias, estando dispostas a falar sobre elas em tom de amargura e murmuração. A humildade cristã, por outro lado, dispõe a pessoa a ser mais semelhante ao seu bendito Senhor, que, ao ser maltratado, não abriu a sua boca, mas entregou-se silenciosamente Àquele que julga retamente. Para o crente humilde, quanto mais clamoroso e irado o mundo se mostra com ele, tanto mais quieto e tranqüilo ele permanecerá.

         Outro padrão das pessoas espiritualmente orgulhosas é comportarem-se de maneira que levem os outros a fazerem delas seu alvo. É natural para uma pessoa que está sob a influência do orgulho aceitar toda a reverência que lhe tributam. Se os outros mostram disposição para submeterem-se a ela e sujeitarem-se em deferência a ela, a pessoa espiritualmente orgulhosa está aberta para esta sujeição, aceitando-a espontaneamente. Na verdade, aqueles que são espiritualmente orgulhosos esperam esse tipo de tratamento, formando uma opinião pervertida sobre aqueles que não lhe oferecem aquilo que eles sentem que merecem.

Comentário Fabio Campos: A igreja brasileira (pentecostais, reformados e batistas) precisa colocar está reflexão em prática. Alguns crentes “esotéricos” se gabam de suas ditas “revelações”; os “sábios” aos seus próprios olhos se gabam de seus “manuseios teológicos”. O que importa mesmo é sermos parecidos com Jesus, pois somente os pertencentes à Igreja, o corpo místico de Cristo, chegará aos portões eternos, e Jonathan Edwards nos deu a dica para sermos mais parecidos o mestre.

Deus abençoe!

Fabio Campos
Soli Deo Gloria!



20 versículos que provam que a teologia da prosperidade está CERTA!


Por André Sanches

Todos sabem que existem vários versículos que provam veementemente que a teologia da prosperidade está correta. Fiz uma pequena coletânea entre os milhares versos que existem e trouxe a vocês os 20 mais importantes.

1- “Deus quer te abençoar, mas se você não ofertar, Ele não terá poder de fazer isso por você” (II Heresias 3. 16)

2 – “Você pode desonrar seu pai e sua mãe e até deixá-los passar necessidades, mas nunca seu apóstolo” (I Apostolicensses 1.1)

3 – “A oferta é a alavanca que move a mão de Deus a seu favor” (1 Cretinices 4. 3)

4 – “A fé sem ofertas é morta” ( 1 Dólar 1. 8)

5 – “E Jesus entrou em Jerusalém montando seu jumentinho de dez mil talentos” (Juao 15. 23)

6 – “Disse o apóstolo, cheio do espírito, a todos que o ouviam: Minha conta corrente é 1.000/07” (II Conta Corrente 1. 71)

7 – “Assim que a oferta entrar na conta corrente deus dirá ao anjo Money: Destranque as janelas do céu e prenda o devorador na casinha” ( II Malaquias 3.15)

8 – “É com a semente que sai da sua carteira que a obra de deus é realizada na terra” ( I Heresias 2. 8)

9 – “Participe das campanhas de vitória financeira e Deus tirará dos ricos e dará a você” (1 Robin Hood 2. 3)

10 – “E alguns paulistanos foram mais nobres que os de Boraceia, pois semearam nesse ministério em dólar.” ( 1 Tio Patinhas 1. 7)
11 – “deus quer te dar a melhor roupa, o melhor carro, a melhor casa… só não te deu ainda porque você não tem determinado isso a ele com fé” (Absurdicensses 1. 25)

12 – “Assim ordenou também o senhor que os que pregam o evangelho que fiquem ricos com o evangelho” ( I Falácia 1. 1)

13 – “Primiciar é mover a mão de Deus a seu favor e a favor dos donos da igreja” ( I Primicias 1. 1)

14 -“Confia no senhor, dê sua oferta, faça sacrifícios financeiros e os seus desígnios serão estabelecidos” (Absurdicensses 8. 32)

15 – “E Gesuis encontrou no templo os que vendiam bois, ovelhas e pombas e também os cambistas assentados; parabenizou-os pelas boas vendas que faziam, porém, expulsou os que ali oravam e quebrantavam seus corações, mas não ofertavam e nem compravam nada, bem como todo pobre que ali estava, e disse-lhes: A casa me meu pai é casa de negócio e não um covil de doentes e pobres!” (Indireticensses 2. 8)

16 – “É mais fácil passar um camelo pelo buraco de uma agulha do que entrar alguém que não oferta, que não primicia, que não faz sacrifícios financeiros, nas igrejas da teologia da prosperidade” ( Sofismas 3. 12)

17 – “Porque o amor do dinheiro é a raiz de todas as bênçãos” ( 1 Mamon 1. 1)

18 – “Sacrifícios agradáveis a deus são os dízimos e as ofertas; coração que determina e exige, não os desprezarás, ó deus” (Salmos de Mamon 119. 3)

19 – “O maior mandamento é: Amarás a Mamon, teu deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. O segundo, semelhante a este, é: Honre e oferte aos seus líderes como a ti mesmo” ( 2 Leis de Mamon 2. 15)

20 – “Pelas suas ofertas o conhecereis. Pode, acaso, de um coração cheio de fé e do espírito, sair uma oferta pequena? (Apolion 15. 12)

E agora, sob o ponto de vista desse versículos, concorda que a teologia da prosperidade está certa?


Fonte: [ Esboçando ideias ]


sábado, 14 de julho de 2012

A HISTÓRIA E O UNIVERSO CENTRADOS EM UMA PESSOA


Por Fabio Campos

Texto base: Jo 1.

         Jesus é o intermediário de todas as coisas criadas! A vida está Nele, sempre foi desta forma, pois a criação foi feita por intermédio da Palavra. Sem Ele nada do que existe teria vindo a existir.

          O perdão sempre existiu! Desde a eternidade passada já havia um sacrifício, este de um cordeiro que tira o pecado do mundo. O cordeiro foi morto antes da fundação do mundo! A misericórdia entrou em ação na criação! Desde antiguidade antes que houvesse qualquer coisa, a não ser a Trindade, Deus sabia que o homem iria cair, e a criação foi um ato de amor e benignidade. A consumação foi na tipificação daquele animal morto para a vestimenta de Adão e Eva logo após o pecado, de algo perfeito em sua materialização. Na cruz tudo se materializou! Os propósitos já decretados anteriormente foram consumados! Deus não desistiu da humanidade! Investiu com um alto preço! Sangue puro e inocente de seu próprio Filho!

          A morte trouxe vida! As trevas nunca irão prevalecer contra a Luz. A Luz ilumina todos os homens, mas o mundo não a reconheceu porque suas obras são más. A cada passo que as trevas dão em direção a Luz, as trevas são expostas, e como o homem amou mais as trevas do que a Luz, eles rejeitaram esta Luz bendita para morrerem em sua mediocridade e miserável vida de perdição que são as trevas.

          A Luz alcança e ilumina os nascidos de Deus, não por vontade humana, mas da agua e do Espírito. Deus é Espírito! O homem quando chamado à comunhão junto a Trindade ele passa a ser participante desta natureza, a divina, por meio do Espírito Santo. Se arrependendo e recebendo perdão, justificação e a esperança da glorificação.

          O servo não sabe o que faz o seu Senhor, por isso o Reino é dado aos Filhos, e os Filhos autentificam esta adoção quando se tornam servos de Deus e de todos. Eles veem a glória do Pai, e todos aqueles que o aceitaram deu-lhes o direito de se tornarem filhos, e o nosso espírito testifica com o de Deus que somos filhos, podendo o chamar de “Aba”, Paizinho querido. Não há mais medo!  A glória vista e tocada, esta era Jesus, o Nazareno! Este (Jesus) é cheio de graça e verdade! Nele temos a plenitude de fartura para nossa alma.

         A Lei (Santa e Perfeita) foi dada por intermédio de Moises! O Criador (Deus) em sua perfeição absoluta deu a Lei para que o homem tivesse uma pequena percepção de sua Santidade. Mas foi em Cristo, e somente Nele, que a ira Divina foi satisfeita pelo o cumprimento da Lei, no sacrífico, e na Ressurreição para a justificação de todo aquele que tem fé em Jesus como Senhor e Salvador.

         Aqueles que amaram mais a Luz do que as trevas deixaram de lado suas obras mortas (a vanglória no pecado) e passaram das trevas para uma maravilhosa Luz. Desfrutam de uma paz que excede todo o entendimento, foram reconciliados com Seu Criador, e por intermédio de Cristo herdaram o Reino! Tudo porque Deus em Cristo estava reconciliando o mundo consigo mesmo não imputando os pecados dos homens.

Deus abençoe!

Fabio Campos
sola christus