domingo, 22 de janeiro de 2012

A REPUGNÂNCIA DA VANGLÓRIA MINISTERIAL

Por Fabio Campos

“Ninguém pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um” (Rm 12:3 ARA)
            É comum ouvirmos de algumas pessoas que a igreja de Cristo tem se tornado mundana. Sou obrigado a concordar! Por quê? Simples, o mundanismo não está no jeito em que a liturgia do culto é tratada, nos instrumentos e ritmos que são tocados, nem tão pouco se seu cabelo é menor que o da irmã! O mundanismo se manifesta dentro da igreja na ostentação dos dons dado por Deus. É igual à repreensão que Jesus faz a João que, quando contrariado pelos samaritanos, sugeriu que fizesse cair fogo dos céus, e Jesus o repreendeu severamente dizendo que ele ainda não conhecia o espírito do qual Ele estava dizendo. Pois, o Senhor veio para salvar o que estava destruído e não para destruí-los de vez.
          Hoje a disputa por títulos é grande! Gente que acha seu ministério mais importante que do outro. Dizem que um ministério sofre mais retaliação do diabo por ser mais ungido, uns se vangloriam porque são ousados no evangelismo outros porque são mestres da palavra, e por aí vai. Que pobreza espiritual e falta de um bom estudo de (Rom 12) e (1 Cor 12) !
          Todos precisam de todos, pelo menos é o que diz a palavra. O que seria do pastor sem os que limpam a igreja e cuidam das crianças enquanto os pais assistem o culto? Ou dos missionários sem os mestres da palavra, e os mestres da palavra sem os missionários? Não existe ninguém melhor que ninguém! Tenha certeza de uma coisa, muitos “pastores” vão para o inferno com um currículo invejável, digo de gente que expulsou demônios em nome de Jesus, curou, pregou, pois está escrito que “nem todo aquele que me diz Senhor entrará no Reino dos Céus”.
          A palavra nos ensina que as partes mais fracas do corpo devem ser tratadas com mais honra, pois são necessárias. Não existe gente mais ou menos ungida no Reino de Deus. Existem filhos e filhas de um único Pai. Jesus disse que este tipo de competição ou analogia pertencem aos governantes ímpios (Mc.10:42), e aos hipócritas fariseus. O Senhor disse para não chamarmos ninguém de Pai, pois temos um único Pai e um só Mestre que está nos céus (Mt 23: 8-9).
          Temos que receber com alegria aquilo que Deus nos deu para cuidarmos. Não importa se diante dos homens seu ministério não é tão “importante”. O que importa é o que Deus acha, e ele ama aquele que o conhece. Ele mesmo disse “para o sábio não se gloriar na sua sabedoria, nem o forte na sua força, e o rico nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se em conhecê-lo (Jr. 9:23). Pois não é aprovado quem a si mesmo se louva, e sim aquele a quem o Senhor louva". Tem gente que fala de Deus, tem carisma, faz os outros se emocionarem, mas não conhece a Deus e nem são conhecidos por Ele.
           O apóstolo Paulo recomendou a escolha dos serviços humildes (Rm 12:16).  Os melhores dons são os que servem ao próximo, aquele que serve de escada para colocar o outro acima. Rixas como essas entre ministérios, dons, “espiritualidade”, só trazem transtornos e confusões para o corpo místico de Cristo, a igreja verdadeira.
           Lutero disse uma vez: “Se alguém é sábio, justo e bom perante os homens em virtude de dons, quer natural, quer espirituais, ele não é, por causa disso, considerado como tal perante a Deus, sobretudo se ele se considera como tal.”.

          Que Deus nos livre da vanglória ministerial, pois não existem ministérios que agradam mais ou a menos Deus no serviço. O que existe são corações sinceros junto de suas motivações no prestar do serviço. Nós julgamos o exterior, o Senhor é o único que pode julgar a motivação do coração. Por isso, quando você for tentado a se afastar do que Deus lhe concedeu como dom devido a julgamentos dos homens, lembra que quem te julgará é Deus, e somente a Ele temos que agradar.

          Não importa se você for o faxineiro ou o pastor da igreja, faça tudo para a glória de Deus, pois Nele nosso trabalho nunca é em vão, e o que é feito em secreto, nosso Pai o recompensará publicamente no tempo oportuno.

Deus abençõe.

Fabio Campos
Soli Deo Gloria!