sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

MISERICÓRDIA, GRAÇA E ZELO, A SEGURANÇA DOS QUE PERTENCEM A CRISTO


Por Fabio Campos

Texto base: “Senhor, Senhor, Deus compassivo e MISERICÓRDIOSO, mui paciente, cheio de amor e de FIDELIDADE”. (Ex. 34:6)

          No salmo 121 Davi diz que elevou seus olhos em busca de socorro, e constatou que seu refúgio poderia vir apenas do Senhor. Quão maravilhoso é servir a um Deus Santo, justo, puro e que aborrece o mau e ama a justiça.
          Quando estudamos os atributos de Deus conhecemos um pouco mais de seu caráter. A justificação pela fé só foi concedida ao homem devido à misericórdia, graça e zelo para com Nome do Senhor.
          Segundo Wayne Grudey em seu “Manual de doutrinas cristãs”, misericórdia significa que Deus age com bondade para com os que estão em miséria e angústia. Já graça significa que Deus age com bondade para com aqueles que merecem punição.
          Como é importante que estes atributos estejam em nosso coração. Feliz do homem a quem Deus concede graça (Sl. 32:2). A graça de Deus se manifestou a todos os homens, porém alguns amam mais as trevas do que a luz, se afastaram de Deus para que suas obras que são más não fossem expostas.
          Muito me chamou atenção a definição de misericórdia, que vem de “Miséria”. Quanta miséria espiritual há em nós.  No canto de Zacarias em ( Lc cap 1), a palavra diz que Deus resolveu visitar seu povo porque foi movido de compaixão, e por causa de suas ternas misericórdias, livrou seu povo das mãos dos nossos inimigos e daqueles que nos odeiam.
          Como é confortante para mim, saber que Deus tem misericórdia da minha miséria espiritual. Quantos cristãos se sentem um “lixo” no meio eclesiástico, pessoas que não se sentem dignas para ser um obreiro. Deus tem misericórdia de você, ele não te ama pelo o que você faz, Ele te ama pelo o que Cristo fez (zelo pelo seu nome).
          O nome do Senhor é nossa total segurança. Deus sempre jurou por seu nome.  Quantas e quantas vezes vimos O Senhor dizer: “por amor ao meu Nome”.  Deus Zela por Seu Nome acima de tudo. Zelo significa: “estar profundamente comprometido em busca da honra ou bem-estar de alguém, de si próprio ou de outra pessoa”. O zelo divino nada mais é que, “a busca continua para proteger a própria honra”. Em (Is 48:11) Deus diz: Por amor de mim mesmo, eu faço isso. Como posso permitir que eu mesmo seja difamado? Não darei minha glória a nenhum outro”
          Este atributo é maravilhoso! Se não fosse por ele (zelo ao seu Nome) o Senhor já tinha destruído com tudo, pois antes da criação, a Trindade já vivia em perfeita harmonia sem precisar de nada, Ele (Pai, Filho e Espírito Santo) era e é completo em si mesmo, atributo este denominado como “asseidade” (por si mesmo).
           Mas Deus fez o homem a sua imagem e semelhança, que grande honra estava em jogo, como Deus acabaria com a coroa da sua criação? Por amor a Ele mesmo, Deus resolveu investir em nossa salvação. Em (Lc1:72) diz que Ele se lembrou da sua Santa Aliança o qual fez a Abraão, Isaque, Jacó, Moisés e por fim a Davi, de onde sairia à plenitude do cumprimento de sua promessa.
           Agora Deus resolveu visitar seu povo pessoalmente, pois Cristo é a imagem do Deus invisível, e Nele habita corporalmente toda plenitude da divindade, e quem o olha, vê a Deus, e quem olha para Deus, vê a Cristo, a Trindade agiu por amor ao seu Nome, Jesus Enviou o consolador. O Pai o Filho e o Espírito Santo selaram aqueles que se arrependeram e entenderam o plano de Deus para sua vida.
           Qual a segurança e por que os que são de Cristo já não precisam temer mais a condenação? Porque agora são selados, e em nós aparece uma marca permanente que diz: “Comprado pelo sangue do cordeiro”. Marca esta ilustrada no grego original a de uma penhora com registro de propriedade. Essa é a marca da promessa! E quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? Foi Cristo Jesus que morreu e mais, que ressuscitou e está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação angústia, perseguição, fome, nudez, perigo, ou espada? Pois estou convencido de que nem a morte nem a vida, anjos ou demônios, presente ou futuro, altura ou profundidade, ou quaisquer poderes e outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus nosso Senhor.

          Deus tem prazer na misericórdia e se esquece da rebelião do seu povo (Mq 7:18). Todas às vezes que você quiser desistir por causa do seu desempenho espiritual, lembre-se que você tem a marca de Cristo, e foi Ele quem te marcou. É por isso que temos um sacerdote junto ao pai que conhece nossas fraquezas e intercede por nós. Mesmo quando não sabemos orar, o Espírito Santo leva nossa oração a Deus com gemidos inexprimíveis, e por meio de Cristo Jesus, o Pai perdoa nossas transgressões quando há quebrantamento ministrado pelo Espírito Santo.

          A glória, a honra, o louvor seja dada a Santíssima Trindade, pois Deus optou pela conversão ao invés da aniquilação, e tudo por amor ao Seu Nome.

        Graça e misericórdia sejam para com todos que amam na verdade o Senhor Jesus Cristo.

Deus abençõe!

Fabio Campos
Soli Deo Gloria

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O NASCIMENTO QUE VEM DE DEUS


                                   
Por Fabio Campos

Texto base: Jo 3:1-8 (O conversa de Jesus com Nicodemos).

          Todos os seres humanos para entrar no Reino dos céus, o qual é apresentado por Jesus Cristo precisam nascer de novo. A Bíblia é bem clara quando diz: “Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”, e que “não há um justo se quer, ninguém que faça o bem”.

          Primeiro, antes de explicar o que é o novo nascimento vamos entender o estilo de vida de alguém que ainda não o experimentou. Uma vida antes deste novo nascimento, é a vivência longe dos padrões estabelecidos por Deus por meio da Escritura - é viver sem lei, errante pelo mundo.

         No texto base vemos que Nicodemos mesmo sendo religioso, mestre em Israel, referência para os fariseus, ainda não pertencia ao Reino de Deus. Jesus disse a ele que faltava este novo nascimento.

         Todos nós nascemos de uma mulher, e desde pequeno somos pecadores (Sl 51:5). Esse nascimento natural a Bíblia diz que é o nascimento da carne. Se permanecermos neste nascimento não desfrutaremos do Reino dos Céus. Jesus disse que há um nascimento que temos que entender: da água e do Espírito. Este não é exterior - mas algo trabalhado no coração do homem, no mais profundo do âmago. É como o vento-, sentimos, mas não vemos.

        Para que haja esse nascimento o orgulho tem que ser quebrado - a tradição religiosa de sua família ser destronada de seu coração. Jesus disse: “Quem amar mais sua família do que a mim, não é digno de mim”. No contexto, Jesus refere-se à tradição religiosa. Nicodemos foi visitar Jesus à noite por temer ser visto pelos religiosos. O vinho novo tem que ser colocado em odres novos, se o vinho for colocado em odres velho o couro rebentará e se perderá os dois. 

       No novo nascimento há a crucificação dos desejos pecaminosos que rodeiam nosso coração. Aqueles que são de Cristo crucificaram suas paixões e concupiscências. Quando Jesus diz que quem quiser segui-lo precisa tomar sua cruz-, o contexto aqui não são os problemas, a sogra, nada disso - a cruz é o negar a si mesmo todos os dias. Ser seguidor de Jesus é andar pelo caminho estreito desviando-se do caminho largo que levam muitos à perdição.

       Se em algum momento na sua vida não houve uma conscientização de que era necessária uma mudança, e essa não foi seguida por um arrependimento tendo o perdão de Deus, você não nasceu de novo e não está apto ao Reino proclamado por Jesus. Não sou eu quem falo, mas Jesus que está dizendo no evangelho de João capítulo 3.

       Experimentar o novo nascimento é muito mais do que uma religião, é um estilo de vida, agora dirigida pelo Senhor e Deus, Jesus Cristo. É vivenciar a paz de Cristo que o mundo não pode receber, é gozar dos frutos do Espírito: amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Frutos estes produzidos por meio do sêmen divino o qual é o Espírito de Deus.

     Que a celebração do natal não seja apenas mais uma comemoração banal conforme vemos na televisão, mas sim o nascimento do Senhor Jesus, o qual enviado pelo Pai, e que por meio do seu nascimento trouxe a luz e salvação ao mundo. E para o próximo ano o desejo de Deus é que desfrute dessa palavra: “Aquele que está em Cristo é nova criatura, as coisas velhas já passaram e tudo se fez novo (2 Co 5:17).

       Deus por meio de Cristo quer te fazer uma nova pessoa, alguém nascida de Deus. E não importa o que já fez, se houver arrependimento, também há perdão, porque o preço pelo seu pecado já foi pago na cruz do calvário. E quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus, é Deus quem os justifica. Se Deus é por nós, quem será contra nós.

        Louvado seja nosso Deus, o Senhor e Salvador, Jesus Cristo, aquele que era, é, e há de vir!

Deus abençõe!
Fabio Campos
Soli Deo Gloria!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

DOENÇAS, O CRISTÃO E AS CONTROVÉRSIAS DO MOVIMENTO DA FÉ



Por Fabio Campos

- “Mas ele foi transpassado por causa das nossas transgressões, foi esmagado por causa de nossas iniquidades; o castigo que nos trouxe paz estava sobre ele, e pelas suas feridas fomos sarados Is. 53:5 (NVI)

          Existe um ensino consumido hoje em algumas igrejas que foi enlatado nos E.U.A por um movimento chamado “Movimento da Fé”,  que diz que a profecia de Isaias é um “direito” nosso e que ao determinar este versículo com palavras, Deus é obrigado a nos curar de nossas enfermidades,  porque faz parte de suas promessas.
          Não podemos negar que a cura é uma promessa de Deus e ao longo dos anos muitas delas aconteceram em nome do Senhor Jesus. Por outro lado, há vários cristãos exemplares, piedosos em seu trato, que oraram esta passagem de Isaías, jejuaram, “tomaram posse da cura”, e morreram em suas enfermidades. Eu já orei esta passagem e a cura não veio. Mas por que morreram ou não foram curadas já que Deus prometeu? É o que vamos abordar neste estudo.
          A passagem de Isaías 53, a palavra usada para cura no hebraico, “raphah”, trata de uma cura ESPIRITUAL, e não somente física. Esse mesmo termo é usado em Jr. 3:22
- “ Voltem, filhos rebeldes! Eu os curarei (raphah) da sua rebeldia ” .
          Esse apelo de Deus ao povo de Israel seria uma cura física ou espiritual? Com certeza é uma cura espiritual. Não existe uma doença denominada “rebeldia”!

 AS ORIGENS DAS DOENÇAS

         Vamos abordar três fatores que podemos dizer que são as principais origens das doenças:
I.              DIABO
        Satanás pode sim ser um agente direto das doenças!
          Em Lc.9:37-45 trata da história de um menino que tinha um espírito maligno que o dominava fazendo-o gritar e ter convulsões mas ao avistar Jesus, o demônio se retirou e o rapaz ficou curado em perfeito juízo.
          Entretanto, algumas linhas defendem que se o cristão está doente, é porque algum demônio o apossou.  Esta é uma afirmação muito difícil de ser aceita porque não tem base bíblica para tal, me refiro aos cristãos lavados pelo sangue de Cristo:
- “ Mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e O MALIGNO NÃO LHE TOCA”.  1Jo: 5:18 (ARC).
          Conforme descrito no verso acima, não há razões para crer em uma ação direta de satanás sobre um filho de Deus, e seria insensatez de minha parte contrariar o texto Sagrada. Mas se o cristão fica doente, qual a origem disso?  Vamos tratar nos próximos tópicos.

II.            DEUS

          É muito difícil aceitar com nossa mente caída, que Deus pode adoecer alguém. Sempre temos que lembrar que Deus nunca faz nada, permite ou deixa algo sem propósito. Como disse Lutero uma vez: -“Até o diabo é o diabo de Deus”. Ele usa tudo e todos para que o seu plano prevaleça na vida dos seus escolhidos.
          A Bíblia tem alguns exemplos de homens que ficaram enfermos por uma ação do próprio Deus
          Ezequias foi acarretado de uma enfermidade provinda de uma ação de Deus. O Senhor tinha um propósito específico para aquele momento, que era de quebrantá-lo, para que tomasse consciência do seu orgulho, e que voltasse sua confiança a Deus.
-“Andarei humildemente toda a minha vida, por causa dessa aflição da minha alma. Senhor, por tais coisas os homens vivem, e por elas também vive o meu espírito. Tu me restauraste a SAÚDE e deixaste-me viver. FOI PARA O MEU BENEFÍCIO QUE TANTO SOFRI”. Is. 38: 15-18b (NVI)
          O apóstolo Paulo tinha um espinho na carne (2 Co 12:7) que foi lhe colocado para que não pudesse se orgulhar das visões que Deus os dera.
          Certa vez Jesus se deparou com um cego de nascença, e lhe foi perguntado quem havia pecado, se ele, o cego, ou seus pais, para tal doença existir. Jesus disse que nem ele e nem os pais, mas que foi assim para que as obras de Deus se manifestassem por meio daquele homem (Lc. 9: 2-3).
          Deus é soberano e tem seus propósitos, não devemos confundir tudo como a plena vontade de Deus, se não o fatalismo isentará nossa responsabilidade. O sofrimento é necessário para sermos mais dóceis, humildes, compassivos, amorosos, e dar mais valor na vida.
- “A tristeza é melhor do que o riso; pois a tristeza faz o rosto ficar abatido, mas torna o coração compreensivo”. Ec. 7:3 (NTLH)
          Se a doença é provinda de Deus, como poderemos exigir nosso “direito” que está em Is. 53 ou fazer um culto de cura para expulsar o possível demônio que está por de traz daquela enfermidade? Temos que buscar o discernimento para que não haja precipitação em nossos diagnósticos!

III.           A QUEDA NO JARDIM DO ÉDEN

          Sabemos que antes da queda, o homem era perfeito, tinha uma vida perfeita, e um corpo perfeito. Porém, com a rebeldia a Deus, ele se tornou maldito, tendo sérias consequências, inclusive no seu físico. Deus no seu amor nos deu o direito de escolha; árvore da vida ou árvore do conhecimento; vida e prosperidade ou morte e destruição. Mas não temos o livre arbítrio das consequências. No Éden Adão escolheu o pecado, e como a humanidade estava em Adão às consequências disso se estenderam para todos.
-“De um só (Adão; grifo Fabio) fez ele todos os povos, para que povoassem toda a terra” At. 17: 26 (NVI)
          As doenças além da própria genética é fruto de um mundo cheio de maledicências, onde nosso estilo de vida não é exato ao que Deus preparou de antemão para que andássemos nele. Os cristãos estão inseridos neste estilo de vida e não estão imunes das doenças por causa das variáveis do cosmo. O sol nasce para todos. Portanto, todos estão expostos a este risco, cristãos e não cristãos.
          Por isso que existem médicos, e graças a Deus pela vida deles. Tiago nos diz que: - Todo “dom perfeito vem do Pai das luzes”, isto é classificado como “graça comum”, onde crentes e descrentes são dotados de dons para servir a humanidade. Logo, não podemos “espiritualizar” o que pode ser curado com um bom tratamento médico. O apóstolo Paulo não era médico, mas recomendou a Timóteo o consumo de vinho para a enfermidade do seu estômago (1Tm. 5:23).
          Se dissermos que as doenças nos cristãos são consequências de “brechas” dadas ao diabo para que tenha legalidade para agir, teremos problemas com alguns textos bíblicos e com os testemunhos de alguns heróis da fé:
- Paulo tinha uma doença, não especificada (Gl 4:13).
- Epafrodite quase morreu por causa de uma enfermidade (Fp 2: 25-30)
- Trófimo ficou em Mileto porque estava doente (2Tm. 4:20)
         
        - Charles Spurgeon o príncipe dos pregadores, sofria de depressão por falta de uma        substância em seu organismo.
- Eliseu morreu de uma enfermidade (2Rs 13:14)
          Esses homens são alguns poucos que tinham enfermidades por causa da queda e não por causa das chamadas “brechas”. Mais um cuidado a ser tomado, não seja igual aos amigos de Jó dizendo coisas que não sabiam quais eram suas reais origens.

NEM SEMPRE O FISÍCO REFLETE O ESPIRITUAL OU VICE-VERSA

- “Amado Gaio, a quem amo na verdade. Amado, ORO para que você TENHA BOA SAÚDE e tudo lhe CORRA BEM, ASSIM COMO VAI BEM A SUA ALMA”. 3 Jo 1-2 (NVI)

          A Bíblia está repleta de relatos onde um ímpio que blasfema o nome do Senhor é rico, tem uma saúde perfeita, enquanto justos sofrem de enfermidades, e passam privações. O Salmo 73 é uma parte da Escritura que os “mestres da fé” jogaram na lata do lixo:
- “Quanto a mim, os meu pés quase tropeçaram; por pouco não escorreguei. Pois tive inveja dos arrogantes quando vi a PROSPERIDADE desses ÍMPIOS” . Eles não passam por SOFRIMENTOS e têm o corpo SAUDÁVEL E FORTE. Estão livres dos fardos de todos; não são ATINGIDOS POR DOENÇAS COMO OS OUTROS HOMENS.” (justos; grifo Fabio). V. 3-5 (NVI)
- “Assim são os ímpios; sempre despreocupados, aumentam suas riquezas. Certamente foi-me inútil manter puro o coração e lavar as mãos na inocência, pois o dia inteiro sou afligido, e todas as manhãs sou castigado”. V. 13-14 (NVI)
- “Quando tentei entender tudo isso, achei muito difícil para mim, até que entrei no santuário de Deus, e então compreendi o destino dos ímpios. Certamente os põe em terreno escorregadio e os fazes cair na ruína” V. 16-18 (NVI)
          A Bíblia é a única fonte totalmente segura com respeito aos desígnios de Deus. Há ou não um paradoxo quanto aos ensinos dos “mestres da fé”? Nem sempre o físico é reflexo do espiritual! Por isso nossa confiança tem que estar pautada totalmente na graça e misericórdia de Deus. Mesmo que sejamos ricos em obras, a vanglória é repugnante diante do Senhor.
          Olha a resposta do salmista um homem de Deus, que estava passando por enfermidades e por várias outras dificuldades.
-“ Contudo, sempre estou contigo; tomas a minha mão direita e me susténs. Tu diriges com o teu conselho, e depois me receberás com honras. A quem tenho nos céus senão a ti? E na terra, nada mais desejo além de estar junto de ti. O meu CORPO e o meu coração PODERÃO FRAQUEJAR, mas Deus é a força do meu coração e a minha herança para sempre”. V. 23-26 (NVI)
          Ele não determinou as promessas de deuteronômio 28 exigindo seus “direitos”, mas pediu a Deus o discernimento, e o Senhor o levou a um grau de conhecimento muito mais profundo da sua graça e misericórdia.

O CUMPRIMENTO PLENO DA PROMESSA DE ISAÍAS 53

          Não podemos negar que estamos vivendo o cumprimento parcial de Isaías 53, podemos orar a passagem de Isaías, mas determinar colocando Deus na parede, dizendo que Ele prometeu seu pleno cumprimento para a era atual é agir como os judeus que crucificaram a Cristo por esperarem um “messias” que os libertaria do império romano, e não do império das trevas. É reivindicar a benção antecipada, e isso não é sábio e não traz benção (Pr. 20:21).
          Exigir de Deus esta passagem para esta vida é tentar a Deus a ser “incoerente” a respeito de sua própria palavra:
- “ Amados, agora somos filhos de Deus, e AINDA NÃO SE MANIFESTOU O QUE HAVEREMOS DE SER, mas sabemos que, quando ele se manifestar, SEREMOS SEMELHANTES A ELE ”1Jo 3:2 (NVI)
- “ O último inimigo a ser destruído é a morte ”  1Co: 15:26 (NVI)
- “ Pois é necessário que aquilo que é corruptível (corpo atual; grifo Fabio) se revista de incorruptibilidade, e aquilo que é MORTAL, se revista de IMORTABILIDADE. Quando porém, o que é corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: A morte foi destruída pela vitória”.    1Co.15: 53-54 (NVI)
          Perceba que o texto acima está descrevendo o corpo que teremos na glória. Nosso corpo atual, no texto é tratado como mortal e corruptível. O último inimigo ainda será destruído, que é a morte. Na volta de Cristo, quando tivermos nossos corpos glorificados, a morte, doenças, pecados, não farão mais parte de nosso dia-a-dia. No céu não entrará nada corruptível e pecaminoso!
          Todas as promessas de Deus se cumprirão naquele dia, principalmente a de Is 53, quando todos os crentes em Jesus em uma única voz disserem:
- “Onde está, ó morte, a sua vitória? Onde está, ó morte o seu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a Lei. Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo”   1 C0. 15: 56-57(NVI)
          O dia em que não haverá mais morte nem choro ainda não chegou, mas chegará.
- “Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem DOR, POIS A ANTIGA ORDEM JÁ PASSOU”   Ap. 21: 4 (NVI).
           Nessa passagem, está a certeza da eliminação dos cinco aspectos trágicos da vida humana: lágrimas, morte, pranto, clamor e dor. A Bíblia não nega a realidade da dor e da morte, mas nos dá a certeza de que VIRÁ (futuro) o dia, pela graça de Deus, quando, para o crente, essas coisas não existirão mais (Comentário bíblico Novo Testamento Moody ; P. 834)

PRINCIPAIS EXPOENTES DO MOVIMENTO DA FÉ
* Kenneth Copeland
* Morris Cerullo
* Benny Hinn
* Frederick C. Price
* Kenneth E. Hagin
OBS: Não quero atacar os “pregadores” em si, apenas combater os erros doutrinários por meio das Escrituras.
          Em uma de suas ministrações, Frederick Price, disse um absurdo que só pode ter vindo de sua mente carnal. Leia com calma e tire suas conclusões:
- “Como você pode glorificar a Deus em seu corpo quando ele não funciona direito? Como pode ele obter glória quando seu corpo nem mesmo funciona? O que faz você pensar que o Espírito Santo quer viver dentro dum corpo onde não possa espiar através das janelas e nem ouvir pelos ouvidos? O que leva você pensar que o Espírito Santo queira viver dentro dum corpo físico onde os membros, os órgãos e as células não funcionam direito? E o que faz pensar que ele deseje viver num templo onde não possa ler com os olhos, andar com os pés e nem mover com as mãos? Os únicos olhos que ele tem nesta dimensão terrestre, são os olhos que estão no corpo. Se ele não puder ver por meio deles Deus estará verdadeiramente limitado” (Frederick Price, “I sGod Glorified Through Sickness?” (Los Ângeles: Crenshaw Christian Center, s/d), fita de áudio #FP605, ênfase acrescentada) Trecho extraído do livro “Cristianismo em crise”; CPAD; Hanegraaff, HANK. P. 282 e 283

CONCLUSÃO

          Muitos cristãos diante das doenças perderam seu ânimo por escutarem ensinos heréticos como os que foram abordados neste estudo. Eles projetaram o que Deus pensa sobre eles baseado nas circunstâncias ocorridas. O que Deus pensa sobre nós é projetado no que Cristo fez, e não no que fazemos ou no que acontece conosco, pois se não fosse assim, já não seria graça, mas sim “obrigações a receber”.
          Minha oração é que não sejamos como meninos levados por todo vento de doutrina. Mesmo que esses tais “mestres da fé” tenham esse “poder” de curar, eles um dia precisaram e precisarão de médicos, por terem um corpo caído igual ao meu e ao seu.
          O que diz sobre você não são as circunstâncias que o rodeiam! O que diz de você é o que o Espírito Santo está fazendo dentro de você, que é a transformação de glória em glória a imagem do seu filho amado.
- “Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor”.   Rm 8:38-39 (NVI)

Deus abençõe!

Fabio Campos
Soli Deo Gloria!







sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

A PROMESSA DADA A ABRÃO É PARA CRISTO OU PARA NÓS?


Por Fabio Campos
Pergunta: Estava lendo Gálatas 3 15-23. Paulo fala da promessa de Abraão e aos seus descendentes; ouvimos muitos pregadores falarem que somos filhos de Abraão e sobre as promessas dele se estenderem para nossa vida. Esta passagem diz que a promessa foi feita a Cristo, sei que por meio Dele nós podemos ter muitas bênçãos espirituais e naturais, mas só para entender: a promessa de Genesis é para Cristo ou para todos nós?

Resposta: O que Paulo está tratando nessa questão é qual o meio de justificação aceito por Deus, sendo este pela fé e não pelas obras da lei. Ele diz o seguinte: Deus deu uma promessa ao seu povo por meio de Abrão; a Bíblia diz que Abrão creu (fé) e isto lhe foi imputado como justiça, e que porque ele creu, todas as nações que dele descendessem seriam benditas no Senhor. O que isso significa? Deus pela sua graça escolheu Abrão para gerar o Messias, Aquele que daria o direito a todos os povos de serem chamados povo de Deus (Gl 3: 26-29), denominação antes auferida e restrita a Israel. Jesus disse à mulher samaritana que, "a salvação vem dos judeus" (Jo 4:22), ou seja, por meio de Abraão, constituiu-se a nação de Israel a qual descendeu o Messias (Gl 3:29).

Por que somos justificados pela fé e não com base na lei? Pela lei é impossível de alguém ser justificado diante de Deus (Gl 3:11). A lei foi dada a Moisés, porém a fé para justificação foi revelada a Abraão (fé), que antecedeu a Moisés (lei) em 430 anos, e se concluiu em Cristo (graça). Ele (Jesus) foi o único que cumpriu toda lei e sem pecado, foi “condenado” pela lei em nosso lugar, nunca teríamos a capacidade de cumprir toda a lei, mas pela fé Nele que morreu por nossos pecados e ressuscitou para nossa justificação, fomos reconciliados com Deus. Hoje em Cristo somos aceitos por Deus!

A promessa dada a Abraão era a vinda do Messias para libertar seu povo do império das trevas, e como ele (Abraão) creu nesta promessa (Messias), e também nós que cremos em Jesus, fomos aceitos por Deus por causa da fé nesta mesma promessa, a messiânica, consumada em Cristo Jesus o Senhor.

Este apelo que fazem: "as promessas de Abraão vão recair sobre você"; e que "você vai ficar rico porque é filho de Abraão"; e porque "ele tinha muito gado você também vai ter", é "conversa fiada". A maior riqueza que herdamos de Abraão foi o direito de sermos chamados “nação escolhida”, feita de sua descendência não física, mas espiritual (Rm 9:6-8). Por isso que o Senhor Jesus é aclamado como o “desejado de TODAS as nações”, por ser aquele que redimiria seu povo de suas iniquidades, reconciliando Deus com o mundo.

"Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestiais em Cristo." Efésios 1:3   

 Deus abençoe!

Fabio Campos
Soli Deo Gloria!